segunda-feira, maio 28, 2012

PROPOSTA INDECENTE

O atual comportamento de Lula não surpreende. O ex-presidente sempre pautou o exercício da presidência por atitudes pouco convencionais que muitas vezes agrediram a ética e a ordem legal. Teve sempre   o manto protetor  da popularidade alimentada pelo  populismo e pelo assistencialismo. Surpreendente é que as instituições da República não se manifestem a altura da desinibição com que o Lula vem agindo e não coloquem um freio no comportamento imoral do ex-presidente.

PROPOSTA INDECENTE


Das duas, uma: ou o ministro do Supremo, Gilmar Mendes perdeu o juízo e deve ser afastado de suas funções, ou o ex-presidente Lula que se imagina, ainda, o dono da República, merece ser chamado à razão por quem de direito, e colocado no seu devido lugar.


Como a segunda hipótese é bem mais provável, a proximidade do julgamento do mensalão pelo STF deve estar tirando o sono e alterando o comportamento de Lula, levando-o a se empenhar na pouco nobre tarefa de salvar os companheiros que estão no banco dos réus, e temeroso de que o que ficou oculto nesses anos seja finalmente revelado no julgamento, para manchar de vez a sua imagem.


A propósito da denúncia de que Gilmar Mendes teria viajado a Berlim com o senador Demóstenes Torres num avião cedido pelo bicheiro Carlos Cachoeira, Lula fez uma proposta indecente ao ministro do Supremo. Segundo a reportagem da Veja, teria sugerido a Gilmar Mendes blindá-lo na CPMI do Cachoeira em troca do adiamento do julgamento dos indiciados no escândalo do mensalão.


Se tais denúncias se confirmarem, Lula mandou às favas o papel de estadista que todo ex-presidente tenta de alguma forma representar, e assumiu de vez o de defensor de quadrilheiros acusados por crimes contra o erário e o Estado.


Tão grave quanto a sua postura de advogado de indiciados por crimes ocorridos sob o seu nariz, quando Presidente, é a sua convicção de que a maioria dos membros do Supremo lhe deve gratidão pelo fato de ter sido por ele indicada e nomeada. Imbuído dessa convicção, Lula tenta convencer seus apadrinhados a adiar o julgamento para após as eleições, ou até, quem sabe, para as calendas gregas.

O atual comportamento de Lula não surpreende. Quando no poder, sempre pautou o exercício do mandato por atitudes pouco convencionais que muitas vezes agrediram a ética e a ordem legal. Teve o manto protetor da popularidade alimentada pelo populismo e pelo assistencialismo. Surpreendente é que as instituições da República não se manifestem a altura da desinibição com que o Lula vem agindo e não coloquem um freio no comportamento imoral do ex-presidente.
 280512

Um comentário:

Marco BH disse...

Quem será que mentiu? O Ex presidente da república ou o ex presidente e atual ministro do Supremo Tribunal Federal? (STF). Seja quem for que faltou com a verdade, algo necessita ser feito neste caso, senão cairemos num abismo institucional sem fim.