terça-feira, janeiro 31, 2017

MAIA QUER MAIS



O deputado federal Rodrigo Maia, eleito pelos seus pares para concluir o mandato do deputado cassado Eduardo Cunha, gostou da cadeira da presidência da Câmara, e agora quer porque quer ser eleito para um mandato completo. Embora as pesquisas indiquem que ele tem o apoio da maioria, um grupo de deputados resiste, de olho no cargo, e considera a atitude de Maia inconstitucional. Os também candidatos  Jovair Arantes, Rogério Rosso, Júlio Delgado  e André Figueiredo foram bater à porta do STF alegando inconstitucionalidade e  pedindo a nulidade da candidatura do deputado fluminense. No fundo, sabem que não têm a mínima chance, e procuram barganhar cargos na futura legislatura.

Quando Maia assumiu a presidência, o fez sob um consenso tácito de que apenas concluiria o mandato de Cunha. Mas o político fluminense gostou do que viu e se entusiasmou com o poder de um cargo que lhe possibilita, entre outras vantagens a de  substituir eventualmente o presidente da República, uma vez que Temer não possui vice. Maia ganhou apoio da maioria governista por cumprir fielmente a agenda do Executivo, sendo considerada peça  fundamental para o andamento das reformas em curso. Agora recebe  o apoio velado de Temer, que se declara neutro , mas nos bastidores trabalha pela recondução de Maia.

E nós o que temos a ver com isso? Pouca coisa, pois se trata de uma disputa interna por cargos e posições no governo, atividade que os políticos sempre fizeram de melhor. Refletimos que todo esse esforço e dedicação poderiam estar dirigidos  à tarefa de encontrar soluções para a maior crise que o País viveu nas últimas décadas. Mas os  nobres parlamentares passam longe disso. Não que a disputa pela presidência da Câmara seja pouco importante e não deva interessar à sociedade. Mas todo esse imbróglio poderia ser resolvido com tranqüilidade se os deputados tivessem mais equilíbrio, espírito democrático e respeito às leis..

terça-feira, janeiro 24, 2017

COMUNISTAS APOIAM "GOLPISTA"



Os comunistas vão apoiar um “golpista” para a presidência da Câmara.   Isso mesmo. O Partido Comunista do Brasil declarou apoio a Rodrigo Maia , um dos mais atuantes articuladores do impeachment de Dilma Rousseff. O PCdo B é uma daquelas bizarrices que só a política brasileira é capaz de produzir. Nos anos 70, apoiou a guerrilha do Araguaia e recebeu orientação ideológica do   Partido do Trabalho da Albânia( comunista) ,  além de divulgar   prática stalinista daquele país como modelo de sociedade socializada. Após a redemocratização do Brasil e o fim do comunismo da Europa Oriental, o PCdo B se propôs a participar da política partidária,  sem jamais abandonar o nome, como aconteceu com o outro partido comunista que hoje é o PPS. O PCdo B é hoje um apêndice do PT. Foi a única que encontrou para sempre estar com as   rebarbas do poder. E é o poder  a sua principal motivação, já que a ideologia foi, há muito,para o espaço. São as rebarbas do poder que motivam os comunistas a apoiar um político chamado por eles de “golpista”.Seu aliado , o PT, parece que vai para o mesms caminho. Quanto a  Dilma Rousseff, que gosta de sair mundo afora papagueando  o golpe de que teria sido vítima, agora terá dificuldade em explicar aos interlocutores que golpe foi esse em que o seu partido e aliados   estão se integrando mansamente ao governo dos “golpistas”

