terça-feira, novembro 18, 2008

A PRIMEIRA BATALHA

A fatia do bolo do poder representada pela presidência do Senado e da Câmara é muito grande e apetitosa para que não desperte a gula dos dois maiores partidos que compõem a aliança de sustentação do governo Lula. Durante os seis anos de mandato de Lula, PMDB e PT decidiram por um revezamento nos comandos das duas casas do Congresso de tal forma que quando o PMDB tivesse a presidência da Câmara o PT teria a do Senado e vice–versa. Tal acordo possibilitou uma convivência mais ou menos harmônica ao longo desse tempo, em que pese algumas dissidências, como a que levou o líder do baixo clero, Severino Cavalcanti à presidência da Câmara em 2005.

Grande vitorioso nas eleições municipais deste ano, o PMDB ganhou o papel de principal protagonista da cena política brasileira, em posição superior a do PT e do PSDB, fato que despertou em seus caciques o desejo de abandonarem o papel secundário que o partido desempenhou até agora. Isto, somado ao fato do partido possuir a maioria tanto no Senado como na Câmara, e também ao fato do governo Lula estar entrando no seu ocaso, possibilitou que os peemedebistas mandassem às favas o acordo de revezamento, falassem grosso como nunca, e reivindicassem o direito de comandar simultaneamente tanto o Senado quanto à Câmara.

Os petistas, é claro, sentiram o golpe, e reclamam o cumprimento do acordo no Senado,o que possibilitaria a ascensão de Tião Viana ao poder, já que o atual presidente, Garibaldi Alves é do PMDB. Lula demonstra não fazer a mínima questão de que o próximo presidente do Senado seja do PT. Principalmente se o peemedebista a ocupar a presidência for, como tudo indica, o velho oligarca maranhense José Sarney: os anos mais felizes na relação entre o governo Lula e o Congresso se deram quando Sarney deteve a presidência da instituição.Mas Sarney somente estará disposto a partir para a luta se tiver a unanimidade da bancada e o apoio de Lula.

Os peemedebistas sabem que se abrirem mão da chefia de uma das casas, estarão de fato renunciando ao papel de um dos principais atores do jogo sucessório que se travará até 2010. Com o Congresso nas mãos o partido, terá cacife mais do que suficiente para negociar, em posição vantajosa, tanto com o PT como com o PSDB. Mais do que isso, se conseguir incorporar em seus quadros um nome de prestígio e potencial eleitoral que seja capaz de agregar as diversas correntes em que se divide o partido, se tornará um concorrente capaz de se igualar ao PT e ao PSDB na disputa pela presidência em 2010.Para muitos, este nome seria Aécio Neves.

Por isso, a batalha pelo comando das duas casas do Congresso mesmo não sendo decisiva se reveste de uma grande importância na guerra pela sucessão de Lula.
181108

3 comentários:

Rosena disse...

Ola Fernando -O PMDB é o maior centro de picarets no Congresso. Lula sabia disso em mil e novecentos e oitenta e tantos. Sarney era a mulher de malandro d PT naquele tempo. Como as coisas mudaram, né?

Fabio Santos disse...

Acho que Tião Viana é o melhor para ocupar o cargo de Presidente do Senado, não por ser do partido do Presidente, mas principalmente pelo desempenho demonstrado quando ocupou o cargo durante o período de vacância do mesmo pelo afastamento do titular Renan Calheiros.

Sobre o PMDB, que é a questão, creio que também seus filiados tem responsabilidade e parte de culpabilidade pelo que ocorre no partido, pois se os mesmos fizessem valer os seus direitos e procurassem escolher diretorias para seus respectivos diretórios que colocassem em primeiro plano a dignidade, a ética e a moral na política, iriam optar por outros nomes para não só dirigirem os respectivos diretórios como escolher melhor seus candidatos.
O PMDB que era um exemplo de dignidade hoje é um exemplo de promiscuidade, pelos atos que pratica, não tomando nenhuma decisão ou votando sem que leve alguma vantagem.

MHA disse...

O PMDB tá se achando o maioral né?
querendo presidir a Câmara e o Senado...
e essa história de jogar o Sarney à força
é coisa de Renan Calheiros que não Suporta Tião.
Não é justo que essas questões sejam resolvidas
com bses em assuntos pessoais.
Tião Viana Nesse momento é a melhor opção pro senado...
Um grande articulador e é do partido do presidente,
que precisa dar continuidade ao seu projeto de melhorar o País!!