segunda-feira, outubro 13, 2008

PINTANDO O FUTURO COM AS TINTAS DO PRESENTE

Mesmo assim, qualquer que seja o quadro político resultante das urnas, ele não dará uma certeza do que acontecerá adiante. Será apenas um indicativo. Muita água deve rolar antes de 2010. Num país em que as instituições ainda são frágeis, em que os partidos políticos carecem de solidez programática e ideológica, em que os políticos mudam de posição ao sabor dos ventos, e em que as crises econômicas costumam abalar os frágeis alicerces da política, é uma temeridade pintar o quadro político de 2010 com as tintas de 2008.
Serra, Lula e Aécio. Na corrida pela Presidência, os três acreditam que o resultado das urnas municipais garantem meio passaporte para o poder em 2010. Será?

PINTANDO O FUTURO COM AS TINTAS DO PRESENTE

Embora aos eleitores das grandes cidades em que ocorrerão as disputas do segundo turno interesse saber qual candidato reúne melhores condições de resolver as questões básicas de seus municípios, no território dos políticos o pensamento está voltado para a disputa presidencial de 2010. Nesse sentido, a preocupação se relaciona com quem sairá fortalecido e quem sairá enfraquecido do atual embate.

Lula, José Serra, e Aécio Neves são os atores principais desse drama - ou comédia - cujo primeiro ato termina justamente após a apuração das urnas no dia 26 de outubro. A vitória de um ou de outro candidato, apoiado por esse ou aquele presidenciável, não traz a certeza de que o quadro político para 2010 já estará definido com antecedência, mas certamente será um bom indicativo de como as coisas caminharão até lá.

Nas quatro principais cidades brasileiras, - São Paulo, Rio de Janeiro, Belo Horizonte e Porto Alegre - o presidente Lula tem interesse direto, e se esmera pessoalmente, na vitória de Marta Suplicy, ficaria muitíssimo satisfeito com a vitória da petista Maria do Rosário em Porto Alegre,e gostaria muito que Marcio Rezende vencesse em Belo Horizonte.No Rio, entretanto, o apoio a Eduardo Paes não vai além de mera formalidade.

Entretanto, com exceção de São Paulo, onde a derrota de Marta para o candidato do DEM representaria, de fato, uma grande perda, o presidente não se sentiria derrotado se em Porto Alegre e em Belo Horizonte os vitoriosos fossem, respectivamente, José Fogaça, e Leonardo Quintão.Afinal, ambos pertencem ao PMDB, partido que tem se constituído na mais forte base de sustentação do governo no Congresso, e com o qual Lula conta para construir a aliança em torno do seu candidato em 2010.

O Rio , entretanto, é um mundo à parte, difícil de ser compreendido até pelos mais experientes cientistas políticos. Lula não nutre a mínima simpatia por Eduardo Paes, candidato do PMDB, por razões óbvias: quando deputado federal pelo PSDB, Paes foi um dos mais atuantes algozes do governo petista , e provocou ressentimentos no casal presidencial ao investigar os negócios suspeitos de Fábio Luis, filho do presidente.Mas o pragmatismo com que, no poder, passou a encarar o jogo da política o conduziu a sufocar as mágoas , atender aos apelos do seu fiel aliado Sérgio Cabral, e declarar apoio ao seu antigo desafeto. Quando menos, pelo fato de o DEM e o PSDB já terem declarado apoio ao adversário de Paes, Fernando Gabeira. Para Lula, lamentável mesmo seria uma derrota em São Paulo.

Surfando em águas tranquilas durante a maior parte do primeiro turno, a candidata petista só viu o seu favoritismo se desmanchar no final da campanha , por conta da ascensão vertiginosa de Gilberto Kassab. Agora, a candidata petista não pode sequer “relaxar e gozar”, tantas serão as dificuldades que terá que enfrentar para reverter os 17 pontos de vantagem de seu adversário, nas pesquisas. No último debate entre os dois, transmitido pela Band, Marta se mostrou tensa e agressiva, num contraponto ao prefeito,que aparentava estar mais relaxado e decidido a mostrar propostas de governo. O desespero petista não é em vão: Lula e Marta sabem que por detrás de Kassab está José Serra.


