terça-feira, fevereiro 17, 2009

OS BONS AMIGOS DE CESARE BATTISTI


Portanto, os atos criminosos praticados por Battisti devem ser despidos de quaisquer considerações de ordem política e ideológica, pois o foram num país sob plena vigência da democracia , e não num regime de exceção.Ademais, Battisti foi julgado sob as regras de uma Constituição democrática que lhe assegurou pleno direito de defesa, o que somente não foi possível porque ele preferiu o caminho da fuga, primeiro na França , depois no Brasil.

OS BONS AMIGOS DE CESARE BATTISTI

O governo petista continua especialista em transformar uma garoa numa tempestade. Como se sabe, o ministro da Justiça, Tarso Genro, num ato de prepotência , e contrariando os padrões de equilíbrio e bom senso que devem reger as relações internacionais, colocou em dúvida a decisão da Justiça italiana, e decidiu conceder o status de refugiado político a Cesare Battisti, um ex-militante dos PAC- Proletários Armados para o Comunismo -, organização especializada na prática de atos terroristas. Na Itália, Battisti foi condenado à prisão perpétua por vários crimes, dentre eles quatro assassinatos cometidos nos anos 70.

Segundo a argumentação do governo, ao conceder asilo político ao italiano, o Estado brasileiro age em consonância com a nossa Constituição, que veda a extradição motivada por “crimes políticos” e estatui que “neste País não haverá penas de morte ou de caráter perpétuo”.

O fato é que ao escolher o Brasil como refúgio, Battisti acertou em cheio. Aqui encontrou um ambiente político favorável, e muitos amigos influentes, dispostos a ajudá-lo, em nome da causa comum. Se apresentou como escritor, perseguido político e vítima da vendetta da direita italiana, como se aquele país não passasse de uma cruel ditadura fascista a perseguir seus contestadores políticos, e não uma das mais consolidadas democracias da Europa.

Mas ao conceder asilo político a Battisti, o governo brasileiro, dominado por ex-guerrilheiros e simpatizantes da luta armada, interferiu indevidamente numa decisão soberana da Justiça italiana, politizou um caso essencialmente criminal, e o transformou em um embate ideológico, bem ao estilo da extinta Guerra Fria. Com isso, provocou um forte sentimento de revolta na sociedade italiana, e de estupefação no resto do mundo.

Em sua defesa informal, Battisti conta com "advogados" influentes. Um deles, evidentemente, é o ministro da Justiça que concedeu o asilo. A outra é o senador Eduardo Suplicy, que, na atuação em defesa do acusado italiano, tem trilhado o caminho que beira o ridículo. Atuando de forma ostensiva para os padrões de comportamento que tem marcado a sua atuação no Senado, o senador petista tem sido tão enfático, que passa a impressão de que o terrorista teria sido absolvido, caso fosse ele o advogado de defesa nos tribunais italianos.

O que mais surpreende é que a onda de “humanitarismo” que assola o governo petista e algumas ONGs que atuam na defesa de “exilados políticos” não ocorreu no imbróglio envolvendo os dois lutadores cubanos que tentaram se refugiar no Brasil, por ocasião dos Jogos Pan-americanos. Capturados pelas forças policiais brasileiras, foram sumariamente despachados para Cuba, um país, ao contrário da Itália, reconhecidamente totalitário. Sob as barbas do ditador Fidel os dois cubanos tiveram que pagar caro pelo ato de insubordinação. E não tiveram a mínima condescendência dos que hoje saem em defesa de Battisti.

Portanto, os atos criminosos praticados por Battisti devem ser despidos de quaisquer considerações de ordem política e ideológica, pois o foram num país sob plena vigência da democracia , e não num regime de exceção.Ademais, Battisti foi julgado sob as regras de uma Constituição democrática que lhe assegurou pleno direito de defesa, o que somente não foi possível porque ele preferiu o caminho da fuga, primeiro na França , depois no Brasil.

O processo de extradição do italiano encontra-se no STF, onde deverá ser concluído no próximo mês. Estima-se que o Supremo não se deixe seduzir pelas considerações de ordem política e ideológica que os bons amigos de Cesare Battisti tentam dar ao caso, e decida de forma isenta. Do Brasil, o governo e o povo italiano esperam que seja acatada a decisão soberana da Justiça daquele país ,e lhes seja devolvido o compatriota, para que possa pagar pelos crimes cometidos. Se no Brasil a regra tem sido a impunidade, que, pelo menos, não se queira estender essa impunidade aos cidadãos condenados pela Justiça de seu país de origem.
170209

8 comentários:

um amigo de cesare disse...

