terça-feira, setembro 01, 2009

DESPERDIÇANDO MUNIÇÃO

O governo Lula tem mil e uma razões para ser investigado. Mas têm faltado à oposição persistência e objetividade no sentido de desmontar e expor as falcatruas governamentais. A oposição as ataca de maneira muito superficial e as abandona assim que surge na mídia uma nova denúncia. Desta forma, se arrisca a passar como mentirosa, oportunista e eleitoreira aos olhos da opinião pública.
DESPERDIÇANDO MUNIÇÃO
A oposição tem toda a razão quando busca nas contradições deste governo motivos para acentuar suas críticas e demarcar com mais nitidez as diferenças entre os seus respectivos campos. Não pode, entretanto, dedicar-se, como vem fazendo, a várias batalhas e não dar sequência lógica e conclusão consistente a cada uma delas.

É o caso da disputa pela instalação da CPI da Petrobras,quando se fez um grande estardalhaço, anunciou-se que se tratava de uma questão de vida ou morte do governo Lula, ameaçou-se de paralisação as atividades legislativas , e, hoje, mal se tem notícia de seu andamento.

Em seguida, o caso do senador José Sarney embrulhado na crise de todo o Senado. Dotado de intensa gravidade por todos os motivos expostos na mídia , movimentou a oposição , que insistiu na instalação de uma CPI e no afastamento do presidente do Senado, mas perdeu o fôlego na medida em que os partidários do governo mostraram que o principal líder da oposição, o tucano Arthur Virgílio, também tinha lá os seus pecados . A condução de Virgílio ao Conselho de Ética ensejou um grande arranjo entre partidários do governo e da oposição, cujo resultado foi esfriar o ânimo com que se dedicava à causa da moralização do Senado.

Agora, nos é apresentado a versão de que a ex secretária da Receita Federal, Lina Vieira teve um encontro com a ministra Dilma Rousseff no qual teria recebido a "sugestão” para “apressar” as investigações nas empresas do filho de José Sarney.
Acontece que a revelação da ex secretária contém uma dose tão grande de gravidade quanto de inconsistência , uma vez que a denunciante não se lembra com exatidão da data do encontro, não possui uma agenda com o registro de tal encontro,nem algum outro vestígio.O que não deixa de ser, no mínimo, curioso.

Mais uma vez, a oposição se apegou com muito afinco a este caso, e está sob o risco de se ver desmoralizada pela falta de fatos, indícios e provas que lhes dêem consistência. Denúncias desse naipe estão fadadas a desmoralizar o denunciante e fortalecer o denunciado, mesmo que o primeiro esteja com a verdade.

O governo Lula tem mil e uma razões para ser investigado. Mas têm faltado à oposição persistência e objetividade no sentido de desmontar e expor as falcatruas governamentais. A oposição as ataca de maneira muito superficial e as abandona assim que surge na mídia uma nova denúncia. Desta forma, se arrisca a passar como mentirosa, oportunista e eleitoreira aos olhos da opinião pública.

Que a Petrobras está eivada de irregularidades e falcatruas, que José Sarney trata o Maranhão e o Senado como se fossem propriedades suas, e que Dilma Rousseff tem o hábito de mentir e forjar dossiês contra os inimigos, são fatos incontestáveis. Mas, atuando da maneira titubeante como tem atuado, a oposição desperdiça munição e acaba dando ao governo a oportunidade de dizer que tudo isso não passa de intriga. E o povo pode acabar acreditando, pela força da propaganda, que tudo não passa de uma vil campanha de difamação contra um governo “tão dedicado às causas populares”.
PRIVILÉGIO DESPROPOSITADO
No momento em que se acentuam as discussões sobre a multiplicação de instituições religiosas e suas conexões com o mudo dos negócios e da política, tomamos conhecimento de que a Câmara dos Deputados acaba de ratificar um acordo entre o Brasil e o Vaticano que dá um caráter especialíssimo às relações entre o Estado brasileiro e a Igreja Católica. E mais: por força da pressão da bancada evangélica,os privilégios concedidos aos católicos serão estendidos às seitas evangélicas,.
Em resumo, o texto do acordo atribui ao Estado o dever de manter os "bens culturais " das igrejas; garante a imunidade fiscal e trabalhista das instituições religiosas; concede o caráter civil às cerimônias religiosas de casamento; e obriga a inclusão do ensino religioso na grade curricular da rede escolar pública
Na prática, o acordo agride a Constituição brasileira que determina ser o Brasil um Estado laico, estabelece uma estranha e despropositada comunhão entre os interesses do Estado e os interesses religiosos, concede privilégios injustificáveis às organizações religiosas, e, por fim, impõe a escola um dever que deveria ficar restrito ao âmbito pessoal e familiar, além de ser mais um tiro na qualidade do ensino, que já padece da falta de uma reformulação que enfatize o estudo da ciência e da tecnologia.
O assunto ainda vai ser levado ao Senado, e, depois, à sanção presidencial. Infelizmente, são poucas as chances de que os adeptos de outras religiões não beneficiadas, os ateus, os agnósticos e os cristãos esclarecidos terão a satisfação de ver esse acordo rejeitado.
010909

8 comentários:

Cadê a oposição? Existe ? disse...

Oposição?Que oposição?Os vendilhões do Brasil? Tucanos e pefelisas?Aliás não vejo criticas à corrupção tucana o R Grande do Sul. Vamos investigar como sumiram 40 milhões de reais no governo da tucana Crusius.

Cadê o Artur |Virgilio? disse...