Enquanto isso, em Minas, Aécio Neves, que jogou todas as fichas na aliança com o PT local e na candidatura de Márcio Lacerda, na expectativa de que este venceria de goleada no primeiro turno, teve que calçar as sandálias da humildade e refazer toda a estratégia de campanha. Afinal, uma vitória do peemedebista Leonardo Quintão abalaria as pretensões presidenciais do governador mineiro dentro do PSDB, e deixaria Serra mais feliz do que já está.

Mas a caminhada do jovem e desconhecido candidato do PMDB não parece fácil.Além de se mostrar um tanto atônito com o seu próprio feito, Quintão parece não ter propostas consistentes, experiência administrativa, nem estrutura política para enfrentar e vencer o candidato oficial. Continuando a ter a seu serviço as máquinas governamentais do Estado e da Prefeitura de BH, Marcio Lacerda , em que pese a sua inexperiência política, demonstra ser mais qualificado para lidar com questões econômicas e administrativas do que seu adversário.E isso pesa na hora do eleitor decidir.
.
Mesmo assim, qualquer que seja o quadro político resultante das urnas, ele não dará uma certeza do que acontecerá adiante. Será apenas um indicativo. Muita água deve rolar antes de 2010. Num país em que as instituições ainda são frágeis, em que os partidos políticos carecem de solidez programática e ideológica, em que os políticos mudam de posição ao sabor dos ventos, e em que as crises econômicas costumam abalar os frágeis alicerces da política, é uma temeridade pintar o quadro político de 2010 com as tintas de 2008.
131008

16 comentários:

Anônimo disse...

Marta parte para o ataque pessoal a Kassab
Os golpes baixos começaram na disputa pela prefeitura paulistana. No debate realizado ontem pela TV Bandeirantes, a petista Marta Suplicy e o democrata Gilberto Kassab tiveram momentos tensos de discussão, mas Marta passou um pouco da linha durante sua propaganda no horário eleitoral. Enquanto falava das origens do DEM, relembrando a ditadura militar, sem problemas. O problema, como diz o Estadão, é que em um determinado momento “a ex-prefeita ultrapassou a política e tentou atingir a imagem pessoal do oponente”. Com uma foto de Kassab em preto e branco, o locutor fazia indagações sobre seu passado e terminava com esta: “É casado? Tem filhos?” Para, depois, afirmar: "Para decidir certo é preciso conhecer bem”. Questionar as raízes políticas de Kassab é algo válido, mas tentar insinuar um demérito de Kassab por não ser casado ou não ter filhos é, no mínimo, desleal.

Altino disse...

A Martaxa esquece de seu passado e de seu partido. Se julga a pessoa mais ética do mundo, mas será que o povo se esqueceu que seu partido foi responsável pelo maior episódio de corrupção do país, o famoso Mensalão.
E será que o povo esqueceu do período em Marta estava em Paris, quando a cidade sofria com inundações???
O passado de Dona Marta é simplesmente uma demonstração de incopetência administrativa, quebrou a cidade e criou diversas taxas.

Anônimo disse...

Alma fascista
Qual é a coisa mais detestável na visão de mundo dos petistas? Eles não reconhecem individualidades. Eles respeitam, por exemplo, mulheres, negros ou gays? Ah, sim: desde que “a” mulher, “o” negro e “o” gay sejam militantes de uma causa, integrem uma corporação, pertençam a um grupo. O sujeito só ganha direito à respeitabilidade se for membro de uma coletividade e se subordinar, claro, às regras do partido. Foi assim que Dona Marta Suplicy se tornou, no Brasil, uma espécie de porta-voz dos direitos civis dos homossexuais. Era, de fato, um engodo. Agora, se preciso, ela apela à discriminação mais odienta, usando tal condição como xingamento, pouco importando se o alvo da agressão é ou não o que ela diz ser. Abro parênteses:


Parênteses


Vejam como são as coisas... O PT estava na oposição em 1988. Era considerado a grande esperança — não mais por mim, já fazia tempo!!! — de justiça social e de respeito às diferenças. O roqueiro Cazuza, já perto do fim, expressava uma opinião um tanto desoladora do país na música O Tempo Não Pára:

“Te chamam de ladrão, de bicha, maconheiro,/
Transformam o país inteiro num puteiro/
Pois assim se ganha mais dinheiro...
A tua piscina tá cheia de ratos/
Tuas idéias não correspondem aos fatos/


Há, no que vai acima, a ingenuidade que combina com o rock, o que não quer dizer que não se diga um tanto de verdade.

