segunda-feira, setembro 19, 2016

"PRENDAM OS PROCURADORES”




Parte significativa da mídia preocupou-se mais com a forma do que com o conteúdo, em relação  à denúncia contra Lula, pelo  MPF, no âmbito da Lava Jato. O petista foi denunciado por corrupção e lavagem de dinheiro, acusado,  com provas, de  ser  o proprietário do tríplex do Guarujá. Os procuradores da força-tarefa concluíram também  ser ele o comandante máximo do esquema que assaltou os cofres da Petrobras.

Bastou para que,  na última semana, a simpatia partidária de jornalistas e órgãos da imprensa, até então enrustida, viesse à tona: mesas de discussões e entrevistas foram formadas, e, numa sequência de ataques, os procuradores foram acusados  de precipitados, incompetentes e irresponsáveis, enquanto Lula, o motivo da denúncia, era surpreendentemente  preservado. De fato, os jovens procuradores podem não ter agido  com a cautela devida, e extrapolado de suas funções. Agiram de maneira açodada quando acusaram  o líder petista de chefiar uma quadrilha , fato que todos suspeitam, mas que no âmbito da justiça precisa ser provado.

 Mas o teatro montado no anúncio da denúncia é fato infinitamente menor do que o conteúdo que estava sendo denunciado. O líder do PT é personagem central do noticiário sobre corrupção desde os idos  do Mensalão, isso se quisermos ser condescendentes e eliminarmos o episódio de São Caetano, até hoje não esclarecido. O que os procuradores fizeram foi agir  de maneira como há muito  a sociedade  esperava.

Afinal, acusar um “mito” da esquerda não é tarefa fácil e requer determinação. Prender um líder cegamente obedecido por uma significativa parcela da sociedade, e admirado por setores da intelectualidade é tarefa que requer maior coragem ainda. Nesse sentido, é sintomático que o juiz Sergio Moro, responsável pela condução  à Curitiba de tubarões da política e do  empresariado, muitos deles amigos íntimos e companheiros de partido de Lula, não tenha feito o mesmo com o líder petista.

O fato é que ele continua livre leve e solto, e só foi incomodado uma única vez, quando do seu depoimento `a PF no aeroporto de Guarulhos. Lula mais do que ninguém conhece a sua importância, para o bem e para o mal, e sabe usar politicamente os seus contratempos com a justiça, vitimizando-se e procurando agregar seus militantes, transformando uma causa pessoal numa luta política

Quem não pode continuar militando na  causa de Lula e do PT  são setores da imprensa tupiniquim que, na última semana, só faltaram exigir  que Lula fosse preservado e os procuradores presos, só porque acusaram Lula de chefe de quadrilha.

Um comentário:

Silvio disse...

A jararaca não quer morrer, kkk