quarta-feira, julho 13, 2011

IMPUNIDADE À VISTA

A morosidade com que se arrasta o processo do mensalão, no STF,  contribui para que a sensação de impunidade se estenda a todo o campo político e propicie o aparecimento de esquemas semelhantes ao que o PT praticou até 2005, quando Roberto Jefferson abriu o bico e pôs tudo a perder.

A morosidade com que se arrasta o processo do mensalão, no STF, contribui para que a sensação de impunidade se estenda a todo o campo político e propicie o aparecimento de esquemas semelhantes ao que o PT praticou até 2005, quando Roberto Jefferson abriu o bico e pôs tudo a perder. O recém descoberto esquema de cobrança de propinas no ministério dos Transportes - “mensalão do PR” - provavelmente não teria ocorrido se os mensaleiros de Lula tivessem sido punidos com presteza.

Mas tal não ocorreu. Os denunciados continuam vivendo as suas vidas como se nada houvesse acontecido. Alguns, exercendo mandatos parlamentares e, mesmo , como no caso de José Genoino, funções no executivo. Outros, como José Dirceu, desfilando soberba, e mantendo grande influência nos bastidores do poder. Ao todo, são 38 pessoas , entre ex-ministros, parlamentares e empresários, acusadas de corrupção, improbidade administrativa, formação de quadrilha, lavagem de dinheiro, e outros crimes. Se condenados, as penas somadas, chegarão a 4 700 anos de detenção.

Mas é remotíssima a possibilidade de que isso ocorra. Primeiro, pela falta de tradição em se punir políticos corruptos neste país; segundo, pelo perfil atual do STF, majoritariamente constituído por ministros escolhidos por Lula, já tendo dado demonstrações de simpatia às causas do governo petista; terceiro, pelos recursos que certamente serão interpostos - embargos de declaração, e outros - após a primeira decisão do Tribunal.O fato é que, ao fim e ao cabo, por serem primários, dificilmente os réus pagarão as penas em regime fechado.

Na última semana, o procurador-geral da República, Roberto Gurgel, tentou colocar um pouco de luz na escuridão. Embora muitos tenham entendido a sua ação como mera jogada eleitoral no sentido de garantir a sua recondução ao cargo, o fato é que Gurgel pediu a condenação de 36 réus, além de inocentar dois: o ex-ministro de Comunicação Luis Gushicken , e o ex- assessor de Valdemar Costa Neto, Antonio Lamas.

Se o parecer de Gurgel não contribui para acelerar o processo, ao menos faz com que o tema volte a ser lembrado. Mesmo assim, não consegue afastar o sentimento de que uma grande pizza está sendo preparada para marcar, de forma melancólica, o final do maior escândalo da História Republicana.

130711

3 comentários:

Delano disse...

Eu acho que só o Roberto Jefferson ira pra Cadeia.

Eu não acredito que João Paulo Cunha,José Genoino e José Dirceu sejam condenados.

Eu espero que os mensaleiros de MG também sejam julgados,Marcos Valério,Edu-ardo Aze-redo e Aécio Neves devem ser levados a julgamento também,alias eles deveriam ser julgados antes da turma do PT,pois fizeram a mesma coisa 4 anos antes.

FHC com sua vergonhosa compra de Votos,também não pode ficar impune.

Ou será que a Justiça só é cega de um olho?????

Anônimo disse...

CRIMES DE CORRUPÇÃO NO BRASIL SEMPRE FORAM A MARCA DA PÓLITICA. TODOS OS POLITICOS (RARÍSSIMAS EXCEÇÕES) E PARTIDOS SE SUSTENTARAM DA CORRUPÇÃO E TRAFICO DE INFLUÊNCIA. FORAM CASTELOS, ILHAS, PREDIOS, FAZENDAS, EMPRESAS, RADIOS, TVS E OUTROS BENS ADQUIRIDOS POR POLITICOS USANDO OU NÃO LARANJAS (E.G. MARCONI PERILO, AGRIPINO MAIA, FAMILIA SARNEY, FAMILIA COLLOR, CAIADO, VERONICA SERRA, AZEVEDO, FAMILIA NEVES, FAMILIA ACM, FAMILIA MARINHO, ETC)...

Rosena disse...

Joaquim Barbosa é um dos ministros do STF nomeado pelo PT. Cadê a suaisenção pra julgar o caso do mensalão? Porisso que os petistas aguardamserenos o julgamento do STF, que segundo eles, prevêem ser inocentados por unanimidade pelo STF.