Volto


Indivíduos não têm importância para o petismo. Uma pessoa só ganha direito à existência se pertencer a uma categoria. A pessoa é negra? Há que ser um “negro profissional”, assumir o discurso do “oprimido” e ver o mundo a partir dessa ótica. O PT lhe cassa o direito de ser, digamos assim, um humano “neutro”, comum, sem uma causa — como é a maioria de nós.

De fato, no mundo dos petistas, não há pessoas, mas grupos com demandas. É a sociedade organizada em corporações — sejam as de ofício, sejam as de supostas máculas sociais. O PT tem, em suma, uma alma fascista.

Vinte anos depois


Passaram-se vinte anos desde aquela música de Cazuza. O PT está no poder. Então já se pode cantar, agora que eles MUDARAM O MUNDO:


“Te chamam de ladrão, de bicha, maconheiro,/
Transformam o país inteiro num puteiro/
Pois assim se ganha mais dinheiro...
A tua piscina tá cheia de ratos/
Tuas idéias não correspondem aos fatos...

Bem ou mal, eu e Marta Suplicy pertencemos à mesma espécie, não é? Sinto por ela a vergonha que lhe é impossível sentir por si mesma.

Anônimo disse...

Ótimo comentário da Lucia Hipólito sobre o debate:

Debate Marta x Kassab

Tremendo barraco

O debate entre Marta Suplicy e Gilberto Kassab ontem à noite na TV Bandeirantes quase descamba para grossa pancadaria.

Marta escolheu uma estratégia arriscadíssima: atacar, atacar, atacar, como homem.

Tudo para desestabilizar Kassab e obrigá-lo a reagir. Aí, ela se defenderia como mulher, vítima de uma grosseria, um preconceito.

Bom, se este era o objetivo, a tentativa foi coroada de fracasso.

Marta ganhou o primeiro bloco. Apanhou o adversário de surpresa, repisando na pergunta: qual é o verdadeiro Kassab, o prefeito que veta determinados projetos importantes para a população de São Paulo, ou o candidato da propaganda, que promete levar a população de São Paulo ao paraíso?

Conseguiu colocar Kassab na defensiva, tendo que explicar vetos e propostas.

Mas aí, ao voltar para o segundo bloco, Marta errou a mão. Não fez mais nada do que repisar e repisar a pergunta, transformando-a num bordão cuja eficácia se perdeu. E mais: começou a acusar o adversário de mentir.

Kassab reagiu. E ganhou. Conseguiu não agredir Marta, impedindo-a de se vitimizar. Quem saiu de vítima foi o prefeito, quando Marta o acusou de mentiroso. Pediu direito de resposta e levou.

Respondendo a uma acusação de Marta sobre as companhias em que ele andava, Kassab a acusou de andar na companhia de Delúbio Soares e de petistas que carregam dólares na cueca, de gente envolvida no mensalão.

Marta pediu dois direitos de resposta. Não conseguiu. Perdeu a serenidade. E perdeu o debate.

Irritadíssima, passou a tratar o adversário com desdém, gesticulando muito, e com a voz visivelmente alterada.

Apelou para o presidente Lula, elogiou rasgadamente sua administração, tentou nacionalizar o debate. Tudo em vão. Ela errou feio na dosagem do ataque e da agressão.

Não custa repetir: ataque pessoal não é para amadores. É recurso perigoso, que só pode ser usado por quem sabe que tem uma bomba nas mãos. Caso contrário, vitimiza o adversário.

Nas considerações finais, Marta foi constrangedora. Falou pequeno, mesquinho, medíocre mesmo. Não estava à altura do que a cidade de São Paulo espera de seu prefeito.

Ah, uma última palavra. Que roupinha mais chinfrinzinha! Marta é uma mulher sempre preocupada com o guarda-roupa, preocupada nos mínimos detalhes. Pois hoje parecia uma sombra: blaser cinza, rosto cinza, cabelo cinza.

O retrato do desânimo.