quinta-feira, janeiro 19, 2017

POLITIZANDO O CRIME



Lula tem cinco processos nas costas e quer ser presidente. Em qualquer país civilizado isso seria considerado uma afronta à sociedade. Mas no Brasil da corrupção, da violência dentro e fora  dos presídios e da falta de respeito dos governantes  em relação aos cidadãos, isso é considerado normal. Lula se declarou candidato simplesmente porque quer politizar um fato que é da esfera criminal. Quer colocar-se  como vítima. Como perseguido político. Lula não será eleito porque , caso contrário, quem estaria  desmoralizado seria  o povo brasileiro. Lula e seu partido - ou quadrilha? - assaltaram os cofres públicos e quase destruiram a Petrobras. Agora, faz pose de santo, de ofendido e tenta agredir o juiz Moro, que teve a coragem de revelar e combater  esse esquema criminoso O Brasil está na situação em que está não por culpa de Temer, mas por obra de Lula e Dilma. Mas a justiça não estará completa enquanto o ex-presidente  não pagar pelos seus crimes.

segunda-feira, janeiro 09, 2017

DEMOCRACIA EM CRISE





A democracia neste país está sob risco. Embora as instituições pareçam sólidas, os atores por elas responsáveis são da pior qualidade. Não bastou o impeachment de Dilma para  mudar os rumos da política. Saiu Dilma, mas permaneceu a maioria dos personagens que contribuíram para naufragar o seu governo. Estão todos aí a contribuir para tornar o governo Temer confuso e claudicante.. Estão aí o Senado e a Câmara repletos de políticos suspeitos, a lutar pela manutenção de seu poder, seus cargos e privilégios. Essa situação se replica por todas as Assembléias Legislativas e Câmaras dos Vereadores, Brasil afora.

Temer acertou na escolha de sua equipe econômica, que tem feito um bom trabalho, mas errou feio no resto. É um governo vacilante rodeado de assessores citados na Lava Jato. Mas não é só no executivo e no legislativo que a nossa democracia dá sinais de desintegração. O judiciário tem se mostrado cada vez mais lento, tomando decisões contraditórias, e,  em alguns casos, dado à prática da malandragem e da corrupção.

A incapacidade da sociedade e dos nossos homens públicos de organizar uma democracia compatível com o grau de desenvolvimento a que chegou o Brasil, nos faz ridicularizados por outras nações. A crise do sistema penitenciário que levou ao assassinato de dezenas de presos sob a guarda do Estado demonstra a incapacidade geral dos três poderes de lidar com uma questão que, há muito, se previa explosiva. Bateram cabeça com cabeça de tal forma que um secretário de governo teve a ousadia  de defender um massacre de presos por semana. Se O Brasil  quer a pena de morte,  que o faça, mos por meios legais.

O desespero e a revolta  chegaram  a tal ponto que uma parcela inconseqüente da sociedade passou a defender uma intervenção militar, como se isso fosse solução, e não a aniquilação total de democracia, ou que as Forças Armadas estivessem dispostas a  essa aventura. Transformar o Brasil num quartel não é solução.

O fato é que a sociedade tem que buscar dentro da legalidade uma solução para a crise política. A meu ver tal começaria pela instituição de uma Constituinte exclusiva. Se não formos capazes de buscar uma saída longe de medidas de exceção, é melhor apagar as luzes e entregar as chaves para algum país com democracia evoluída.

quinta-feira, janeiro 05, 2017

FALE MACIO, CARREGUE UM PORETE




No Brasil é assim: depois da porta arrombada coloca-se a tranca. Não sou daqueles que consideram que a responsabilidade principal da criminalidade é a ausência de uma educação de qualidade. Considero que os fatores são múltiplos, e alguns deles ligados à própria personalidade do criminoso. Mas também não sou daqueles que não considera a ausência de educação como um fator desimportante para o estado atual, em que criminosos chegam ao  comandar o crime dentro de presídios. Acho que é correto o aumento de medidas de segurança, dentre elas a construção de novos presídios e a reformulação dos atuais. Mas nunca devemos desconsiderar que quanto mais educado é o País, menor a possibilidade da proliferação da criminalidade. Neste sentido a frase do presidente norte-americano Theodore Roosevelt cai como uma luva: “fale macio ( educação), mas carregue um porrete ( castigo ).