sexta-feira, outubro 24, 2008

AONDE FOI PARAR A TRADICIONAL POLÍTICA MINEIRA?

Na atual disputa eleitoral pela prefeitura de Belo Horizonte, por exemplo, a tradição foi mandada às favas.Os candidatos finalistas perderam o equilíbrio e o pudor , trocaram a elegância pela grosseria, e partiram para a agressão mútua. Fica a impressão de que qualquer que seja o vencedor, BH não ficará bem servida.
AONDE FOI PARAR A TRADICIONAL POLÍTICA MINEIRA?

Minas Gerais sempre se orgulhou de seu estilo peculiar de fazer política. Formados na tradição de Milton Campos, Juscelino Kubitschek, Tancredo Neves, Israel Pinheiro e Magalhães Pinto, os políticos mineiros se deixam envaidecer pelas suas “virtudes”, entre as quais a habilidade,a discrição e o espírito conciliador. Tudo isso, é claro, temperado por uma boa dose de astúcia política. Nem sempre essas “virtudes” estiveram presentes, o que reforça a tese dos que dizem que o alegado jeito mineiro de fazer política é puro folclore.

Na atual disputa eleitoral pela prefeitura de Belo Horizonte, por exemplo, a tradição foi mandada às favas.Os candidatos finalistas perderam o equilíbrio e o pudor , trocaram a elegância pela grosseria, e partiram para a agressão mútua. No primeiro turno, enquanto se mantinha na confortável posição de líder absoluto nas pesquisas, com passaporte direto para o poder, sem a necessidade do segundo turno, Márcio Lacerda praticamente não tomou conhecimento de seus adversários. Na transição do primeiro para o segundo turno, Leonardo Quintão, candidato do PMDB, cresceu, apareceu e ultrapassou o favorito, numa demonstração de que o eleitorado belorizontino não havia digerido um candidato desconhecido que lhe havia sido imposto por uma atípica aliança entre o PT e o PSDB.

Em desvantagem, Lacerda baixou o nível de sua campanha e, em vez de propostas, preferiu desqualificar o seu adversário. Por seu turno, Quintão, muito jovem para conhecer a velha arte mineira de fazer política com elegância, exagerou na dose do revide: passou a acusar Lacerda de "criminoso comum" - por ter praticado assaltos a bancos, quando atuava em grupos clandestinos que combatiam a ditadura militar -, e de "beneficiário do mensalão" - por ter recebido dinheiro do esquema de Marcos Valério, como tesoureiro da campanha de Ciro Gomes à presidência em 2002.

A troca de acusações chegou ao nível mais baixo na última quarta feira, quando ambos participaram do debate na TV Alterosa (SBT). Sob pressão, pela reação de Lacerda nas últimas pesquisas divulgadas, que levou a disputa ao empate técnico, Quintão esqueceu definitivamente os bons modos e reforçou com maior veemência todas as acusações feitas ao adversário nas últimas semanas. O eleitor, mais interessado em conhecer as propostas de governo de cada um deles, deve ter saído do debate atônito e indignado.

Ao final, ficou a impressão de que qualquer que seja o vencedor, BH não ficará bem servida.De um lado, um candidato obscuro,sisudo , com pouca experiência política e , sobretudo,fruto de um acordão que visa levar Aécio ao Palácio do Planalto e Pimentel ao Palácio da Liberdade. Do outro lado, um candidato com toda pinta de arrrivista e demagogo, pouca consistência nas propostas de governo, e nenhuma experiência administrativa. Semelhantes, apenas na vontade de se destroçarem mutuamente.Como se vê, a tradição política de Minas está sendo atirada no lixo.

Em 1961, o escritor Otto Lara Rezende foi convidado pelo amigo Magalhães Pinto, governador de Minas Gerais, para redigir uma declaração que esclarecesse a posição do Estado em relação à posse do vice-presidente João Goulart, o Jango. Consta desse documento uma pérola de exemplo da posição matreira que sintetiza bem o espírito político de Minas,escrita por Otto: "Minas está onde sempre esteve".Pelo que se tem assistido na atual disputa pela prefeitura da capital, não está mais.
241008

26 comentários:

Anônimo disse...