Anônimo disse...

Marta provou que o PT é uma vergonha nacional. Sua baixeza em levar o debate à sexualidade do adversário é simplesmente imunda. Prova ainda como a adesão ao movimento gay é canalha. E há homossexuais bobões que ainda caem no papo no PT.

Anônimo disse...

Eis aí o PT!

O partido da mentira, da demagogia,do atraso, do politicagem rasteira,do populismo, do esquerdismo bocó, do loteamento e apropriação do Estado, do sindicalismo oportunista e parasitário.

Eis o verme oportunista que vive e se reproduz no ambiente do atraso e do subdesenvolvimento.

Anônimo disse...

Bateram no fundo da fossa séptica. E jogaram a pá de cal.
Pessoas educadas, civilizadas, decentes, éticas, de bom caráter nunca, jamais, em tempo algum questionam a vida particular, principalmente quanto a sexualidade, de quem quer que seja. Também não dá o mote para que a sua vida privada alimente a curiosidade alheia. Detalhes íntimos devem permanecer na intimidade, não se conta nem aos mais íntimos.
Além do mais, solteirice é opção. George Clooney também é solteiro e diz que não casa nem a pau, Juvenal. Essa Marta é totalmente abestada.

Anônimo disse...

Lembro-me da campanha do Lula para presidente, quando o Collor citou o caso da ex-mulher de Lula e de sua filha, a qual deveria ter sido abortada . Lembra-se da repercussão? alguns disseram que Lula perdeu para Collor a partir desse episódio.
Pois não é que a petralhada aprendeu a se valer de recursos os quais dizia "abominar"?
A memória brasileira é muito curta, nao consegue assimilar os seguidos escândalos que vão ficando nas gavetas.Um blog tratando da memória, daquilo que nao deve ser esquecido, seria uma forma de desenvolver a consciência crítica do povo.
Quanto a madame Min Matarazzo, é apenas uma mulher mesquinha, que nao envelheceu com dignidade. É um fato: nao se pode colocar botox nem fazer plásticas na alma.
Que Deus nos livre desse ogro político.

Anônimo disse...

OS EVANGÉLICOS E O DEMÔNIO.

Que razões os evangélicos teriam para votar no demônio?
O demônio é aquele que usa de quaisquer meios para atingir seus fins.
O demônio relaxa e goza diante do sofrimento alheio, e não mede esforços para controlar o "paraíso".
O demônio é loiro, esticado com silicone, desenrugado com botox (não, não é da Marisa que falo) e mente muito, o tempo todo.
É arrogante, tem pavio curto, não gosta de ser contrariado e é muito incompetente, tendo transformado a vida do paulistano em um inferno. E só pra endemoniar, aplica TAXA, um MAR de TAXA!

Anônimo disse...

Sei que não tem relação com este post, mas já acharam uma forma de salvar a reputação do Aécio nessas eleições, conforme coluna do Cláudio Humberto de hoje (13/10):

Aécio é sabido

Políticos como o senador José Sarney acham que o governador tucano de Minas Gerais, Aécio Neves, já conseguiu o que queria, na eleição de Belo Horizonte: afastar o PT a prefeitura que ocupava há várias gestões.

Ação engenhosa

Para tirar o PT da prefeitura de BH, Aécio Neves articulou um candidato do PSB, Márcio Lacerda, palatável aos petistas, e convenceu o prefeito Fernando Pimentel (PT) a embarcar no projeto. Deu certo.

claudio Luiz disse...

Diga-me com quem andas e te direi quem és. No caso de Marta Suplicy todos sabemos quem são seus "companheiros": Delúbio Soares(Mensalão), José Dirceu(Mensalão), Antônio Palocci( ordenou a quebra criminosa e ilegal do sigilo bancário do caseiro Francenildo), Dilma Rousseff(a mãe do Dossiê FHC), Tarso Genro(braço da polícia política castrista, ao mandar prender e deportar os dois pugilistas cubanos do Brasil, mandando-os devolta para Cuba sem que tivessem o mínimo direito de recorrer ao asilo político), José Genoíno(Mensalão e dólares na cueca), Luiz Inácio da Silva(o presidente conivente e particípe de todos os crimes e ilegalidades perpetradas pelos seus "companheiros" do PT, aliados das FARCs e de ditadores: Hugo Chávez, Evo morales, Fidel Castro, RafaelCorrea), Marcos Valério(o homem da mala de dinheiro do Partido dos Trabalhadores no Mensalão), etc. Esses são só alguns dos tão propalados grandes "guardiões da ética" e da "democracia" enaltecidos pela candidata Marta Suplicy e a sua campanha petista. Dona Marta quem a senhora o "lulla" ou o seu partido, o PT, querem enganar? A mim não, pois eu nunca acreditei nas mentiras e meias verdades dessa organização criminosa autodenominada Partido dos Trabalhadores.

