sexta-feira, abril 29, 2016

O MANTRA PETISTA




É golpe, é golpe, é golpe... “Uma mentira dita mil vezes   torna-se uma verdade” ( Goebbels). Isso pode ser válido na Alemanha Nazista  e em outros totalitarismos, onde predomina  a verdade do tirano, mas perde sentido em nações com certo grau de democracia, onde o acesso à informação se faz por diversos meios. Mesmo assim, não deixa de ser cansativo ouvir essa mentira repetida da boca da presidente e dos demais petistas, quando se referem ao que ocorre no Congresso, qual seja  o julgamento da presidente por crime de responsabilidade. O processo ocorre totalmente dentro do que ordenamento constitucional, legalidade essa que foi reconhecida em todos os julgamentos do STF. Mas a esquerda insiste em repetir o mantra do golpe, e chega ao cúmulo de constranger o Senado com a presença do Prêmio Nobel da Paz de 1980, Adolfo Perez Esquivel. Em um  pronunciamento curto ao plenário da Casa, conduzido por senadores do PT o veterano ativista da esquerda aderiu à tese  do golpe e comparou o que acontece no Brasil ao que ocorreu  em Honduras e no Paraguai, cujos  processos de deposição dos presidentes não foram propriamente golpes.
A esquerda que ao longo do século passado se especializou em derrubar governos constituídos, muitas vezes pela força das armas,  não considera essas ações como golpe , mas sim, revolução. Quer dizer, golpe é a direita quem pratica, quando é a esquerda, é revolução.  A verdade, e o processo de admissibilidade no Congresso confirma, é que a presidente , ao longo dos anos 2013, 2014, 2015, praticou uma série de fraudes fiscais.  Contraiu  empréstimos junto a bancos oficiais, sem autorização do Congresso, com o objetivo de maquiar as contas do governo, e com essa aparente  normalidade, vencer as eleições de 2014. Golpes na democracia, quem vem praticando desde que Lula assumiu o governo, é o PT, com a corrupção institucionalizada que instalou na República.

quinta-feira, abril 28, 2016

ADMINISTRAÇÃO EQUILIBRADA



Os propósitos iniciais de Temer vão ao encontro daqueles que repudiam o populismo eleitoreiro, que tomou conta das gestões Lula e Dilma, e encaram com seriedade a necessidade de uma administração equilibrada. O futuro governo precisa ajustar as suas contas, diminuir seus gastos, e realizar as reformas necessárias. Pelo que se noticia, Temer pretende diminuir o número de ministérios, reduzir  dos gastos governamentais, incluindo programas sociais como “Minha Casa, Minha Vida” e “Bolsa Família”, Também estão na pauta de Temer, a reforma previdenciária e trabalhista, além de concessões e  privatizações. Ótimo para o país que chegou aonde chegou pela irresponsabilidade fiscal de Dilma Rousseff, o que está sendo motivo de seu impedimento.
Mas, reformas desse nível requerem coragem do governante e responsabilidade do Congresso porque é antipopular, atinge algumas “conquistas sociais” e   será duramente combatido pelas esquerdas. O PT já prepara a sua tropa de choque vermelha para azucrinar Temer e tentar provar que com Dilma, ou Lula,  seria melhor. A presidente escorraçada do poder já se propôs a percorrer o país, acompanhando o seu chefe e fazendo barulho contra os “neoliberais conservadores” que lhe “usurparam o poder”. O choro é livre. O que a sociedade não aceita é que eles conturbem a vida do Brasil tanto quanto fizeram até agora, no campo, econômico, político e social. É o momento de todos aqueles que foram às ruas pedindo o impeachment se unirem ativamente em torno do novo governo, numa tentativa de recuperar uma parte do que o país perdeu. Mas que seja um apoio crítico, para que Temer & cia não enveredem pelo mesmo caminho da turma do PT.


quarta-feira, abril 27, 2016

DILMA JOGA A TOALHA



Dilma Rousseff já reconhece a derrota na fase de admissibilidade, no Senado. Nada mais há a fazer do que aguardar, fora do Planalto, o julgamento propriamente dito. Enquanto isso, Temer acelera a formação de seu governo e já tem, inclusive, o seu ministro da Fazenda: o ex-presidente do Banco Central, Henrique Meirelles. A vida não está fácil para os petistas, e  a tese do “golpe” não colou. Por seu lado, em estado de desespero, pois ameaçado pela justiça, Lula, com apoio de Marina Silva e outros, continua firme na tese das Diretas Já. Mas no quadro atual isso é praticamente impossível. Precisaria da concordância de Dilma ou Temer – quem estivesse efetivamente no governo - que teriam seus mandatos reduzidos, da  maioria absoluta dos partidos e do Congresso, e dependeria de uma Emenda Constitucional. Quer dizer, sonho de uma noite de verão. Eleições diretas, portanto, só com a cassação da chapa pelo TSE. Nessa hipótese, Dilma já teria sido impedida, e Temer, presidente efetivo, seria o prejudicado. Mas tudo isso são meras conjecturas. O fato é que Dilma já dá mostras de que reconhece a derrota, e Temer faz o que tem de ser feito: prepara o seu governo, com muitos nomes que atuaram nas administrações  petistas, mas com projetos aparentemente diferentes do governo que agora cai.