É vergonhoso ver pessoas caindo no papo de uma mídia parcial sem ouvir o outro lado. É vergonhoso a mídia nada falar sobre asilo político à ditadores que mutilaram e mataram tantas pessoas e caírem no lobe do governo italiano. Battisti é sim perseguido político e tem todo direito de viver livre no Brasil. Quando a França concedeu asilo a Battisti e a tantos outros ativistas italianos da década de 70 o governo Italiano não chiou tanto como faz agora com o Brasil. Alguns Italianos arrogantes acham que o Brasil é um paísinho de merda e não tem direito de exercer sua soberania. Todo este barulho do governo de direita e fascista italiano só prova que Battisti é sim perseguido político e o governo de seu país só quer sua cabeça para exibir e festejar a vitória da direita.

Rosena disse...

Só vou concordar com a a atitude tomada pelo sr. tarso, desde que ele faça a mesma coisa com aqueles atletas cubanos (pra quem não sabe, um deles já fugiu de cuba e está na alemanha lutando) que “ärrependidos” pediram para voltar. Em cuba sim, ali é que é o inferno. Que peso errado é esse?? pensar de duas formas diferentes para o mesmo problema. tenham vergonha na cara. Não vou entrar na questão de disputa por um assassino ou não assassino e sim na de análise das situações. Torno a falar, e os cubanos???? qual foi o critério usado sr. tarso???

Zenildo disse...

Votei no Lula nas duas eleições, mas o assassino frio que matou quatro pessoas na Itália é acolhido de braços abertos e protegido pelo Ministro Tarso Genro, é um absurdo, uma vergonha!
Ou seja, para o ele assassino de direita é terrorista fascista, e assassino de esquerda é perseguido político? Tenha dó de nóis!

Tania M. disse...

Fernando.eu só queria saber é da onde vem a grana do Battisti. Afinal esta preso a tanto tempo que não sei como ainda teria dinheiro, além disso o livro que esta escrevendo não saiu e não sei como esse cara se sustenta.
Quem esta sustentando advogado, e outras mordomias que o cara tem? Quem?

Anônimo disse...

Não pretendo julgar sem conhecimento,porem,este Canastrão de nome Suplicy,sempre esta ao lado de Bandidos,Deliquentes e foras da lei de qualquer nacionalidade. Nunca tive conhecimento em que essa figura tenha feito algo de bom em prol deste Pais, Só fanfarronices no Circo-Senado

Anônimo disse...

Há um ditado popular e bem antigo que diz: um gambá só cheira outro gambá. Assim, Battisti se sentiu em casa e com os seus.Falam a mesma língua. E é evidente que todos os seus gastos são pagos com o meu, com o seu e o nosso dinheiro pagos em impostos. Nós somos os otários desta "estória".

Anônimo disse...

O PIOR É QUE A EUROPA TEM TRIBUNAL PARA JULGAR CRIMES CONTRA OS DIREITOS HUMANOS E PIOR AINDA TODA BANCADA SOCIALISTA E TRABALHISTA DE ESQUERDA EUROPÉIA APOIARAM A ITÁLIA NA CONDENAÇÃO A BATTISTI - ASSASSINO.
SÓ NUM BRASIL DO MENTIROSO-MOR LULLALALAU, QUE VIVE SÓ PRA BEBER, É QUE TEMOS ALOPRADOS VIGARIASTAS DITADORES ENRUSTIDOS QUE VIVEM A PROTEGER BANDIDOS MENSALEIROS TERRORISTAS MEMBORAS DAS FARC'S E TODA CORJA DE BANDIDO!

Anônimo disse...

A redação do jornal Folha de S. Paulo, 20-02-2009, publica a seguinte nota:

"Nota da Redação - A Folha respeita a opinião de leitores que discordam da qualificação aplicada em editorial ao regime militar brasileiro e publica algumas dessas manifestações acima. Quanto aos professores Comparato e Benevides, figuras públicas que até hoje não expressaram repúdio a ditaduras de esquerda, como aquela ainda vigente em Cuba, sua "indignação" é obviamente cínica e mentirosa."