adeus martaxa disse...

COMO "DIZ" A CAMPANHA DA MARTAXA:
VOLTA MARTA, VOLTA;;;
PARA ALGUM MINSITÉRIO ...
OS PAULISTANOS AGRADECERÃO PRA SEMPRE!
VAI RELAXAR E GOZAR DA NOSSA CARA, LONGE DAQUI!
PARABENS GILBERTO KASSAB....
DISCUTA PROPOSTAS PARA O POVO DE SÃO PAULO...SO ISSO NOS INTERESSA!

Anônimo disse...

Caetano Veloso: Níveis de violência e medo nunca vistos

"Historicamente, a dificuldade fundamental que o Brasil enfrenta sempre foi a enorme disparidade entre ricos e pobres. De modo geral, o Brasil é um país de convívio bastante social, mas esse abismo imenso que separa os mais pobres é um convite à violência. Agora, acrescente a essa situação o tráfico de drogas e veja o que acontece" (...)

"É verdade que, mesmo agora, os gângsteres do Rio ainda têm um certo charme, mas os níveis de violência e medo, por causa do tráfico de drogas, são algo nunca visto antes. Atualmente, e eu lamento dizer isso, as pessoas têm medo e a face da cidade foi transformada. Veja o modo como todos os edifícios da Zona Sul são protegidos por grades, sistemas de segurança e veículos blindados. É em meio a essa situação de medo e violência que o AfroReggae trabalha".

Os textos foram retirados do prefácio do livro "Cultura é a nossa arma - AfroReggae nas favelas do Rio", de Damian Platt e Patrick Neate (Civilização Brasileira), que faz parte da Coleção Segurança e Cidadania. O prefácio foi escrito em novembro de 2005 por um dos maiores compositores brasileiros, Caetano Veloso, que vive no Rio de Janeiro e também concorda com a idéia de que a Cultura é um caminho poderoso para transformação da realidade social do Rio. Felizmente ele não é o único a pensar assim. O mestre Zuenir Ventura, o criador da expressão cidade partida (no livro com o mesmo nome), também é outro.

paschoal disse...

Realmente nosso País em termos de politica chegou na metade da fossa.
A inescrupulosa martaxa que dizem, até há pouco tempo corneava o bundão do marido e que se elegeu várias vezes graças a sua "ardorosa defesa" das ditas minorias de gays e lésbicas, mostrou agora a sua verdadeira identidade.
Trata-se de uma manipuladora cruel dessas mesmas minorias.
Quando era para receber votos deles, elogiava.
Agora, para cativar a parcela evangélica - que nem é tão pequena assim- passou a atacar os antes "discriminados" grupos GLS, através da tentativa de desmoralização do candidato Kassab lá em Sampa.
Essa é a verdadeira face do petismo. Sua falta de pudor e de caráter não tem limites!
Lá da Espanha, do alto de sua divindade, o apedeuta diz que ella exagerou no ataque...mas...pergunto o marqueteiro do pt não é o duda mendonça? que recebe em dólares lá no exterior?
Ah! elles não sabem de nada, o marqueteiro é que apronta.
Dá licença.....!

rosena disse...

FernandoSe é importante saber se o Kassab é casado e não tem filhos, não seria impotante saber pq a Marta se separou e continua usando o nome Suplicy e não assume o Favre?

Anônimo disse...

O PT OPTA PELO TERRORISMO ELEITORAL. É UM ENSAIO PARA 2010
Leiam o texto até o fim. Vou parar lá em 2010...

