terça-feira, março 03, 2009

QUEM QUER UMA POLÍTICA LIMPA?

Verdade seja dita: com exceção de meia dúzia de idealistas, ninguém deseja de fato uma reforma política. Os políticos que hoje, de uma forma ou de outra, detém uma fatia de poder fogem dela porque temem que ela resulte em prejuízo para suas respectivas carreiras, que, afinal, são oriundas do sistema que aí está. Sendo assim, se limitam a defendê-la nos discursos, mas nada fazem para torná-la factível.


QUEM QUER UMA POLÍTICA LIMPA?

O que o senador Jarbas Vasconcelos disse a respeito do PMDB pode ser estendido a todo o mundo político brasileiro. O clientelismo, o fisiologismo, a corrupção, a fraude eleitoral, a apropriação indevida do patrimônio público e o caciquismo, acobertados pelo manto da impunidade, estão enraizados na tradição do País desde os tempos do Império.

O governo Lula, que caminha para o final, perdeu a grande oportunidade de reverter este quadro e dar início a uma faxina nos costumes políticos através de uma reforma política. Perdeu por incompetência e má fé. O seu antecessor pelo menos teve o mérito de promover uma reforma econômica efetiva e uma reforma administrativa incompleta,embora não tenha implementado a tão necessária reforma política.

Lula herdou de FHC os bons e os maus frutos. Teve o bom senso de não destruir os bons frutos do antecessor, mas teve o demérito de acrescentar novos frutos ruins. Ao contrário do que o seu discurso oposicionista fazia crer, inseriu-se perfeitamente na estrutura corrompida, fez dela a sua base de sustentação no poder, e até contribuiu para piorá-la, como no caso do Mensalão.

Verdade seja dita: com exceção de meia dúzia de idealistas, ninguém deseja de fato uma reforma política. Os políticos que hoje, de uma forma ou de outra, detém uma fatia de poder fogem dela porque temem que ela resulte em prejuízo para suas respectivas carreiras, que, afinal, são oriundas do sistema que aí está. Sendo assim, se limitam a defendê-la nos discursos, mas nada fazem para torná-la factível.

O recente episódio do fundo de pensão dos funcionários de Furnas retrata com muita exatidão o quadro de deterioração política a que chegou o governo Lula e seus aliados .Tudo indica que o Fundo Real Grandeza, que administra um patrimônio de R$6, 3 bilhões, vem sendo alvo de uma disputa entre o PMDB e o PT. O ministro peemedebista Edison Lobão acusou a direção do fundo de “bandidagem”, e, em contrapartida, foi acusado pelos sindicalistas e funcionários da estatal de liderar o jogo sujo do PMDB na tentativa de se apropriar da direção da instituição.

Pressionado por duas forças importantes de sua base de sustentação - os sindicalistas ligados ao PT, que administram o fundo, e o PMDB - o presidente Lula preferiu escapar pela tangente e adiar por tempo indeterminado as mudanças na direção do fundo. Com isso, o distinto público contribuinte permanece sem saber se tem razão o ministro ou se têm razão os funcionários de Furnas. Na primeira hipótese, seria de se esperar, após uma minuciosa investigação, a demissão exemplar dos “bandidos”; na segunda hipótese quem deveria ser demitido, por leviandade, seria o próprio ministro.Lula não fez uma coisa nem outra.

Este é apenas o mais recente episódio a ilustrar como os negócios públicos são geridos neste país, e como os políticos se comportam diante do patrimônio coletivo. Bem fariam os candidatos às próximas eleições presidenciais se expusessem à sociedade com a devida clareza quais os seus planos no sentido de moralizar esse quadro. Mas, qual nada! Os conchavos, os acordos e os conluios já começam na pré-campanha, quando os candidatos partem desesperadamente em busca de alianças eleitorais. É justamente aí que se inicia o jogo sujo que vai contaminar todo o governo do vencedor. Com que moral, portanto, o candidato vai prometer, e, mais do que isso, implementar a moralização dos costumes políticos ?
030309

3 comentários:

ana maria disse...

Fundo de pensão e Furnas suscitam um interesse muito grande. É um cofre bem recheado. Porém, a repercussão da troca dos gestores para os comparsa de Sarney- PMDB- gerou muito falatório. Ouvi na rádio CBN na semana passada, que era anti-democrático. Que estavam ferindo a democracia. Então foi abafada temporariamente. Depois ela será feita por debaixo dos panos, sem alarde e quando se tomar conhecimento já lá estarão os espertalhões a saborearem a mamata. O que mais me aborrece é que eles bulem no dinheiro do povo e nada fazem; ou melhor enchem suas burras.

Anônimo disse...

Lobão, lobos, lobinhos, raposas, hienas... Pelo visto a fauna luso-brasileira está completa lá no planalto central. Que Deus nos mande um Leão de verdade, para devorá-los todos.

Rosena disse...

Vc tem razão...que fará a reforma política? ESTES POLÍTICOS??? é melhor deixar do jeito que está