segunda-feira, abril 18, 2011

LUCIDEZ AMALDIÇOADA

O diagnóstico de Fernando Henrique ,a partir de uma autocrítica ao comportamento do PSDB, longe da demagogia e da simplificação que caracterizam o PT, é sincero e oportuno, dado que no momento em que se inicia o governo de Dilma Rousseff, o PSDB continua a fraquejar , dividido entre o oposicionismo de seus parlamentares no Congresso e o neutralismo de seus oito governadores.
LUCIDEZ AMALDIÇOADA

Alvo de uma saraivada de críticas, o recente artigo de Fernando Henrique Cardoso, “O Papel da oposição”, faz uma análise crítica do comportamento da oposição nos últimos anos e sugere novos caminhos. Por dizer algumas verdades, doeu em muitos políticos - do governo e da oposição -que não têm por hábito a reflexão e a autocrítica.




De fato, nos oito anos do governo Lula da Silva, tucanos e aliados foram tímidos , vacilantes e incapazes de apresentarem um projeto que os identificassem com a grande parcela do eleitorado que rejeita o modo petista de governar. Pior, ao serem pressionados pelos petistas, renegaram o que haviam feito de melhor, e fizeram promessas de continuar o que os petistas haviam feito de pior.




E quais foram os pontos fortes do governo FHC? A estabilização monetária, os ajustes na máquina do Estado, a responsabilidade fiscal e as privatizações. Sem esquecer que as práticas sociais de caráter urgente, como os programas Bolsa Escola e Comunidade Solidária. Lula, inclusive, deu continuidade à política monetária, graças a qual pode assistir, no segundo mandato, ao surto de crescimento econômico. Mas transformou os programas emergenciais em gigantescas fontes de clientelismo eleitoral, e rejeitou, com veemência, as reformas administrativas e as privatizações do governo anterior.




Sorte do PT é que o PSDB nunca soube fazer a defesa das suas melhores obras. Nas campanhas presidenciais de 2006 e 2010, ficou calado enquanto o PT insistia na tese os tucanos haviam "destruído" o setor público, e "entregado" o nosso patrimônio à ganância da iniciativa privada. Um discurso oportunista e mentiroso, mas que tocou os mais ingênuos e fez o eleitorado descarregar os votos no candidato petista.




A mesma esperteza, Lula e sua turma usam, agora, para satanizar o artigo de Fernando Henrique e martelar ad infinitum que ele não gosta do "povão". O diagnóstico de Fernando Henrique ,a partir de uma autocrítica ao comportamento do PSDB, longe da demagogia e da simplificação que caracterizam o PT, é sincero e oportuno, dado que no momento em que se inicia o governo de Dilma Rousseff, o PSDB continua a fraquejar , dividido entre o oposicionismo de seus parlamentares no Congresso e o neutralismo de seus oito governadores.




Paradoxalmente, o trecho mais lúcido do artigo foi o alvo das maiores críticas, não só dos petistas, mas também de correligionários do autor. Quando o ex-presidente sugere que o PSDB invista numa nova parcela da sociedade, mais dinâmica e independente - a nova classe média – ele está corretíssimo. Quando adverte sobre a inutilidade de se disputar com o PT o seu eleitorado cativo, está coberto de razão.




Milhões de brasileiros foram arrastados ao curral petista pelos movimentos sociais e pela farta distribuição de bolsas e cotas financiadas com dinheiro público. E insistir nesse eleitorado, em curto e médio prazos, é uma causa perdida. Como no Brasil a lucidez é quase sempre castigada, Fernando Henrique vem sendo amaldiçoado por ter dito algumas verdades em seu artigo.

180411

3 comentários:

Alex disse...

FHC tem toda a razão. Perante a camada mais humilde, o percentual de votos para a tucanalha é pífio. Talvez seja resultado de suas políticas públicas "sérias" de distribuição de renda e seus consideráveis avanços na seara da habitaçao e emprego. Simples: comparem os numeros na era FHC com os 08 anos de Lula, principalmente nessas áreas. O povão decidiu pois sentiu na pele a diferença!!! Logo, a análise dele retrata a realidade. Pobre, humilde, não gosta de tucanalha, e ponto final. Desesperados porque perceberam que nunca mais governarão o executivo federal, agora tentam focar sua enfadonha visão diante da classe média brasileira, diga-se de passagem, a classe mais ingenua, mal informada e burra do planeta terra (com raras exceções).

Rebeca disse...

Visão clara e objetiva de FHC. Não tem como negar e muito menos alterar a visão de quem ganha “migalhas” com a bolsa família, querer alterar isso. Muito mais importante do que dar o peixe é ensinar a pescar. Lula, com o seu falso populismo barato deixou este legado: vive-se na pobreza com a dignidade da migalha mensal. Para que melhorar isso? Dá-se uma falsa imagem que tudo está bem. Cadê escola de qualidade publica para todos? Cadê frentes de trabalhos em regiões carentes? Cadê hospitais bons? Cadê a oportunidade de ser cidadão por inteiro e não depender de migalhas federais? Ser consciente do seu direito e dever é direito de todos. E isso só ocorre com informação e formação através de um sistema educacional bom. Por isso, FHC está certo sim e não adianta negar e falar bobagens.

Rosena disse...

Fernando. Exelente artigo. Se os tucanostivessem ouvido mais FHC nao teria levado a surr que levaram , não é ?