Mesmo algumas pessoas não-identificadas com o petismo me perguntam às vezes se, como é mesmo?, não pego “um pouco pesado” com o PT. Não! Nunca! A minha tese é que você jamais será severo demais com o partido. A única chance de ser injusto é supor que os petistas acatam, como acatamos nós, os liberais, os valores da democracia. Seria uma mentira estúpida. Por isso mesmo, a primeira frase do livro O País dos Petralhas é esta: “Tudo o que é bom para o PT é ruim para o Brasil”. E explico as razões da afirmação no artigo que a contém. Perguntou-me outro dia um repórter: “Mas o petróleo do pré-sal não é bom para o PT e para o Brasil?” Não! O petróleo do pré-sal é bom para o Brasil. Bom para o PT é manipular politicamente o petróleo que está enterrado lá, como se fosse uma conquista partidária, de Lula. Assim, a mentira a respeito dó óleo é boa para o PT — e, sendo boa para o PT, é ruim para o Brasil.

Não creio, como sabem e deixo evidenciado sempre neste blog, como está no livro, que o petismo tenha aderido pra valer aos valores democráticos. Sua adesão é apenas tática. Se pudessem, dariam um golpe. Não podendo, tentam enrijecer a democracia, torná-la mais discricionária, subordiná-la às necessidades do próprio partido. Alguns lembram que Lula, na campanha eleitoral de 2002 e na campanha (re)eleitoral de 2006, for bastante “soft”. Ora... Nas duas, esteve o tempo todo na liderança. Na primeira, tinha de falar manso para não assustar; tinha de negar a sua própria trajetória. Na segunda, precisava caracterizar-se como aquele que estava sendo perseguido por uma oposição implacável, o que era falso. Mas nós vimos o que aconteceu quando ficou claro que haveria segundo turno. A civilidade foi para o brejo, e o PT lançou a campanha mentirosa, asquerosa, falsa, pilantra, segundo a qual Geraldo Alckmin, se vitorioso, iria privatizar o Banco do Brasil e a Petrobras. E os tucanos não souberam sair da armadilha.

O que ficava evidente ali? Que o partido tem uma ética elástica o bastante — na verdade, nesse terreno, não tem limites — para acatar qualquer tipo de campanha. Se preciso, o petismo recorre a fatos que estão fora da alçada da política e os “politiza”, lançando mão, como se vê em São Paulo, de hordas de militantes e cabos eleitorais pagos para a prática do terrorismo eleitoral.

Derrubar Lula e partos de mulheres negras
Um dos panfletos que os petistas distribuem cidade afora afirma, imaginem só, que o prefeito Gilberto Kassab quer “derrubar” o presidente Lula — quando, de fato, o prefeito exalta a parceria entre os dois. Indagada a respeito, como reagiu Marta? “Deus me livre! Eu não sabia disso”. E, como de hábito, disse não ter nada a ver com a safadeza.

Outro folheto cita supostos dados da ONG Nossa São Paulo — que vocês conhecem bem — para sustentar que caiu o número de partos de mulheres negras nas unidades de saúde da Prefeitura. Alguém, em sã consciência, supõe que a Prefeitura possa ter tomado medidas — quais seriam elas? — para esse tipo de discriminação? O que é de causar engulhos é que esta ONG, chamada de "independente" pela imprensa, é, na verdade, uma braço do próprio PT. O manda-chuva de lá é Oded Grajew, ex-assessor especial de Lula e ex-dono de uma fábrica de brinquedos. Agora ele brinca de fabricar factóides.

O mais famoso e estúpido deles, já denunciado aqui, sustenta que a gestão Kassab investe mais em bairros ricos do que na periferia. Pois bem: afirmo aqui com todas as letras, e vamos ver se Oded vai me processar: a ONG PETISTA ESTÁ MENTINDO. Os números têm como base apenas a verba da Secretaria de Subprefeituras, que corresponde a menos de 4% do Orçamento. Considerados os outros 96%, o investimento na periferia é muito maior. Relato essa história em detalhes aqui. Também essa mentira da turma de Oded foi parar no programa eleitoral de Marta. A ONG “Nossa São Paulo”, com efeito, é uma São Paulo “deles”.

