quinta-feira, outubro 16, 2008

O ÚLTIMO DEBATE


O ÚLTIMO DEBATE

O último debate entre os presidenciáveis dos Estados Unidos, não acrescentou muito ao que já se sabia a respeito dos dois. Mais uma vez, Obama mostrou-se mais articulado, demonstrando melhor domínio dos temas propostos. MacCain se apresentou mais agressivo, insistiu na tese da diminuição dos impostos,defendeu menos presença do governo na vida do cidadão, e procurou desvencilhar-se o quanto pode do peso do governo Bush sobre as suas costas.Em determinado ponto do debate, provocado por Obama, chegou a dizer: “Não sou o presidente Bush”.

Por seu turno, Obama reafirmou a sua posição de que o Estado deve atuar racionalmente na ativação de políticas públicas para melhorar a vida dos cidadãos mais carentes, afirmou que sua proposta de diminuição na carga de impostos beneficiará a classe média, e não as grandes corporações , o que atribui à proposta de MacCain nessa questão.O que de fato ambos fazem é reafirmar a posição histórica dos seus respectivos partidos. Os republicanos na defesa de um estado mais liberal, e os democratas defendendo um governo mais participativo.

O que está fazendo a diferença é a forma o desastroso governo Bush tem influenciado a campanha de cada um deles. Nesse ponto, é óbvia a desvantagem do republicano. Por mais que ele tente se desvincular de Bush com argumentos de que por diversas vezes votou contra as propostas do Executivo no Senado, é inevitável a associação entre os dois.

Por mais que MacCain tente convencer os eleitores de que o malogro do governo Bush não se deu pelo fato do presidente ter sido um fiel seguidor das causas do Partido Republicano, mas sobretudo pelo despreparo e pela total inaptidão de Bush para governar um país do porte dos Estados Unidos,a imagem de mudança projetada por Obama ao longo da campanha foi mais convincente e permite, agora, concluir que somente um tsunami político lhe roubará a vitória.

161008

3 comentários:

Ana MAria disse...

Gostei muito de ver o equílibrio de Obama nos ataques sarcásticos e irônicos do MacCain, como também se defendendo de maneira firme e elgante. E isso que se espera do presidente da maior potência do mundo. Aquele sorrizinho irônico que o Mc Clain fazia enquanto ouvia o Obama, eu não sei se algum defeito físico ou era intencional, mas deu impressão de não estar levando à sério o debate, apesar de sabermos que estava no seu confronto final. Dizer que a "Miss Alasca" é um exemplo para as mulheres demonstrou como esta desesperado. Quizeram passar a imagem da campanha do Bush como o cowboy valente, mas não deu certo. Imagine aquela mulher cujo o hobby é assassinar animais e que larga a filha adolescente grávida, o filho de poucos meses com síndrome de down e mais outras 3 crianças, que diz que não há aquecimento blobal tem condições de ser presidente caso acontecesse alguma coisa com o idoso MacCain. Se não cuida do próprio lar como vai conduzir a maior potência do mundo que esta passando uma recessão?Acho que essa crise econômica veio na hora certa para que o povo americano abrisse os olhos... Espero que não roubem na votação como fizeram na reeleição do fanfarrão Bush.

ana disse...

O resultado das primeiras pesquisas de opinião pós debate me deixa muito contente!.Obama soube administrar com sabedoria a gritaria republicana de última hora. À frente nas pesquisas e consolidando a imagem de um líder ponderado, Obama não se deixou arrastar para a lama republicana.

Lula e Obama quanta diferença! disse...

Tem petralha desesperado querendo comparar obama a lula. Coitado do obama. Quanta diferença.Obama se fez por obra de muitom estudo.E lula? Ficou o tempo todo vivendo as custas de amigos e dio dinheiro público. Quanta diferença!