segunda-feira, julho 28, 2014

A FORÇA POLÍTICA DA UNIVERSAL




A fantástica  multiplicação da riqueza do “bispo” Edir Macedo  e de sua igreja ainda está por merecer uma investigação séria por quem de direito. No governo Collor, ele foi denunciado por enriquecimento ilícito e fraude fiscal, chegando a ficar preso. Mas, a partir de então,  na convicção de que sem uma retaguarda política seria presa fácil, constituiu  uma forte bancada parlamentar, com ramificações em diversos partidos, sustentada por um  numeroso eleitorado, cegamente fiel  às orientações da Igreja Universal.

A força desse eleitorado e a influência política adquirida pela Universal talvez explique a razão  pela qual, nas últimas décadas, governo após governo, Macedo  tenha permanecido intocável. E, mais ainda,  aumentado a sua força e prestígio nos três mandatos presidenciais  do PT. Essa mesma força poderá ser capaz de conduzir ao governo de um estado da federação um membro da própria Igreja: “o bispo” Marcelo Crivella, no Rio de Janeiro.

Por isso, não chega a causar estranhamento a  anunciada inauguração, em São Paulo,  de um faraônico templo de 74 mil metros quadrados de área construída, o equivalente a 18 andares de altura e capacidade para 10 mil pessoas, batizado de “Templo de Salomão”. Muito menos estranho, será a   presença da presidente Dilma Rousseff na solenidade de inauguração do templo, marcada para o próximo dia 31. Nessa  mistura de religião com  política, de Estado laico com  instituição religiosa, mais forte do que as suspeitas que rondam a Igreja Universal,  é a contribuição que essa corporação tem a dar aos  interesses políticos e eleitorais de governantes.
280714

quinta-feira, julho 24, 2014

LEGAL E IMORAL


Além de atacar as freqüentes  mazelas praticadas na gestão petista, o senador e candidato Aécio Neves faria bem se também olhasse para as  suas próprias mazelas. Como, por exemplo,  a da construção, ou reforma, de um aeroporto no município de Cláudio, ao custo de aproximadamente R$14,o milhões aos cofres públicos de Minas. A obra pode ter sido legal, como se defende Aécio, mas não deixa de ser imoral.

Imoral, porque não teve interesse público evidente, mas foi construída sob suspeita de atender os   interesses  do político e de seus parentes e amigos, em suas locomoções ao município. Por mais que Aécio tente provar que não existe irregularidade na obra, fica mais patente  a imoralidade do ato, praticado quando era governador de Minas.

A prática de confundir a esfera comum com a particular e de usufruir ganhos pessoais em prejuízo do patrimônio público é um dos males mais enraizados na cultura política brasileira. Se Aécio Neves, ou qualquer outro, deseja se apresentar como um símbolo de  mudança ética, é melhor começar por uma autocrítica sobre o seu próprio comportamento.

250714 

quarta-feira, julho 23, 2014

ATIVISTAS OU ARRUACEIROS?


O Estado  democrático, garante constitucionalmente a todos os cidadãos   o direito   à livre expressão pública de   suas idéias, mesmo que algumas delas   contestem a  democracia, como o fazem fascistas e comunistas, ou o próprio Estado, como defendem os anarquistas.

Os Black blocs,  que se declaram  ativistas políticos , têm se  destacado,  nas recentes manifestações de protesto, por assassinato, atos de violência  e de vandalismo. Não estão sendo detidos por conta de suas idéias, mas por suas ações ilegais.Não estão sendo presos por defenderem a democracia num estado totalitário, mas por práticas que agridem e ameaçam a convivência democrática.

Não são, como se pretendem, presos políticos, mas criminosos comuns. Portanto, foi correta a decisão do Uruguai ao negar asilo político a um grupo deles.
230714

segunda-feira, julho 21, 2014

SAI A SELEÇÃO, ENTRA A NAÇÃO



O noticiário sobre quem será o substituto de Felipão no comando técnico da Seleção da CBF tem tomado conta da mídia. De uma maneira que, muitas vezes, extrapola o bom senso. Nada contra que se discuta o assunto. Mas, não seria muito mais importante, neste momento, o debate sobre as candidaturas  à Presidência?

Afinal, nos próximos quatro anos, as nossas vidas serão muito mais  afetadas pelas decisões do Planalto do que por qualquer medida que Dunga, ou quem venha  ser escolhido,venha a tomar. O curso da inflação, os rumos da educação, e os caminhos da tributação são infinitamente mais importantes do que os gols de Neymar, e as jogadas de Oscar.

