quarta-feira, maio 19, 2010

MORTE NO NASCEDOURO


No Irã, Mahmoud Ahmadinejad preside um governo que agride sistematicamente os direitos humanos, sufoca a democracia, e investe pesado no desenvolvimento de um programa nuclear que tem merecido a justa desconfiança da comunidade internacional.

Mesmo assim, o presidente Lula, sem abandonar a sua incontida admiração por ditadores, e representando o seu novo papel de promotor da paz mundial, acredita na boa fé do iraniano. Assim, se dispôs a mediar um acordo diplomático pelo qual o país dos aiatolás se compromete a enviar 1200 kg de urânio com baixo enriquecimento à Turquia. Em troca, receberá 120 kg de combustível enriquecido a 20%, suficiente para fins científicos e médicos , mas insuficiente para produzir armas nucleares.

Descrentes da eficácia do acordo, pelo fato de o Irã se recusar reiteradamente a abrir o seu projeto nuclear para inspeção internacional, e desconfiados que o ditador iraniano somente se dispôs a firmar o acordo para ganhar tempo e evitar a aplicação de novas penalidades,Estados Unidos e União Européia insistem numa nova rodada de sanções ao regime dos aiatolás. Desse modo, o acordo mediado pelo Brasil e pela Turquia morre no nascedouro.

Ao presidente iraniano resta o caminho da boa convivência e do respeito às regras internacionais. Ao presidente Lula fica a sugestão para que se dedique mais aos problemas internos e deixe as questões internacionais serem resolvidas por gente grande.

2 comentários:

Anônimo disse...

Llulla já se uniu a ditadores na América e precisava se unir a ditadores no oriente. Na Europa, se o criminoso de guerra iugoslavo Slobodan Milosevic estivesse vivo teria porto seguro aqui no Brasil. Ao se unir ao homem que disse que nunca houve o Holocausto, que tipo de mensagem nosso incompetente.... ooopppsss..."presidente" está querendo passar ao resto do mundo. Agora temos que dizer ao mundo que não concordamos com as atitudes do Chapeleiro Maluco. E o irá ainda vai enriquecer!!! KKKKKKK

Rildo disse...

O sapo barbudo se deu mal. Os grandes países desprezaram o tal acordo. O ditadorzinho do Irã vai ter o que merece.