terça-feira, abril 26, 2016



MAIS UM DESSERVIÇO


Na Comissão do Senado que julga a admissibilidade de denúncia contra Dilma, o que deixou os petistas incomodados, não foi tanto o fato de Antonio Anastasia ser do PSDB, mas sim a reconhecida competência do senador tucano, especialista em Direito Constitucional e Direito Administrativo. Tal fato é garantia   de um relatório consistente que dificilmente dará brechas para que os petistas criem confusão. A certeza de que Dilma não escapará da comissão, nem do plenário, faz com  que os petistas  já trabalhem para infernizar  a vida de Temer e inviabilizar a sua interinidade. Lula já indicou que quer fazer barulho e agitar suas tropas, pois considera a ascensão do peemedebista uma usurpação do poder. Greves, manifestações de rua, invasões de propriedades poderão se tornar comum, nessa  tentativa de inviabilizar o governo Temer  e trazer de volta Dilma. Se acontecer como os petistas querem, Lula terá prestado mais um desserviço ao país, dentre os muitos que ele já prestou. Mas se trata de um ato de desespero, pois a partir do afastamento da petista, Lula estará completamente  ao léu, pronto para ser intimado pela justiça. Não é sem motivo que ele quer porque quer a antecipação das eleições para este ano. Isso sim,  é golpe.

segunda-feira, abril 25, 2016


A VERDADEIRA FACE



Lula e sua turma não têm do que reclamar em relação à oposição e a mídia. Durante os governos petistas, a oposição - PSDB e  DEM -, se comportaram muito discretamente. Não fizeram  metade do barulho que o PT fazia quando na oposição. É bom não esquecer que todos os governos  depois da redemocratização sofreram nas mãos dos vermelhos com  as seguidas greves, invasões de propriedades, pedidos de impeachment,sem contar os rotineiros discursos agressivos. Toda essa confusão, que o Brasil vive desde 2006, a partir do "Mensalão", não foi inventada pela oposição, mas tão somente obra do próprio partido vermelho  e seus aliados. A oposição não criou  o mensalão, não fabricou o petrolão, nem praticou fraude fiscais. Também não construiu um sítio em Atibaia para acusar Lula de esconder propriedades adquiridas de forma ilícita. A propósito disso, Lula deveria, ao invés de fazer barulho contra o impeachment, que é 100% legal, estar dedicado ao  trabalho de  se defender, porque está prestes a sofrer a primeira denúncia formal pela aquisição do sítio com dinheiro desviado da Petrobras. A força-tarefa da Lava Jato já possui elementos suficientes para acusar o ex-presidente, conforme foi noticiado pelo "O Estado de São Paulo". A máscara de protetor dos pobres pode cair a qualquer momento, e dar lugar  à  face de um cidadão que usou o governo para se locupletar

sexta-feira, abril 22, 2016


O CHORO É LIVRE



A presidente Dilma e seus aliados parecem que estão sofrendo de alguma forma de paranóia. Golpe, golpe, golpe. É o samba de uma nota só que petistas entoam seguidamente após derrota na Câmara e perspectiva de derrota também no Senado. Golpe, por quê? A  regra é essa, tem base na Constituição e  foi chancelada pelo Supremo. Teve o apoio explícito de juristas, promotores, advogados e , o que é mais importante, da grande maioria da sociedade. O processo foi lícito e transparente, embora os parlamentares que votaram no domingo não sejam da melhor qualidade, e muitos deles são mais sujos do pau de galinheiro. Mas foi essa mesma Câmara dos Deputados que sustentou o governo Dilma e forneceu parlamentares que constituiu grande parte de seus ministérios. Então, por que o choro? Dilma chora pelo doce que lhe tiraram, choro de perdedor, e isso até certo ponto é compreensível.  O que não é compreensível é fazer desse fato uma quase guerra civil e colocar as milícias vermelhas para agirem com violência contra Temer, Cunha e todos os que votaram pelo impedimento da presidente. Um pouco de equilíbrio e bom senso é o mínimo que se espera dos  políticos, num momento em que o Brasil vive uma de suas maiores crises da História, e o povo sofre as suas consequências.