sexta-feira, fevereiro 05, 2010

AUTORITARISMO E TERRORISMO ELEITORAL


Enquanto Lula dá demonstrações cada vez mais claras de desapreço pela democracia e se empenha para fazer da ex-guerrilheira Dilma Rousseff o instrumento de seus futuros propósitos, a oposição se coloca na defensiva. Desta vez por conta da afirmação dos governistas de que se vencerem as eleições de 2010, tucanos e democratas vão exterminar o Bolsa Família, programa assistencialista que é a razão principal da grande popularidade do governo Lula.


AUTORITARISMO E TERRORISMO ELEITORAL

O presidente Lula age como se estivesse acima da lei. Desrespeita a legislação eleitoral quando, no propósito de apresentar a sua candidata ao grande público e sob o pretexto de que está a inaugurar obras de governo, dá início a uma campanha eleitoral intempestiva. Afronta também a Constituição quando desobedece a recomendação do TCU e decide continuar obras que estão sob suspeita de superfaturamento e outras irregularidades.

É do feitio do presidente esse tipo de comportamento. Lula e seu partido nunca deram mostras de apreço à democracia representativa, e as críticas que ele faz ao Congresso e ao Judiciário são sintomas disso. O PT sempre se alinhou com os que julgam que a “democracia popular”, ou seja, a participação monitorada das massas no processo político tal como ocorre hoje na Venezuela, é o melhor dos cenários para o exercício do poder. Lula e sua turma somente suavizaram o seu discurso radical quando o sonho de chegar ao poder se tornou uma realidade, às vésperas da eleição de 2002.

Enquanto Lula dá demonstrações cada vez mais claras de desapreço pela democracia e se empenha para fazer da ex-guerrilheira Dilma Rousseff o instrumento de seus futuros propósitos, a oposição se coloca na defensiva. Desta vez por conta da afirmação dos governistas de que se vencerem as eleições de 2010, tucanos e democratas vão exterminar o Bolsa Família, programa assistencialista que é a razão principal da grande popularidade do governo Lula.

Dessa forma, o governo repete a mesma chantagem que empregou na campanha de 2006, enquanto a oposição reage da mesma forma amedrontada.Indagado sobre o assunto, o senador Sergio Guerra, presidente do PSDB respondeu em seu perfil no Twitter: “não temos nada contra o Bolsa Família, fomos nós que inventamos isso, nós achamos que o presidente Lula foi até muito bem nesse assunto. Nós sempre dissemos isso. É mentira, é terrorismo, é seguramente a ação dessa gente" (1) . Por sua vez, respondendo a uma indagação deste blog, o senador Álvaro Dias afirmou textualmente: “O Bolsa não é criação do Lula. Vem de governos anteriores A oposição deve convencer que manterá o programa aprimorando-o.” (2)

Agindo assim, tucanos e democratas fogem da discussão a respeito de uma questão que é a essência de dois projetos de governo que se contrapõem: o primeiro considera que a questão social será amenizada pela ação contínua do Estado na concessão de bolsas, cotas e outras muletas sociais; o segundo considera que a população carente poderá deixar a situação humilhante em que se encontra se o Estado oferecer condições efetivas para que ela possa caminhar com as próprias pernas , o que só será possível pela educação de qualidade.

Ao dizer que pretende “melhorar” o Bolsa família e não apresentar nenhum projeto social alternativo que efetivamente resgate milhões da pobreza, governo e oposição assinalam que pouca coisa irá mudar no país.
050210

2 comentários:

Sergio Nava disse...

A campanha ainda não começou. Lulla age com precipitação pq sabe q sua candidata é fraca. Na hora da disputa ela perde qualquer debate e não vai ter o padrinho junto dela para ajudar..

Chora chora disse...

A elite não se conforma com o fato do governo Lula ter dado CERTO. E agora? Vão chorar no colo do Serra? Aproveitem enquanto ele é governador de SP, pq depois nem isso ele será.