Esse Leonardo Quintão passará para a história como o candidato que mais expôs a si e seus eleitores ao ridículo.

talles disse...

Finalmente as pessoas estão abrindo os olhos!!
Não é atoa que as pesquisas mudaram e os candidatos estão tecnicamente empatados!!
Quintinho é um candidato totalmente despreparado!! Basta acompanhar os debates, entrevistas e programas eleitorais pra perceber!
Um candidato que desconhece a história da ditadura e tem coragem de falar que Marcio foi um preso comum....um candidato que se exalta falando que vai chutar a bunda dos adversários e depois diz que estava BRINCANDO de futebol e BRINCANDO DE POLÍTICA...um candidato que diz que desconhece a necessidade de se traduzir um diploma de graduação feito no exterior...um candidato que copia parte de seu plano de governo de uma enciclopédia da internet...um candidato que chora na tv pedindo votos...que diz que tudo dá p fazer...que vai destinar 1% do orçamento para tais e tais coisas...mas não sabe explicar como vai fazer isso?!?!!?
Quintinho não precisa de ninguém pra queimar o filme dele...ele consegue muito bem fazer isso sozinho!!!
Quem ainda não decidiu o voto!! Pense bem...o futuro da nossa cidade está em jogo!!!
E QUE VENHA DIA 26!!!

nilma disse...

NO DEBATE DO SBT FICOU CLARA A FALTA DE ESTRUTUTA DO CANDIDATO LEO. ELE NÃO TINHA CONVICÇÃO SOBRE AS SUAS RESPOSTAS. FOI A FRETE E DISSE E NO MESMO MOMENTO VOLTOU E DISSE QUE NÃO DISSE. ELE É MUITO CONTRADITÓRIO A PLANTEIA NÃO AGUENTO E SOLTO UMA GARGALHADA.
AI LEO VOCÊ É MUITO ENGRAÇADO. VOCÊ TINHA QUE TRABALHAR EM UM CIRCO.

reinaldo disse...

Fernando/
Avaliar propostas é muito importante em qualquer eleição. Lembrando que historicamente candidatos que nao possuem propostas consolidadas e com argumentos reais, sempre usam artificios de "pirotecnia" e principalmente a demagogia! Perguntar se as pessoas estão felizes e pior dizer que garantirá tal felicidade é usar um populismo barato para ganhar votos! Promoter a felicidade é demais, mas como ele diz: " é simples e dá pra fazer...

Anônimo disse...

Aécio Neves é político mais conciliador que eu conheco em minha vida, ao contrario de seu companheiro de SP, José Serra que não consegue nem controlar as polícias de seu Estado.

Anônimo disse...

"O estilo do Lula é enganar"

Em entrevista a ÉPOCA, o ex-presidente Fernando Henrique Cardoso critica a forma como Lula tentou minimizar os efeitos da crise financeira para o Brasil. Ele prevê que, num cenário de menos crescimento, José Serra leva vantagem sobre Dilma nas eleições de 2010.

Obs.: O Mulla até parece que bebe! Será...

Perguntaram ao Mulla:
Gosta do Lullinha?
- gosto!
Gosta de Farinha?
-gosto!
E de Pinga 51?
-hichchchchchc!

Anônimo disse...

enquanto isto aquele que estava mais protegido é o mais abalado....


como pode?


como alguem confunde tsunami com marolinha?

só uma anta !?

Anônimo disse...

O PARTIDO DO MENSALÃO E DOS DÓLARES NA CUECA — verdades factuais, assim como seus representantes PTralhas aloprados merecem perder as eleições em todos os lugares. Só assim o Brasil poderá mudar para melhor!

Anônimo disse...

Enquanto isso, na Argentina a PTralhada de lá só faz m...

Argentina | Cristina Kirchner propõe um novo confisco.
A Argentina, o "país onde nunca tantos fizeram tão pouco com tanto", inventou o keynesianismo contrário: lá é o mercado que salva o governo.

Anônimo disse...

A relação está no que diz Quintão: Lacerda e Marcos Valério são amigos.