Quem faz isso faz mais o quê?
O “marqueteiro” genial que bolou a estratégia da dita libertária Marta Suplicy — se o Conselho Regional de Psicologia tiver vergonha na cara impõe a esta senhora, quando menos, uma reprimenda pública — queria que acontecesse com o adversário Gilberto Kassab o que aconteceu na sabatina da Folha. Fizeram-lhe a pergunta até certo ponto fatal, dado o conjunto da obra: “O Sr. é homossexual?” Ele respondeu que não. A aposta do petismo é que tanto a pergunta como a resposta integrem o arsenal de desgaste de Kassab — e não custa lembrar que Marta usou os homossexuais como massa de manobra na sua carreira política. É evidente que as perguntas levadas ao ar — se é casado e tem filhos — buscaram criar uma sombra de suspeição sobre a sua vida privada. A canalhice continua, diga-se: “O que mais ele esconde?”.

Temas como esse não podem nunca comparecer ao debate político? Podem, claro. Fosse Kassab um homossexual e fosse conhecido por, vá lá, sua homofobia, a questão pública tornaria certamente relevante a questão privada, e isso seria, sim, matéria de política. Mas o que PT faz é tão-somente lançar a suspeição sobre alguém que a cidade inteira sabe ser solteiro e sem filhos. Não há, na atuação pública do prefeito, a sombra da intolerância com qualquer das chamadas “minorias”. A pergunta busca gerar a pecha, o preconceito, a onda de ignorância e obscurantismo que, na cabeça dos petistas, teria poder para tirar de Kassab uma eleição certa. E há vagabundos que pensam: "É o preço a pagar para termos um resultado progressista".

Eis então o PT? quando o partido está na frente, como estava nas duas eleições de Lula e no início da campanha de Marta, há até a chance de se fazer uma campanha civilizada. Mas basta que se anuncie o contratempo (como o segundo turno de 2006) ou a evidência da derrota, como neste 2008, e eles abolem a vida privada, o discurso da tolerância e, antes de tudo, qualquer compromisso com a verdade. Oh, claro, o PT tentou ganhar honestamente. Não deu. Então eles não ligam de ganhar desonestamente mesmo.

Será que esse partido acata mesmo a democracia?
Será que esse partido acata mesmo as regras do jogo?
Será que esse partido acata mesmo a alternância no poder?

É o partido que tentou, com o mensalão, fraudar a democracia comprando o Congresso.
É o partido que tentou, com um dossiê falso, fraudar a eleição para o governo de São Paulo em 2006.
É o partido que tentou, com o dossiê elaborado na Casa Civil, de Dilma Rousseff, fraudar uma CPI.
É o partido que, agora, está fazendo consultar para propor, imaginem só!, uma Assembléia Nacional Constituinte.

Agora 2010
Estamos vivendo agora, acreditem, uma prévia de 2010 — e não estou me referindo aos eventuais ganhadores e perdedores da disputa. Estou falando de método. Lula vai tentar, a todo custo, fazer o seu sucessor. Na eleição presidencial, não sejamos ingênuos, vai transferir mais votos do que na municipal — que, com efeito, tem outras variáveis. Os petistas é que criaram a ilusão de que bastaria o Apedeuta mandar, que o Mané eleitor apertaria o botão.

Pois bem. Se o ungido ou a ungida de Lula (ainda acho que será um homem, vamos ver) largar bem na corrida, com chances reais de vitória, assistiremos ao espetáculo do crescimento do passado, claro!, com o Babalorixá exaltando os seus feitos e prometendo que seu candidato fará ainda muito mais e tal... Sim, haverá, sub-reptícia, a idéia de que uma eventual vitória da oposição porá tudo a perder. Seria, assim, um terrorismo light. Mas vocês verão o Deus-nos-acuda se o PT vislumbrar a chance da derrota. Teremos uma campanha ao estilo Marta Suplicy, só que algumas vezes multiplicada. E não poupará nada nem ninguém. E pouco importa que a primeira vítima seja a verdade e a segunda, o decoro.

Não! Eles não têm escrúpulos. Não, eles não têm medidas. Não, eles não têm qualquer compromisso — nem com o próprio passado. O petismo inaugurou, já disse tantas vezes, o presente eterno na política. E, dado o presente eterno, tudo pode no partido de Celso Daniel e do Toninho do PT.


Por Reinaldo Azevedo