Artur, artuzinho, cadêo o Artur com suas bavatas no senado?Ficou manso o artuzinho. Essa é a oposição que quer derrotar Lula?2010 Dilma vai ganhar de goleada.

Anônimo disse...

Nada contra beber, mas trabalhar bêbado é foda.
Enquanto o bêbado fica enganando o povo, esquece de pagar a conta.

Brasil deve US$ 2,5 milhões à ONU e perde direito de voto

E ainda vem com aquela mentirada (até internacional) de que o Brasil precisa fazer parte da ONU.

Como? Só apoiando ditadores pelo mundo afora (no Irã, em Cuba, na Venezuela do Chaves, no Equador do Rafael Correa, Na Argentina, na Nicarágua, a Líbia (40 anos do Kadaf no poder), o ditador africano que está 38 anos no poder e que Lulla-PTóquio já visitou 2 vezes, etc).

Acorda Brasil terceiro mundista, precisam-se homens de boa vontade e democratas para termos um mundo melhor pros nossos filhos, senão podem se preparar para a pobreza compulsória (de espiríto, material, intelectual) - a idade média é o que a esquerda mundial tem como meta - Senhores donos do mundo e povo escravo.

Anônimo disse...

"Brasil ainda é o país que mais mata de gripe suína, com 657 casos" - vejam hoje nos Jornais.

Só que a estatística é totalmente furada. A vizinha de minha empregada foi ao médico com todos os sitomas, os médicos mandaram-na pra casa: morreu dois dias depois. Foi enterrada e ninguém apareceu pra colher material pra pesquisar, portanto está fora da estatística. O filho de um colega de trabalho está com os sitomas e tomando tamiflu em casa - ninguém fez qualquer coleta.
Assim, vamos de mentira em mentira com o Lulla-PTóquio. Quem sobreviver, viverá.

Anônimo disse...

"Brasil ainda é o país que mais mata de gripe suína, com 657 casos" - vejam hoje nos Jornais.

Só que a estatística é totalmente furada. A vizinha de minha empregada foi ao médico com todos os sitomas, os médicos mandaram-na pra casa: morreu dois dias depois. Foi enterrada e ninguém apareceu pra colher material pra pesquisar, portanto está fora da estatística. O filho de um colega de trabalho está com os sitomas e tomando tamiflu em casa - ninguém fez qualquer coleta.
Assim, vamos de mentira em mentira com o Lulla-PTóquio. Quem sobreviver, viverá.

TAMUFU... disse...

“Brasil ainda é o país que mais mata de gripe suína, com 657 casos” - vejam hoje nos Jornais.
Só que a estatística é totalmente furada. A vizinha de minha empregada foi ao médico com todos os sitomas, os médicos mandaram-na pra casa: morreu dois dias depois. Foi enterrada e ninguém apareceu pra colher material pra pesquisar, portanto está fora da estatística. O filho de um colega de trabalho está com os sitomas e tomando tamiflu em casa - ninguém fez qualquer coleta.
Assim, vamos de mentira em mentira com o Lulla-PTóquio. Quem sobreviver, viverá. Por enquanto, tamufu…

Paulo disse...

Lula faz campanha com grana pública. Isto é um escândalo e deve ser punido severamente. O sapo barbudo pensa que sua popularidade é o suficiente para fazer o que quiser e passa por cima das leis. Isso não é democracia nem aqui e nem na China.

Anônimo disse...

Lula não sabe o que é democracia

No Estadão. O título é meu. Comento depois:
O presidente Luiz Inácio Lula da Silva afirmou que não daria aos meios de comunicação o mesmo tratamento dado por seu colega venezuelano Hugo Chávez, que se tornou alvo de críticas dentro e fora de seu país ao ordenar a revogação das licenças de dezenas de emissoras de rádio. “Eu não faria o que o Chávez fez com os meios de comunicação”, disse Lula, em entrevista à agência francesa France Presse (AFP).

No início do mês passado, o Conatel, órgão que regulamenta o setor de telecomunicações na Venezuela, ordenou que fossem tiradas do ar 34 emissoras de rádio. O argumento apresentado na época pelo governo de Chávez foi o de que as empresas operavam com concessões irregulares. Com isso, foram colocadas sob risco de terem suas licenças cassadas cerca de 250 outras emissoras pelo país.

Na entrevista à France Presse, Lula fez questão de deixar claro que não endossa a decisão do governo Chávez. Ainda assim, o presidente brasileiro preferiu manter o tom cordial em relação ao colega e até o defendeu da ação dos meios de comunicação. “Creio que os meios de comunicação não deveriam ter feito com Chávez o que fizeram por muito tempo. Os meios de comunicação foram duros com Chávez”, acrescentou o presidente.

Lula, que já declarou anteriormente que a leitura dos jornais lhe causa azia, mencionou sua própria batalha com a mídia no Brasil. “Eu aprendi a conviver com isso porque nasci na política brigando com as informações da imprensa. Mas Chávez não veio desse mundo político, veio das Forças Armadas. A cabeça dele não é como a minha”, completou Lula, numa referência ao fato de Chávez ter ingressado na política quando era tenente-coronel do Exército venezuelano.

Em um afago ao colega venezuelano, Lula afirmou ainda que “há muitos anos a Venezuela não tinha um presidente que se preocupa com o povo e com os pobres como Chávez”. Disse também que há muito “preconceito” com o fato de o presidente venezuelano se manter no cargo por três mandatos eletivos. “A democracia na Venezuela é aquela que a sociedade venezuelana entende que seja.” Aqui