segunda-feira, dezembro 15, 2008

SEM HERÓIS OU SANTOS


Embora a esquerda insista em mistificar os fatos de então, e mitificar os seus atores, ao mesmo tempo em que demoniza seus adversários, não existem santos nem heróis nesta História. A esquerda queria tudo, menos a “decadente democracia ocidental burguesa”. A direita preferiu construir a “ordem e o progresso” sob o manto do silêncio, das prisões arbitrárias e das torturas impostos pelas baionetas dos militares.
General Costa e Silva
SEM HERÓIS OU SANTOS

Ao decretar o Ato Institucional 5, o governo militar anunciava a pretensão de acabar com a corrupção e eliminar a subversão. Não fez uma coisa nem outra. A corrupção permaneceu, camuflada pela rigorosa censura aos meios de comunicação, e as tentativas da esquerda de subverter a ordem política foram sufocadas pela subversão institucionalizada praticada pelo regime militar, que, a partir do AI-5, castrou o que restava de aparência democrática no País e cometeu diversos atentados contra a liberdade e os direitos humanos nos anos que se seguiram.

Para saber como se pôde chegar a esse ponto, é preciso considerar que o Brasil desde o início da década de sessenta estava mergulhado num irracional choque de extremismos, que, em parte, refletia aqui a disputa pela hegemonia mundial entre os dois blocos econômicos e militares antagônicos, encabeçados pelos Estados Unidos e pela União Soviética. A verdade é que desde o governo de João Goulart estava em marcha um plano para a tomada do poder e a construção de algo mais parecido com o que existia em Cuba, na URSS e na China do que com o que existia nas desenvolvidas nações do ocidente.

Muitos que se diziam liberais e democratas se deixaram seduzir pelo canto da sereia dos extremistas de esquerda e de direita, e acabaram convencidos de que a eliminação de um dos dois lados antagônicos só se daria pela força das armas , e não pela força da razão e do convencimento. O resultado é que o poder político deixou as mãos dos civis e foi parar nas mãos dos militares.

Nesse contexto, o ano de 1968 foi emblemático. A intransigência dos militares , se negando a devolver o poder aos civis, gerou uma onda de protestos e de manifestações em diversos setores da sociedade. Os donos do poder reagiram da pior forma possível, e no dia 13 de dezembro, colocaram em recesso o Congresso, as assembléias legislativas e as câmara municipais, cassaram mandatos de deputados, senadores, determinaram a prisão de jornalistas, lideres sindicais e estudantis,recrudesceram a censura e suspenderam a garantia de habeas corpus e mergulharam o País nas trevas do autoritarismo e do obscurantismo.

Embora a esquerda insista em mistificar os fatos de então, e mitificar os seus atores, ao mesmo tempo em que demoniza seus adversários, não existem santos nem heróis nesta História. A esquerda queria tudo, menos a “decadente democracia ocidental burguesa”. A direita preferiu construir a “ordem e o progresso” sob o manto do silêncio, das prisões arbitrárias e das torturas impostos pelas baionetas dos militares. Nesse cenário, os democratas se mostravam impotentes, ou então se acovardaram.

2008 é um ano de lembranças significativas. Paradoxalmente, rememoramos os 20 anos da Constituição de 1988, os 40 anos do Ato Institucional 5, e os 60 anos da Declaração Universal dos Direitos do Homem. Dois fatos que merecem ser comemorados contra um que merece ser lamentado. Nenhum deles deve ser esquecido. Os jovens de hoje precisam conhecer a História para que não tenhamos que viver novamente episódios semelhantes aos ocorridos em 1968.
151208

5 comentários:

Anônimo disse...

VAMOS CONTAR A HISTÓRIA TAL COMO ELA SE DEU? CHEGA DE MISTIFICAÇÃO PSEUDO ESQUERDISTA...Tentaram transformar o Brasil em um chiqueirão. Desordens urbanas, desabastecimentos, indisciplina militar, desapropriações, tudo isto, debaixo dos olhos do presidente, que não fazia nada para dar um fim a isso. Ao contrário, apoiava. A sociedade produtiva e ordeira, ansiava por uma solução. Assim, entraram em cena os idealizadores do movimento: todos civis, diga-se de passagem. Em um segundo momento, entraram os militares. Ficou estabelecido que, os militares saíriam o mais rapidamente possível. Mas a situação de inconformismo se agravava cada vez mais. Os terroristas e guerrilheiros, que hoje estão aí, dando uma de vítima, chorando ao se lembrar daquele período, são os únicos responsáveis pelo tempo de permanência dos milicos ter chegado a 20 anos. Afinal, os milicos queriam entregar o país, livre de qualquer foco de terrorismo ou guerrilha. Muitas obras foram feitas nesse período. A dívida externa era alta, mas quase triplicou nos últimos governos pseudo-democráticos. O crescimento do país chegou a 11% ao ano, durante 4 anos consecutivos. Durante o governo Figueiredo, o país crescia 5% ao ano. Bem mais que em todos os governos chamados democráticos(inclusive o atual).

nidia disse...

É isso mesmo, Fernando. A história nos ensina muito e acho que devemos analisar fatos marcantes frequentemente para não cometermos os mesmos erros.

Anônimo disse...

Fernando Soares,

Feliz em conhecer seu blog, aproveito, e


indico o blog de um amigo
www.blogdoclausewitz.blogspot.com- corajoso e muito determinado também à exterminar essa raça inútil e asquerosa.



Simbologias que atravessam os tempos...


Impressionante!!

Abraço

Anônimo disse...

PARABÉNS FERNANDO NINGUÉM AGUENTA MAIS ESSA MENTIRADA DAS ESQUERDAS.E OLHE QUE EU SÓ VOTEI NAS ESQUERDA ATÉ HOJE (35 anos de voto na esquerda). Mais não suporto mentiras, ainda mais de homens públicos e tidos como exemplo pra sociendade - a hipocrisia é mãe das barbáries. A esquerda queria o puder, só o puder, pra implantar uma ditadura de esquerda. Aqueles que comungavam da democracia foram espremido e tiveram que escolher um lado que não o seu ou a omissão.

Voltando ao presente:

TÁ CHEGANDO A HORA DO BEBUM DO PLANALTO CENTRAL PARA DE BEBER NA PRESIDÊNCIA:
Bolhas financeiras resultam de uma combinação de euforia, falta de regras, desconhecimento de muitos e esperteza de poucos. Quando estouram, produzem crises doloridas. A atual interrompeu a fase mais veloz de criação de riqueza da história da humanidade, que já durava seis anos (por isso colocaram aqui um aloprado na Presidência Lulla-bebum), por causa de um ex-bebum um negro chegou a Presidência lá. Pra nossa sorte, a aposentadoria está chegando para ex-bebum e para o bebum. Vida longa a democracia e aos homens pacíficos e de boas vontades!

Anônimo disse...

PARABÉNS FERNANDO NINGUÉM AGUENTA MAIS ESSA MENTIRADA DAS ESQUERDAS.E OLHE QUE EU SÓ VOTEI NAS ESQUERDA ATÉ HOJE (35 anos de voto na esquerda). Mais não suporto mentiras, ainda mais de homens públicos e tidos como exemplo pra sociendade - a hipocrisia é mãe das barbáries. A esquerda queria o puder, só o puder, pra implantar uma ditadura de esquerda. Aqueles que comungavam da democracia foram espremido e tiveram que escolher um lado que não o seu ou a omissão.

Voltando ao presente:

TÁ CHEGANDO A HORA DO BEBUM DO PLANALTO CENTRAL PARA DE BEBER NA PRESIDÊNCIA:
Bolhas financeiras resultam de uma combinação de euforia, falta de regras, desconhecimento de muitos e esperteza de poucos. Quando estouram, produzem crises doloridas. A atual interrompeu a fase mais veloz de criação de riqueza da história da humanidade, que já durava seis anos (por isso colocaram aqui um aloprado na Presidência Lulla-bebum), por causa de um ex-bebum um negro chegou a Presidência lá. Pra nossa sorte, a aposentadoria está chegando para ex-bebum e para o bebum. Vida longa a democracia e aos homens pacíficos e de boas vontades!