sexta-feira, julho 01, 2011

GENEROSO POVO DE SÃO PAULO

 O prefeito apela para o sentimento bairrista  da população, e sob a falácia de que seria vergonhoso para a maior cidade do país  a ausência de um evento de tal porte. Se Kassab está realmente preocupado com a visibilidade e o bom nome  do município que administra, melhor teria sido se tivesse projetado a construção de um estádio municipal. Teria sido  mais honesto do que jogar milhões dos cofres públicos num empreendimento particular.
GENEROSO POVO DE SÃO PAULO

O povo da cidade de São Paulo é de uma generosidade espantosa. A se basear no esmero com que o prefeito Gilberto Kassab e a maioria dos vereadores vêm trabalhando para conceder ao Corinthians isenção fiscal de até R$ 420 milhões,e no silêncioda maioria da população, os munícipes da mais importante cidade do país amam o clube alvinegro do Parque São Jorge, embora muitos deles se declarem santistas, palmeirenses ou são-paulinos.


A ironia acima faz algum sentido, face à aprovação do projeto por 36 votos a 12, e pela tênue reação da sociedade organizada e da população em geral a um dos maiores absurdos já perpetrados em relação ao uso do dinheiro público. Já se sabia que a escolha do Brasil como sede da Copa do Mundo de 2014 seria o salvo-conduto para toda espécie de falcatrua e malversação do erário. Mas não se imaginava que se chegaria a essa magnitude.


Um projeto que envolve isenção fiscal de tal ordem exigiria, em tese, uma difícil e complicada negociação com a Câmara legislativa municipal no sentido de convencer os vereadores da extrema relevância do empreendimento para a vida dos cidadãos paulistanos. Mas o que se viu foi o velho uso do toma lá dá cá, de moral duvidosa, mas de eficácia comprovada. O prefeito atendeu às reivindicações paroquiais dos vereadores, e obteve os votos necessários à aprovação do projeto de isenção fiscal.


O processo que levou a esse descalabro já é conhecido: uma briga entre a CBF e o São Paulo FC e uma inflação nos custos da obra de reforma do estádio, retirou o Morumbi do páreo; com o apoio de Ricardo Teixeira e do ex-presidente Lula, o Corinthians ofereceu o seu projeto de estádio para, em seguida, avisar que não possuía recursos suficientes para tal empreitada; pressionado pelo calendário imposto pela FIFA, pela escassez de recursos privados, e, ainda, pela a ameaça de não sediar jogos da Copa , o prefeito Kassab e o governador Alckmin se prontificaram a socorrer o Corinthians.


O prefeito apela para o sentimento bairrista da população, e sob a falácia de que seria vergonhoso para a maior cidade do país a ausência de um evento de tal porte. Se Kassab está realmente preocupado com a visibilidade e o bom nome do município que administra, melhor teria sido se tivesse projetado a construção de um estádio municipal. Teria sido mais honesto do que jogar milhões dos cofres públicos num empreendimento particular.

3 comentários:

Anônimo disse...

Será que ninguem pode barrar um absurdo desse?

Ildo disse...

A responsabilidade é da esperteza de uma entidade e de um clube. Numa cidade que a prefeitura mal consegue cuidar das ruas pode financiar um projeto particular. Isto é corrupção e todo mundo acha que é normal.

Proteste disse...

O corinthians não disse que tinha grana para bancar o estádio,?Que culpa tem o sâo paulo no fracasso do Corinthians?Porque o governo municipal e estadual tem que colocar grana pública no estadio particular?A responsabilidade e da CBF,vai pedir a grana pro Sr. Ricardo Teixeira,que ele se vire.É um absurdo tirar dinheiro público pra construir estádio de futebol particular e deixar a saúde e educaçâo dos brasileiros na situaçâo que esta.