Portanto, a hora é de acompanhar os candidatos, analisá-los, e votar conscientemente, mesmo que para anular o voto, se for o caso. É hora de substituir o interesse pela Seleção pelo interesse pela Nação.
210714

quarta-feira, julho 16, 2014

FÉRIAS PERMANENTES

FÉRIAS PERMANENTES

Senadores e deputados continuam a tratar o povo com desprezo e, num misto de arrogância e cinismo, se arvoram no direito de ditar as próprias regras, mesmo que estas sejam um desrespeito à Constituição Federal. Pois não é que os nobres parlamentares decidiram se conceder, neste segundo semestre, um prolongado  e imerecido recesso?

Após um primeiro semestre totalmente improdutivo, e da interrupção dos trabalhos por causa da Copa, os parlamentares, presididos por Renan Calheiros e  Henrique Alves, ambos do PMDB governista, decidiram usufruir de férias informais a partir desta semana, sem sequer votar a LDO de 2015, conforme manda  a Constituição. Sob o pretexto de que os parlamentares precisam se dedicar  à campanha eleitoral. As férias se prolongarão até 5 de outubro.Nesse intervalo, eles vão trabalhar apenas uma semana em agosto, quando devem votar a LDO, e outra em setembro.

Agora, vejam a justificativa  de Renan Calheiros segundo a Folha de S. Paulo  para mais esse absurdo: “A necessidade de deliberar em pleno processo eleitoral pode nos levar para a zona cinzenta de votar matérias que não sejam de interessa nacional ou que sejam entendidas por alguns setores como matérias demagógicas". Muita cara de pau. Na “zona cinzenta” eles já se encontram durante todo este ano.
160714

quinta-feira, julho 10, 2014

"O PIOR PAÍS DO MUNDO"




O baixo-astral que tomou conta do país após a derrota para a Alemanha confirmou que a auto-estima dos brasileiros muitas vezes é regulada pelo desempenho da seleção da CBF nos gramados. Massacrados a por uma massiva campanha nos meios de comunicação patrocinada por empresas estatais e privadas, os brasileiros foram levados a crer  que estávamos a caminho do hexa, que praticávamos o melhor futebol do mundo, que Neymar só era inferior a Pelé, e que os adversários , um a um , cairiam de joelhos ante a nossa superioridade. Quando, após a derrota por 7x1 para a Alemanha, se viu nada disso era verdadeiro  , os brasileiros foram do céu ao inferno em menos de vinte minutos, e estão se achando  o pior país do mundo.  

Bobagem: não somos o pior país do mundo. Se fôssemos, certamente não seria por causa  do   fraco desempenho futebolístico, mas muito mais  pela péssima qualidade da educação, pela violência impune que domina nossas cidades, pelo caótico serviço de saúde pública, pelo  transporte público ineficiente e oneroso, pela justiça falha e vagarosa. Enfim, por décadas de administrações incompetentes e corruptas que durante vêm afundando o país e conduzindo-o à porta de entrada do inferno.

Mas não entramos no inferno. Mesmo juntando todas as nossas mazelas e deficiências, ainda não chegamos ao topo do ranking da ruindade. Mas poderemos chegar lá, se o nosso ufanismo se limitar aos dias de disputa do Mundial. Ou se continuarmos a acreditar que  a eventual perda de um título esportivo é  mais trágica do que as derrotas  que sofremos cotidianamente  no campo da luta  por uma sociedade mais justa e digna e um governo mais decente.
100714

segunda-feira, julho 07, 2014

MAIS UMA BIZARRICE FEDERAL



  

MAIS UMA BIZARRICE FEDERAL

A Lei 13.006. proposta pelo senador Cristovam Buarque e sancionada pela presidente Dilma Roussef, é uma daquelas bizarrices em que o Estado interfere na vida do cidadão de maneira aleatória, sem nenhuma consulta e sem nenhum benefício efetivo para a sociedade. Vejamos: segundo a lei, será obrigatória, nas escolas de educação básica, a exibição de filmes nacionais, no mínimo, duas horas por mês.

De fato, a educação do Brasil está a merecer ampla e profunda reforma no conteúdo e na forma. Mas essa desejada reforma deve ser precedida de um sério debate  no qual  devem estar envolvidos principalmente especialistas no assunto. A educação brasileira, no estágio caótico em que se encontra,   não pode ficar a mercê de projetos partidários e vitimada   por propostas mirabolantes e demagógicas ,  sem nenhum sentido pedagógico, como essa. A propósito, por que apenas filmes nacionais? Por que não produções  de qualidade de outros países?

Isso sem falar na qualidade dos filmes que serão relacionados para a exibição. Sem preconceito, a produção cinematográfica nacional não prima pela qualidade. Ao contrário,  é grande  a safra de filmes com temática medíocre, nos quais  a violência gratuita, as cenas de nudez ou de sexo quase explícito,  e os palavrões correm solto. Seriam adequados ao público infantil e adolescente, que são os alvos da lei aprovada?
O que me deixa aliviado é que essa anomalia tem tudo para  não “pegar”.
Para o bem das crianças  do Brasil, é bom que realmente não pegue.
070714