segunda-feira, fevereiro 08, 2010

ALENCAR MUDA O CENÁRIO POLÍTICO EM MINAS


A anunciada entrada de Alencar no páreo modificará radicalmente o cenário que se desenhava. Os lulistas confiam que a candidatura do vice terá o dom de agregar as forças anti-Aécio, ao mesmo tempo em que exercerá um efeito contrário sobre as tropas adversárias: partidos hoje alinhados com o Palácio da Liberdade, acreditam, migrarão para o lado da oposição. Uma jogada de mestre, imaginam petistas e peemedebistas mineiros.


ALENCAR MUDA O CENÁRIO POLÍTICO EM MINAS

O vice-presidente José Alencar ficou conhecido nacionalmente muito mais em função da determinada batalha que trava contra o câncer do que pelo cargo que ocupa. A Vice–Presidência, como sabemos , é um cargo de pouca visibilidade e quase nenhuma utilidade, o que tem levado muitos inclusive a sugerir a sua extinção.

Durante os sete anos de governo Lula, Alencar se mostrou um fiel colaborador que nunca ultrapassou os limites do cargo,e só causou algum constrangimento pela insistência com que criticava as altas taxas de juros, talvez seqüela de sua condição de empresário , obrigado ao longo de sua atividade a lidar com empréstimos bancários.

Mas, quando todos esperavam que no final de sua participação no governo o velho político mineiro se concedesse uma merecida aposentadoria, ele anuncia que pretende voltar à atuar na política de Minas. Sua pretensão inicial, o Senado ,, deu lugar na última semana ao propósito mais ambicioso de concorrer ao governo do Estado, fruto de uma articulação entre o PT e o PMDB, principais partidos da base de sustentação de Lula e opositores, em Minas, do governo de Aécio Neves.

Até então, PT e PMDB se mostravam incapazes de construir uma candidatura de consenso conforme o desejo de Lula.De um lado, o PMDB trabalhava o nome do ministro das Comunicações, Helio costa, enquanto os petistas se dividiam entre os partidários de Patrus Ananias, ministro do Desenvolvimento Social, e Fernando Pimentel, ex-prefeito de Belo Horizonte.

O quadro partidário se mostra confuso, na medida em que vários partidos que em nível nacional apóiam o governo Lula, em Minas estão na base de apoio de Aécio e, portanto, inicialmente dispostos a apoiar a candidatura de Antônio Anastásia, indicado pelo governador.

A anunciada entrada de Alencar no páreo modificará radicalmente o cenário que se desenhava. Os lulistas confiam que a candidatura do vice terá o dom de agregar as forças anti-Aécio, ao mesmo tempo em que exercerá um efeito contrário sobre as tropas adversárias: partidos hoje alinhados com o Palácio da Liberdade, acreditam, migrarão para o lado da oposição. Uma jogada de mestre, imaginam petistas e peemedebistas mineiros.

Entusiasmados e entorpecidos, menosprezam o fato de que, uma vez concretizada, será uma candidatura de altíssimo risco. Não se pode negligenciar a idade avançada e o precário estado de saúde do virtual candidato,bem como a sua capacidade de agüentar o ritmo frenético de uma campanha eleitoral.

Outro efeito político consiste na disputa que se travará pelo cargo de Vice-Governador, que pela idade e pelo estado de saúde de Alencar passará a ter uma importância maior, e certamente será alvo da cobiça dos aliados de Lula. Por sinal, o PT já anunciou que não abre mão do cargo.
080210

3 comentários:

SemMaldade@ disse...

Sem maldade. O que o J Alencar quer é ser enterado com honras de chefe de Estado.

Décio disse...

Soares.Não acredito que JA tenha condições para disputar o governo de Minas. A disputa vai ficar entre o afilhadinho do Aécio e helio Costa, podendo patrus Ananias entrar no jogo

Melina disse...

Na verdade, antes de querer ser enterado com honras de chefe de estado, José Alencar tem um apego muito grande ao poder e as suas regalias. Isso é importante para ele e o fio condutor que move a sua vida e o que o mantêm vivo.
Só espero que o povo mineiro não se iluda e comova com a sua garrra e determinação.