Mensaleiro e aloprado
Por Expedito Filho e Alexandre Oltramari:
O empresário Marcos Valério Fernandes de Souza, o trem pagador do propinoduto petista no escândalo do mensalão, passou as últimas duas semanas atrás das grades. A temporada na cadeia não tem relação aparente com o esquema que o tornou famoso. Valério agora é apontado como o chefe de uma quadrilha, formada por advogados e policiais, que montou uma farsa para desmoralizar funcionários da Secretaria da Fazenda de São Paulo. De acordo com a investigação, que levou Valério e outras dezesseis pessoas para a cadeia, o operador do mensalão corrompeu policiais para abrir um inquérito fraudulento contra dois auditores fiscais que multaram a cervejaria Petrópolis em 105 milhões de reais. O objetivo de Valério com a desmoralização dos auditores seria tornar mais fácil o cancelamento da multa e, certamente, ganhar muito dinheiro com isso. Essa é a parte conhecida da história. Mas há um capítulo ainda inédito da trama: a maquinação, como não poderia deixar de ser, também tinha objetivos políticos. Ela pretendia envolver no escândalo o governador de São Paulo, o tucano José Serra.

Anônimo disse...

Convenhamos que o governo Lula está engolfado pela marolinha. Até parece coisa de bebum!

Anônimo disse...

Valeu FHC!
Brilhante e esclarecedora entrevista de FHC para a revista ÉPOCA. Mostra bem o grande Homem que ele é, e o bom Presidente que foi - com dignidade e respeitado no mundo. Por outro lado temos o Mulla: "O estilo do Lula é enganar". Este que previu uma marolinha: com certeza tinha bebido, pois hoje está atropelado pela marolinha. Ou era um tisunami e a pinga não lhe deixou ver direito ou era uma marolinha, mas bêbado foi derrubado!

Anônimo disse...

A Marolinha do Mulla Bebum:

''A atividade terá forte desaceleração''
Por Leandro Modé, no Estadão:
O economista José Roberto Mendonça de Barros está à frente da consultoria MB Associados há 30 anos. Nesse período, já vivenciou várias crises - internas e externas. A atual, diz ele, sem pestanejar, é a pior de todas. "É um negócio muito, mas muito grave o que está acontecendo no mundo e vai nos afetar", afirma. Segundo ele, há muita incerteza no horizonte, o que deveria fazer o Comitê de Política Monetária (Copom) do Banco Central (BC) ser cauteloso na reunião que começa na terça e termina na quarta-feira.

Qual a sua avaliação sobre o Copom desta semana?
Não tenho dúvidas de que o Copom deveria parar com a trajetória de elevação dos juros neste mês e no próximo. Há quatro razões para isso. Primeiro, estamos no meio de enorme volatilidade, está difícil avaliar o que vem adiante. A segunda é que estamos vivendo uma paralisia, uma morte súbita do crédito, como nunca se viu. Além disso, as poucas operações de crédito feitas têm taxas de juros muito elevadas. A última observação tem a ver com o nível do dólar. Os colegas que acham que os juros deveriam continuar subindo dizem assim: O dólar está muito alto, isso vai causar inflação, então temos de aumentar os juros. Deve ser ponderado o fato de que o dólar está muito volátil. A experiência mostra que a volatilidade não vira preço, ou seja, o empresário não tem o termômetro adequadamente funcionando e, na dúvida, não dá preço de forma definitiva. Ao mesmo tempo, há indicações claras de redução de demanda.

O balanço de riscos hoje é francamente pendente para uma forte desaceleração da atividade?
Exatamente isso. Veremos uma forte desaceleração na atividade econômica. Há três indícios bem objetivos que mostram uma redução brusca em ao menos alguns segmentos da demanda. Primeiro, saiu na quinta-feira o Índice de Confiança do Consumidor da FGV com uma forte piora. Segundo, os dados de consultas ao SPC mostram uma parada surpreendente. Em agosto deste ano, comparado com igual mês do ano passado, esse índice subiu 13,5%. Em setembro, a alta desacelerou dramaticamente para 0,2%. Na primeira quinzena de outubro, foi negativo em 0,4%. Além disso, temos a série da Fenabrave, que mostra que, na primeira quinzena de outubro, as vendas totais de veículos caíram 10,3%. Tem tudo a ver com crédito, mas tem outra coisa que também sugere cautela ao BC: a velocidade do ajuste da cabeça do consumidor. Isso tem muito a ver com o destaque que a imprensa dá à cobertura da crise, mas também ao uso de internet.

