quarta-feira, junho 28, 2017

SAÍDA URGENTE

Com pouco mais de um ano de governo, Temer tornou-se um incômodo. O político que foi escolhido num acordo entre o PT e o PMDB para ser vice na Chapa encabeçada por Dilma, revela-se comprometido com as reformas, mas também com a corrupção. Denunciado por associação criminosa com o empresário Joesley Batista, de quem recebia propinas, segundo o PGR, Temer age como se a faixa presidencial fosse propriedade sua, e não renuncia ao cargo. Enquanto isso, o Brasil sangra. As medidas necessárias para que o País saia da crise estão em compasso de espera no Congresso. Com a base aliada se esfacelando, Temer promete benesses ao grupo de deputados fisiológicos de baixa confiabilidade, conhecidos, como "centrão", em troca dos votos para que se livre do processo no STF. É bom lembrar que se trata do mesmo grupo que apoiava Eduardo Cunha e que depois voltou-se contra ele. Em defesa da permanência de Temer, alega-se a ausência de nomes para substituí-lo. Não se trata de encontrar nomes, pois a solução é Constitucional. E a Constituição determina que, com o afastamento do presidente, assume o presidente da Câmara. Afastado definitivamente, o Congresso elege seu sucessor. O que falta, portanto, não são nomes para suceder Temer. Falta vontade política dos parlamentares, grande parte deles também sob suspeição, e investigados.Para solucionar esse impasse que tanto mal faz ao Brasil, Temer tem que deixar o cargo com urgência. Depois, é só seguir o que manda a Constituição.

Nenhum comentário: