terça-feira, maio 12, 2009

DOENÇA DA MINISTRA RESSUSCITA O GOLPISMO

Para piorar, a revelação da doença ressuscitou o tal fantasma que parecia morto e sepultado, ou seja, a idéia de um terceiro sucessivo mandato, ou da prorrogação do atual mandato de Lula. Antecipando-se à hipótese de a pré-candidatura de Dilma não vingar, um grupo de parlamentares da base aliada não perdeu tempo e relançou a idéia de uma reforma constitucional no sentido de prorrogar os atuais mandatos, ou de permitir a Lula disputar um terceiro mandato.

DOENÇA DA MINISTRA RESSUSCITA O GOLPISMO

O anúncio da doença da ministra candidata Dilma Rousseff teve o efeito de uma bomba sobre as tropas governistas. Surpreendidos pela noticia, os apoiadores do governo revelaram o temor de que Dilma , se candidata for , não tenha forças suficiente para agüentar o pesado ritmo da campanha, e, se eleita for , talvez não tenha saúde suficiente para concluir o mandato.

Incorporando um pragmatismo que mistura boas doses de cinismo com hipocrisia, os governistas se dividiram entre os que torcem sinceramente pela recuperação da ministra, os que querem que ela se dane, pois nunca aceitaram a sua candidatura,os que encontraram um ótimo pretexto para saltar a cerca e apoiar a candidatura da oposição, e, finalmente, os que vêem no seu impedimento uma grande chance de ressuscitar um fantasma que parecia morto e sepultado. .

O fato é que desde o início da construção da candidatura, existiu nas hostes governistas um desconforto, misto de desgosto e subserviência. Desgosto porque muitos gostariam que o candidato preferido de Lula fosse alguém mais identificado com o PT, com a carreira política ligada ao partido. Submissos, porque jamais ousariam contrariar o “comandante” Lula, e, mesmo tendo restrições em relação à ministra, se mostraram dispostos a se incorporar ao trabalho de promoção de sua imagem.

A revelação da doença foi um complicador monumental nos planos do PT e aliados, pois a projeção da imagem da candidata vinha sendo trabalhada com esmero,associando-a ao programa de obras – PAC - do segundo mandato de Lula. O seu gradual crescimento nas pesquisas por força de uma intensa campanha de propaganda e pelo uso descarado da máquina governamental, era a confirmação de que a tática de associar a sua figura a de seu chefe estava correta.

Para piorar, a revelação da doença ressuscitou o tal fantasma que parecia morto e sepultado, ou seja, a idéia de um terceiro sucessivo mandato, ou da prorrogação do atual mandato de Lula. Antecipando-se à hipótese de a pré-candidatura de Dilma não vingar, por força do agravamento de seu estado de saúde, de uma determinação médica, ou pela própria renúncia da ministra, um grupo de parlamentares da base aliada não perdeu tempo e relançou a idéia de uma reforma constitucional no sentido de prorrogar os atuais mandatos, ou de permitir a Lula disputar um terceiro mandato.

Durante todo o governo, Lula negou que tivesse pretensões continuistas. Ao colocar a candidatura da ministra da Casa Civil na ordem do dia, parecia estar sendo sincero, e, com isso, sufocou o assanhamento dos bajuladores que insistiam em defender a tese do terceiro mandato. A anunciada doença de Dilma fez a possibilidade ficar cada vez mais plausível, quando se sabe que a onda de governos populistas de esquerda que assola o continente sul americano coloca a reeleição ilimitada como um de seus dogmas mais estimados.

Diante dessa ameaça, a oposição – fazer o quê? - passou a desejar a Dilma um pronto restabelecimento, e muita saúde para enfrentar a disputa presidencial. Com uma sinceridade jamais vista. Por paradoxal que pareça a solidariedade a Dilma, a torcida pela sua presença no páreo, mesmo com toda a máquina do governo a seu favor , significa a garantia da normalidade institucional, além, é claro, da possibilidade maior da eleição de José Serra. Sem Dilma , e com Lula na disputa, tudo muda de figura, e o sonho oposicionista de alcançar a presidência fica adiado para as calendas. Sem contar no grande retrocesso político que tal situação constituiria.

A alteração da Constituição, para garantir de algum modo a permanência de Lula no poder, executada por um Congresso enfraquecido e desmoralizado,e alimentado pelo combustível de um amplo movimento popular, nos moldes do “queremismo” getulista dos anos quarenta, é tudo o que o Brasil não precisa num momento em que parecia entrar nos trilhos da normalidade democrática.

Infelizmente, a concretização do tal projeto golpista não exigirá muito do governo, desde que ele esteja disposto a multiplicar a distribuição de cargos e benesses entre a maioria fisiológica e corrompida que constitui a base aliada. Se o presidente estiver disposto, de fato, a ir a luta e se juntar aos seus colegas latino americanos , o caminho para o golpe estará pavimentado.

Acontecerão os protestos de praxe da oposição e de alguns órgãos da sociedade civil, mas nada que dificulte ou abale os propósitos dos golpistas. Os defensores do golpe contam com a paralisia da classe média e a grande popularidade de Lula nas camadas mais pobres. Se na Venezuela e no Equador o prorrogacionismo deu certo, devem pensar, por que não aqui?

Por mais estranho e contraditório que pareça, para escapar do pesadelo que nos ameaça, a permanência da candidatura Dilma passou a se constituir, neste momento, na maior garantia contra o golpismo que ameaça desestabilizar a frágil democracia do País.
120509

9 comentários:

Anônimo disse...

É a falência completa da política brasileira. Na falta do que discutir ou da capacidade para tal , começam com essa de exploração política da doença da ministra Dilma. E se tivessem escondido? Também iriam falar que era exploração política, tal qual aconteceu com a de Tancredo Neves. A política brasileira esta em fase terminal na UTI e a oposição está em estado comatoso nessa UTI, com morte cerebral prestes a ser confirmada.

Rosena disse...

Concordo totalmente, Fernando. Quem esta explorndo a doença da candidata de lula nã é a oposição, que até tem se portado muito bem. Os abutres governistas é que estão disputando a (desculpe0 carniça. Como vc diz é a chance de utro chegar ao poder...

crec disse...

Mas que avanço extraordinario teve a ciência médica, apenas em uma semana.
A Dona Dilma Rousseff, que se encontrava, na semana passada, em um estado lastimável, com o aparecimento em seu corpo, de um câncer linfático, surpreende, neste momento, a população brasileira, dizendo que não tem mais nada e já está curada de uma molésta tão perniciosa como esta, em que poucas pessôas sobrevivem.
Esse pessoal do PT, está querendo fazer o povo de umgrupo de "patetas", se vitimizando deste mal, ao querer o compadecimento do povo, para valorizar sua candidatura. O pior que até eu acreditei na jogada indecente, entrando tambem, para o ról dos bôbos.

Brasil - Liberdade e Democracia disse...

Este é um blog livre e democrático. Lutamos pela ética no governo e nos negócios, por um país livre e democrático, livre da influência dos partidos que querem instituir no Brasil uma ditadura de esquerda ou de direita. Toleramos opiniões contraditórias. Não toleramos baixarias e ofensas. É um blog apartidário. Temos princípios cristãos e por eles somos norteados. Cremos que o Bem sempre vencerá o Mal.

Reinaldo disse...

Fernando; Não compartilho de sua opinião de que Lula tentaria um golpe a esta altura dos acontecimentos.Ele teve a oportunidade de impor uma reforma da Constituição neste sentido no início do segundo mandato. Agora, eu creio que a campanha para 2010 já está muito avançada para que ocorra um casuismo desse tipo.Além disso, tem que se considerar a força e a ganância do PMDB. Este partido quer vender caro o seu apoio, e já se cogita, inclusive que estaria disposto a apoiar Serra, o candidato melhor situado nas pesquisas.Concordo que de Lula pode se esperar tudo, mas acho também que ele perdeu a oportunidade de dar o golpe.

Anônimo disse...

Taxar a poupança é uma das coisas mais absurdas que eu já ouvi desse governo e olha que o páreo é duro, entre tantos outros absurdos que fazem,
Eu posso não ter 50 mil em poupança. Mas um dia quem sabe se eu juntasse e tivesse, seria um absurdo o governo passar a mão nesse dinheiro, que vem de economia, vem de não comprar bobagens, vem de trabalho duro. Para uma porcentagem ir para o governo? Onde distribuem passagens aéreas, fretam jatinhos, esbanjam, e não fazem nada pra merecerem nem um centavo do meu dinheiro poupado.
Em 2010 eu não voto no governo, Dilma não tem meu voto. E nem das outras pessoas que eu conheço. E nem senadores, deputados, ou seja lá quem apoie tal idéia absurda, também não terá meu voto, e nem das pessoas que eu conheço.
O governo não tem direito de taxar a poupança. A poupança é a única coisa que nós brasileiro temos, e vem de muito trabalho e economia. Ninguém tem direito de pegar algo assim!
E Sr. Políticos, vocês não precisam arrecadar mais impostos, gastem menos dinheiro em jatinhos, propinas, e etc que tenho certeza que não precisarão pegar uma parte do nosso dinheiro economizado.
Dinheiro de poupança é sagrado.

Anônimo disse...

Não fazem mais presidentes como antigamente.

Pobres Iludidos Brasileiros do SUS disse...

A Ministra deveria se tratar no Hospital de Base em Brasilia, e lá sentir o tratamento do SUS de seus eleitores brasileiros iludidos. Va até lá ministra e faça o tratamento de seu cancro lá, talvez voce voltará a ser a guerrilheira de uma boa causa.
O mesmo para o Zé vice, vá se tratar no Hospital de Base e veja como é que os corifeus da rEPÚBLICA TRATAM OS POBRES COITADOS.
dEVERIA TER UMA LEI IMPEDINDO MINISTROS E ALTOS FIGUROES SE TRATAREM NO EXTERIOR, TERIAM QUE PROVAR DO PROPRIO VENENO DE SUA ADMINISTRAÇÃO

Anônimo disse...

Eu nunca vi tanta torcida macabra num blog. Eu vou votar na Dilma, por que não tenho qualquer intenção de ver as riquezas do meu país serem presenteadas por e para gente inescrupulosa, sedenta de poder e que encontra gente cega das idéias para apoiar essa papagaiada direitista.