quinta-feira, dezembro 15, 2016

O JOIO E O TRIGO




O povo tem ido às ruas para exigir a moralização da política. Mas os políticos parecem surdos ao clamor popular, e  no Congresso tentam criar leis para obstruir o trabalho daqueles que têm por obrigação combater a imoralidade na política.

A chamada Lei do “Abuso de Autoridade” , cuja votação foi adiada, é  mais uma dessas imoralidades, com a agravante de colocar os criminosos como justiceiros e criminalizar a justiça. O principal  responsável por essa   lei, Renan Calheiros, já é o retrato pronto e acabado de uma autoridade a praticar abuso. É o que  sabe fazer de melhor. Renan procura legislar de acordo com sua conveniência e em benefício próprio, mesmo que tenha que colocar juízes e promotores no banco dos réus, como deseja, numa completa inversão de valores. Para isso  conta com a solidariedade de colegas que  também  acumulam na Justiça uma série de inquéritos e denúncias por práticas ilícitas.

Sinceramente, - talvez seja muita ingenuidade - não acredito que todo político seja  ladrão, safados e sem-vergonha. Creio que existem políticos, honestos, sérios e competentes, embora a maioria passe a impressão contrária. O que falta é separar o joio do trigo, tarefa que cabe ao eleitor, na hora do voto. Acontece que os bons se acovardam e se calam, por conveniência ou pelo espírito corporativista, sob  a avalanche dos malfeitores o que deixa transparecer que todos são desonestos. O fato é que os desonestos se apropriam dos principais cargos da república e passam a ditar normas  e praticar as malfeitorias.

O governo Temer sofre dessa síndrome da safadeza, pois tem no seu ministério  e cargos relevantes, um bom número de  cidadãos sob os mais diversas acusações de ilicitudes. Esse tem sido o calcanhar de Aquiles do novo governo. Enquanto sua equipe econômica merece elogios tanto na questão ética quanto na  sua atuação, a equipe política deixa a desejar, e a cada semana recebemos a notícia de que algum ministro teve que se afastar do governo acusado por práticas ilegais.

Nenhum comentário: