quarta-feira, outubro 15, 2008

ROLANDO LADEIRA ABAIXO


ROLANDO LADEIRA ABAIXO

O que o norte-americano John MacCain,a paulistana Marta Suplicy e o carioca Eduardo Paes têm em comum?À primeira vista, nada, a não ser o fato de serem candidatos em reta final de campanha. No campo das idéias, o primeiro se posiciona à direita, a segunda se declara de esquerda e o terceiro não se sabe bem, pois muda muito de posição. Mas, ante a possibilidade de perderem a disputa pelo poder, eles se tornam muito parecidos. Na agressividade e nos golpes baixos deferidos contra os seus adversários.

Nos Estados Unidos, MacCain, mais de dez pontos percentuais atrás de Barack Obama, atira contra o seu adversário chamando-o de “antipatriota”, “muçulmano de fé” e “aliado doa árabes”; em São Paulo, Marta invade a vida pessoal de Gilberto Kassab e insinua ser ele homossexual; no Rio, Paes faz pior: incomodado com a ascensão de Fernando Gabeira, propaga pela cidade que seu adversário além de gay e maconheiro é preconceituoso em relação às pessoas do subúrbio.


No trecho mais forte da música “O Tempo Não Para”, Cazuza diz: “Te chamam de ladrão, de bicha, maconheiro; transformam o País inteiro num puteiro; pois assim se ganha mais dinheiro”. Pois é. Na hora do desespero, e na falta de argumentos convincentes, MacCain, Marta e Paes apelam para a baixaria.O que serão capazes de fazer se conseguirem, de fato, o poder?
151008

11 comentários:

carioca disse...

Barack Obama será o próximo presidente dos Estados Unidos e ponto final. Não entendo como esses políticos --de lá e daqui -- insistem, não jogam a toalha a tempo. A mesma situação está ocorrendo nas eleições para as prefeituras de São Paulo, Rio de Janeiro e Belo Horizonte. Já há candidatos comprovadamente eleitos, mas os segundos

Rosena disse...

O que foi auilo que vi na tv ?!!Gente, nos comicios de mCcain os participantes ficam gritando mate -o mate-o!.... que absurdo é esse! ....para matar Obama.

Rafa disse...

Saber perder mostra bem o caracter de uma pessoa. O comportamento desesperado da Marta assim como a sua falta de ética nestas eleições mostra bem o tipo de governante que seria. Vale-tudo não. O povo está cansado deste comportamento!

Rafa disse...

Saber perder mostra bem o caracter de uma pessoa. O comportamento desesperado da Marta assim como a sua falta de ética nestas eleições mostra bem o tipo de governante que seria. Vale-tudo não. O povo está cansado deste comportamento!

Anônimo disse...

LULLA-DÉBI-LÓIDE:sempre com um récorde neegativo!


Bovespa cai 11,39% e registra a maior baixa em 10 anos
Um mês após a quebra do banco Lehman Brothers, evento que precipitou a piora da crise financeira, as Bolsas de Valores voltaram a ter um dia dramático. Após interromper e prorrogar o pregão desta quarta-feira em meia hora, a Bolsa de São Paulo registrou a maior queda desde setembro de 1998.

Anônimo disse...

COMO "DIZ" A CAMPANHA DA MARTAXA:
VOLTA MARTA, VOLTA;;;
PARA ALGUM MINSITÉRIO ...
OS PAULISTANOS AGRADECERÃO PRA SEMPRE!
VAI RELAXAR E GOZAR DA NOSSA CARA, LONGE DAQUI!
PARABENS GILBERTO KASSAB....
DISCUTA PROPOSTAS PARA O POVO DE SÃO PAULO...SO ISSO NOS INTERESSA!

Vai MARTAXA, leva junto o candidato poste do Aécio, leva o Paz, os demais Ptralhas e aloprados...
Já vai tarde ...

Anônimo disse...

Eis Gilberto Carvalho, o homem pio do PT. Imaginem como é o incréu
A campanha eleitoral do PT em São Paulo está sob intervenção. Seu comandante-em-chefe é Gilberto Carvalho, braço direito de Lula e ex-braço direito de Celso Daniel. É tão respeitado em certas áreas do PT, que o Apedeuta gostaria de vê-lo na presidência do partido. Taí um homem que sabe tudo do governo Lula e que sabia tudo do governo Celso Daniel. Quando a baixaria contra Kassab foi ao ar, Carvalho e o aparato propagandístico de Lula fizeram questão de anunciar que não tinham nada com aquilo. Observei aqui que o texto do Apedeuta na propaganda de Marta deixava entrever o contrário. Na Folha de hoje, há uma entrevista com Carvalho. Leiam. Comento em azul.

* Mais novo reforço da campanha de Marta Suplicy (PT), o chefe-de-gabinete do presidente Luiz Inácio Lula da Silva, Gilberto Carvalho, disse à Folha que o PT continuará a mostrar a história do prefeito Gilberto Kassab "em todas as suas dimensões, pessoais e políticas".
Já despachando no comitê de Marta, Carvalho afirma ter considerado "absurda" a repercussão na imprensa sobre o comercial do PT e questiona a declaração de Kassab (DEM) insinuando ligação de Marta com o mensalão, já que ela trabalhou com a mulher de Delúbio Soares (ex-tesoureiro do PT), Mônica Valente.
"Isso é que é preconceito." Carvalho confirmou a última participação de Lula na campanha de Marta -uma reunião com movimentos sociais na Casa de Portugal (centro), no sábado.

FOLHA - O comercial com indagações sobre a vida privada de Gilberto Kassab foi um deslize?
GILBERTO CARVALHO - Eu não chego a achar que é um deslize não. Na verdade, acho que houve um superdimensionamento na interpretação. Nós sabemos muito bem o que que é a devassa da vida privada. Nada a ver com o que aconteceu com o Kassab, ninguém fez nenhuma acusação a ele. É muito pior a atitude que o Kassab teve no debate, em que ele acusa a Marta falando da Mônica Valente. Quem é Mônica Valente? É uma cidadã contra a qual não há uma única acusação, salvo o fato de ser esposa do Delúbio [Soares]. Isso é que é preconceito. Verbal, nem é da propaganda, é dita pelo candidato. Acho estranho que a imprensa não ter registrado isso. Contra nós vale tudo. E quando ousamos levantar uma pergunta, que é uma pergunta natural, se faz esse escarcéu.
Viram? É o petismo em estado puro. Eles atacam, mas são as vítimas. Qual é o exemplo que Carvalho tem de “devassa da vida privada” de petistas? E notem, para variar, a dupla acusação contra a imprensa: a) ela teria superdimensionado a safadeza; b) não teria se indignado com Kassab. A propósito: qual é a acusação que o prefeito fez? Apenas lembrou que Mônica Valente, assessora de Marta, é mulher de Delúbio Soares, o homem do mensalão. Isso é uma questão pública, meu senhor. Entendo: se Carvalho fosse jornalista, quando aquele petista foi preso com dólares na cueca, ele teria omitido que o rapaz era assessor do irmão de José Genoino, que era presidente do partido durante toda a lambança. Bom petista, ele indagaria: “O que uma coisa tem a ver com outra?”

FOLHA - Há exagero então?
CARVALHO - Absoluto, absurdo. Absurdo. Tanto que as pessoas com quem tenho conversado, do povo, nem sequer se dão conta de que tem alguma a ver com o Kassab. Não entendi direito a resposta, mas acho que Carvalho está reclamando que a campanha não foi tão “eficaz” quanto deveria...

FOLHA - Mas não há uma alusão a homossexualismo?
CARVALHO - Eu não conversei com o João Santana [marqueteiro da campanha] sobre isso. Não tenho como te dizer. Primeiro, li na imprensa. Chegando aqui, fui ver o comercial. E fiquei assustado com a interpretação que se deu na imprensa, fiquei meio que impressionado. Quando se bisbilhotou a vida da Marta do jeito que se fez, nunca vi a indignação que se viu hoje, inclusive em seu jornal. Mas, no que depender da coordenação da campanha, hoje que estou me inteirando, esse assunto é página virada. O comercial tinha sido programado para ter dois dias de duração. Teve. Hoje [ontem] entraram outros. Agora, nós vamos sim continuar na campanha convidando a população a conhecer melhor os dois candidatos. Em todas as suas dimensões, pessoais e políticas. Entendemos que quando você entra na vida pública sua vida fica exposta, evidente, é muito difícil a distinção entre o privado e o público. Eu trabalho ao lado de uma pessoa cuja vida é devassada diariamente, que é o presidente Lula.
Carvalho era seminarista. Ainda bem que decidiu abandonar a Igreja. Ou seria mais um a perverter a Santa Madre com posições ambíguas e anfíbias. Ele reclama da suposta devassa da vida pessoal dos petistas. Mas depois diz que o partido continuará a devassar a de adversários porque isso é próprio da política. Pergunto: afinal, ele é contra ou é favor? A resposta: ELE É PETISTA. Assim, quando a prática é contra o PT, trata-se de uma sujeira; quando é contra os adversários, é só uma questão política corriqueira, entenderam.
Conheço o ex-assessor de Celso Daniel. Deixo aqui o blog à disposição para que ele exiba uma única peça oficial de campanha da oposição especulando sobre a vida privada de petistas. E noto, hein: dinheiro da Telemar na empresa do filho do presidente é questão pública, meu senhor!

FOLHA - O sr. fala em dimensão pessoal e política.
CARVALHO - Claro, é natural. É natural que você saiba o que a Marta faz, com quem ela... com quem ela... Está exposta a vida da Marta. Foi importante, aparentemente, na última eleição.
Com quem ela o quê? Com quem ela o quê? Eu não quero saber. Na verdade, se penso nisso, ficou nauseado.

FOLHA - O fato de ela ter se separado, casado de novo?
CARVALHO - Isso foi explorado à saciedade, e nós nunca nos insurgimos. Quando você entra na vida política, pública, você sabe que está sujeito a isso. A gente não apóia a exploração, mas é um pouco do ônus nosso.
Foi explorado por quem? Eu provo para Gilberto Carvalho que isso foi explorado por Eduardo Suplicy, o marido agravado; pela própria Marta, que o agravado transformou em centro do noticiário, e por Felipe Belisário Wermus, que é o J. Pinto Fernandes da história, para lembrar o poema Quadrilha, de Carlos Drummond de Andrade. Não fosse Suplicy, o Eduardo, ficar chorando pelos cantos, a repercussão do triângulo amoroso teria sido menor. Ou nem tanto: todo mundo sabe que o argentino Wermus, que se passa pelo francês Luís Favre, também faz de conta que é um pensador influente no petismo e na política brasileira. Chamou para si os holofotes. Afinal, na cultura machista latino-americana, de que o sujeito é parte, ele estava por cima.

PS: Até por ter sido assessor de Celso Daniel, Carvalho deveria dobrar a língua em matéria de questões privadas. Nunca nenhum adversário usou o fato de que Celso Daniel era um ex-casado convicto e sem filhos para atacá-lo. Aliás, desde o começo, o PT se mobilizou para criar uma blindagem em torno do assunto, ainda que ele pudesse guardar relação com nada menos do que um assassinato brutal. Não, senhor Carvalho! Vocês não estão reagindo a nada. Trata-se de uma canalhice original.


Por Reinaldo Azevedo

Anônimo disse...

O PT OPTA PELO TERRORISMO ELEITORAL. É UM ENSAIO PARA 2010
Leiam o texto até o fim. Vou parar lá em 2010...

Mesmo algumas pessoas não-identificadas com o petismo me perguntam às vezes se, como é mesmo?, não pego “um pouco pesado” com o PT. Não! Nunca! A minha tese é que você jamais será severo demais com o partido. A única chance de ser injusto é supor que os petistas acatam, como acatamos nós, os liberais, os valores da democracia. Seria uma mentira estúpida. Por isso mesmo, a primeira frase do livro O País dos Petralhas é esta: “Tudo o que é bom para o PT é ruim para o Brasil”. E explico as razões da afirmação no artigo que a contém. Perguntou-me outro dia um repórter: “Mas o petróleo do pré-sal não é bom para o PT e para o Brasil?” Não! O petróleo do pré-sal é bom para o Brasil. Bom para o PT é manipular politicamente o petróleo que está enterrado lá, como se fosse uma conquista partidária, de Lula. Assim, a mentira a respeito dó óleo é boa para o PT — e, sendo boa para o PT, é ruim para o Brasil.

Não creio, como sabem e deixo evidenciado sempre neste blog, como está no livro, que o petismo tenha aderido pra valer aos valores democráticos. Sua adesão é apenas tática. Se pudessem, dariam um golpe. Não podendo, tentam enrijecer a democracia, torná-la mais discricionária, subordiná-la às necessidades do próprio partido. Alguns lembram que Lula, na campanha eleitoral de 2002 e na campanha (re)eleitoral de 2006, for bastante “soft”. Ora... Nas duas, esteve o tempo todo na liderança. Na primeira, tinha de falar manso para não assustar; tinha de negar a sua própria trajetória. Na segunda, precisava caracterizar-se como aquele que estava sendo perseguido por uma oposição implacável, o que era falso. Mas nós vimos o que aconteceu quando ficou claro que haveria segundo turno. A civilidade foi para o brejo, e o PT lançou a campanha mentirosa, asquerosa, falsa, pilantra, segundo a qual Geraldo Alckmin, se vitorioso, iria privatizar o Banco do Brasil e a Petrobras. E os tucanos não souberam sair da armadilha.

O que ficava evidente ali? Que o partido tem uma ética elástica o bastante — na verdade, nesse terreno, não tem limites — para acatar qualquer tipo de campanha. Se preciso, o petismo recorre a fatos que estão fora da alçada da política e os “politiza”, lançando mão, como se vê em São Paulo, de hordas de militantes e cabos eleitorais pagos para a prática do terrorismo eleitoral.

Derrubar Lula e partos de mulheres negras
Um dos panfletos que os petistas distribuem cidade afora afirma, imaginem só, que o prefeito Gilberto Kassab quer “derrubar” o presidente Lula — quando, de fato, o prefeito exalta a parceria entre os dois. Indagada a respeito, como reagiu Marta? “Deus me livre! Eu não sabia disso”. E, como de hábito, disse não ter nada a ver com a safadeza.

Outro folheto cita supostos dados da ONG Nossa São Paulo — que vocês conhecem bem — para sustentar que caiu o número de partos de mulheres negras nas unidades de saúde da Prefeitura. Alguém, em sã consciência, supõe que a Prefeitura possa ter tomado medidas — quais seriam elas? — para esse tipo de discriminação? O que é de causar engulhos é que esta ONG, chamada de "independente" pela imprensa, é, na verdade, uma braço do próprio PT. O manda-chuva de lá é Oded Grajew, ex-assessor especial de Lula e ex-dono de uma fábrica de brinquedos. Agora ele brinca de fabricar factóides.

O mais famoso e estúpido deles, já denunciado aqui, sustenta que a gestão Kassab investe mais em bairros ricos do que na periferia. Pois bem: afirmo aqui com todas as letras, e vamos ver se Oded vai me processar: a ONG PETISTA ESTÁ MENTINDO. Os números têm como base apenas a verba da Secretaria de Subprefeituras, que corresponde a menos de 4% do Orçamento. Considerados os outros 96%, o investimento na periferia é muito maior. Relato essa história em detalhes aqui. Também essa mentira da turma de Oded foi parar no programa eleitoral de Marta. A ONG “Nossa São Paulo”, com efeito, é uma São Paulo “deles”.

Quem faz isso faz mais o quê?
O “marqueteiro” genial que bolou a estratégia da dita libertária Marta Suplicy — se o Conselho Regional de Psicologia tiver vergonha na cara impõe a esta senhora, quando menos, uma reprimenda pública — queria que acontecesse com o adversário Gilberto Kassab o que aconteceu na sabatina da Folha. Fizeram-lhe a pergunta até certo ponto fatal, dado o conjunto da obra: “O Sr. é homossexual?” Ele respondeu que não. A aposta do petismo é que tanto a pergunta como a resposta integrem o arsenal de desgaste de Kassab — e não custa lembrar que Marta usou os homossexuais como massa de manobra na sua carreira política. É evidente que as perguntas levadas ao ar — se é casado e tem filhos — buscaram criar uma sombra de suspeição sobre a sua vida privada. A canalhice continua, diga-se: “O que mais ele esconde?”.

Temas como esse não podem nunca comparecer ao debate político? Podem, claro. Fosse Kassab um homossexual e fosse conhecido por, vá lá, sua homofobia, a questão pública tornaria certamente relevante a questão privada, e isso seria, sim, matéria de política. Mas o que PT faz é tão-somente lançar a suspeição sobre alguém que a cidade inteira sabe ser solteiro e sem filhos. Não há, na atuação pública do prefeito, a sombra da intolerância com qualquer das chamadas “minorias”. A pergunta busca gerar a pecha, o preconceito, a onda de ignorância e obscurantismo que, na cabeça dos petistas, teria poder para tirar de Kassab uma eleição certa. E há vagabundos que pensam: "É o preço a pagar para termos um resultado progressista".

Eis então o PT? quando o partido está na frente, como estava nas duas eleições de Lula e no início da campanha de Marta, há até a chance de se fazer uma campanha civilizada. Mas basta que se anuncie o contratempo (como o segundo turno de 2006) ou a evidência da derrota, como neste 2008, e eles abolem a vida privada, o discurso da tolerância e, antes de tudo, qualquer compromisso com a verdade. Oh, claro, o PT tentou ganhar honestamente. Não deu. Então eles não ligam de ganhar desonestamente mesmo.

Será que esse partido acata mesmo a democracia?
Será que esse partido acata mesmo as regras do jogo?
Será que esse partido acata mesmo a alternância no poder?

É o partido que tentou, com o mensalão, fraudar a democracia comprando o Congresso.
É o partido que tentou, com um dossiê falso, fraudar a eleição para o governo de São Paulo em 2006.
É o partido que tentou, com o dossiê elaborado na Casa Civil, de Dilma Rousseff, fraudar uma CPI.
É o partido que, agora, está fazendo consultar para propor, imaginem só!, uma Assembléia Nacional Constituinte.

Agora 2010
Estamos vivendo agora, acreditem, uma prévia de 2010 — e não estou me referindo aos eventuais ganhadores e perdedores da disputa. Estou falando de método. Lula vai tentar, a todo custo, fazer o seu sucessor. Na eleição presidencial, não sejamos ingênuos, vai transferir mais votos do que na municipal — que, com efeito, tem outras variáveis. Os petistas é que criaram a ilusão de que bastaria o Apedeuta mandar, que o Mané eleitor apertaria o botão.

Pois bem. Se o ungido ou a ungida de Lula (ainda acho que será um homem, vamos ver) largar bem na corrida, com chances reais de vitória, assistiremos ao espetáculo do crescimento do passado, claro!, com o Babalorixá exaltando os seus feitos e prometendo que seu candidato fará ainda muito mais e tal... Sim, haverá, sub-reptícia, a idéia de que uma eventual vitória da oposição porá tudo a perder. Seria, assim, um terrorismo light. Mas vocês verão o Deus-nos-acuda se o PT vislumbrar a chance da derrota. Teremos uma campanha ao estilo Marta Suplicy, só que algumas vezes multiplicada. E não poupará nada nem ninguém. E pouco importa que a primeira vítima seja a verdade e a segunda, o decoro.

Não! Eles não têm escrúpulos. Não, eles não têm medidas. Não, eles não têm qualquer compromisso — nem com o próprio passado. O petismo inaugurou, já disse tantas vezes, o presente eterno na política. E, dado o presente eterno, tudo pode no partido de Celso Daniel e do Toninho do PT.


Por Reinaldo Azevedo

Anônimo disse...

LULLA-DÉBI-LÓIDE - sempre com um recorde negativo:


Empresas brasileiras perdem US$ 89,5 bilhões em um dia, diz consultoria.

da Folha Online ->

Levantamento realizado pela consultoria Economática aponta que as empresas brasileiras perderam US$ 89,5 bilhões em valor de mercado em um dia, de ontem para hoje (15). O estudo considera 294 empresas.

Bovespa cai 11,39% e registra a maior baixa em 10 anos
Um mês após a quebra do banco Lehman Brothers, evento que precipitou a piora da crise financeira, as Bolsas de Valores voltaram a ter um dia dramático. Após interromper e prorrogar o pregão desta quarta-feira em meia hora, a Bolsa de São Paulo registrou a maior queda desde setembro de 1998.

Anônimo disse...

LULLA-DÉBI-LÓIDE - sempre com um recorde negativo:


Empresas brasileiras perdem US$ 89,5 bilhões em um dia, diz consultoria.

da Folha Online ->

Levantamento realizado pela consultoria Economática aponta que as empresas brasileiras perderam US$ 89,5 bilhões em valor de mercado em um dia, de ontem para hoje (15). O estudo considera 294 empresas.

Bovespa cai 11,39% e registra a maior baixa em 10 anos
Um mês após a quebra do banco Lehman Brothers, evento que precipitou a piora da crise financeira, as Bolsas de Valores voltaram a ter um dia dramático. Após interromper e prorrogar o pregão desta quarta-feira em meia hora, a Bolsa de São Paulo registrou a maior queda desde setembro de 1998.

nidia disse...

Tenho medo do Obama, não sei bem porque. Puro instinto talvez, mas algo me diz que ele não é confiavel, que ele tem objetivos outros ainda não declarados.
A questão de "matar no ninho" sempre é caso a se pensar quando existe uma ameaça importante para toda a sociedade. A história nos mostra que se permanecemos muito passivos, pagamos muito caro...