Anônimo disse...

Enquanto aqui temos eleições, lá na Colombia mais uma vez Oribe derrota os Ptralhas.

Colômbia:
Exército resgata ex-congressista que foi mantido refém das Farc durante oito anos - Óscar Tulio Lizcano foi resgatado hoje pelo Exército no noroeste do país e levado a um centro médico de Cali.

Anônimo disse...

Lá em SP:

TCHAU PTRALHAS.

ADEUS MARTAXA MAROLINHA.

Anônimo disse...

O PTralha da sombra:

Grampos da Polícia Federal mostram como o lobista Marcos Valério, conhecido como o operador do mensalão, mantém contatos em Brasília e no empresariado. E como ele ficou sabendo antes que ia ser preso.

Anônimo disse...

SANTO ANDRÉ: A DERROTA DO PT QUE MAIS DOEU ->
Se a derrota mais importante do PT é a que se deu na capital, a que mais doeu, vamos dizer assim, do ponto de vista simbólico, aconteceu em outro lugar: em Santo André, a cidade do prefeito assassinado Celso Daniel. Nos últimos anos, o partido, com força avassaladora, praticou uma espécie de canibalização dos outros partidos. Os moradores da cidade já não acreditavam que alguma outra legenda pudesse chegar à Prefeitura. Talvez votassem em massa no PT por uma espécie de automatismo entediado. E isso ficou claro no primeiro turno: o petista Vanderlei Siraque ficou a menos de dois pontos de se eleger então. Bastou, no entanto, que uma alternativa se mostrasse, e eis que os eleitores migraram para ela. Siraque foi derrotado de forma um tanto vexaminosa para o partido que tem uma máquina gigantesca na cidade. Dr. Aidan, do PTB, venceu por 55,03% contra 44,97%.

Anônimo disse...

Vamos desratizar o Brasil: fora PT!

Fora PTralhas!

Daqui pra frente: tudo vai ser diferente, vamos apagar o PT da vida da gente!

Anônimo disse...

Bom para Serra, ruim para o PT
O governador de São Paulo conquista uma vitória que pode ser significativa para o jogo de 2010. O partido do governo perde em todas as capitais que disputou. O Mulla e seu bando começam a dezir adeus. Aliás seu Governo (do Mulla) será na história apenas uma marolinha!

Anônimo disse...

Kassab supera Marta em mais de 1 mi de votos em São Paulo
A diferença de Kassab para Marta --de 1.338.031 de votos-- é mais do que o dobro da obtida pelo governador José Serra (PSDB) em 2004, quando ele derrotou a petista por pouco mais de 590 mil votos.

MARTAXA e LULLALALAU MAROLINHA NUNCA MAIS!

Anônimo disse...

Esse negócio de eu ser um espectador noturno do mundo tem lá as suas vantagens. Até a democracia sai ganhando, acho eu. Vejam vocês: eu estou acordado. Os meus colegas de VEJA, até onde sei, dormindo. O preço da liberdade é a vigilância 24 horas...

Acabo de apurar um troço preocupante. Mais uma vez, setores da Polícia Federal vão atrás do mensageiro, e não da mensagem. Eles agora se dão ao desplante de “investigar” o trabalho do correspondente da VEJA em Belo Horizonte, José Edward. O processo 2008. 41.00.004219-8, conduzido pela Superintendência do órgão em Rondônia e que corre em segredo de Justiça na Segunda Vara Federal daquele estado, tenta descobrir as fontes que o jornalista usou para produzir a reportagem “Seqüestro Fajuto” (link abaixo), publicada por VEJA em abril.

Nela, Edward afirma que o procurador federal Reginaldo Trindade participou de uma farsa ao dar a impressão de que fora seqüestrado, juntamente com um funcionário da ONU, por índios cintas-largas, de Rondônia, no fim do ano passado. A reportagem foi documentada por fotos e também por vídeos no site de VEJA. Neles, os “seqüestrados” agradecem emocionados a recepção, os churrascos e as festas oferecidas pelos cintas-largas. Outros vídeos mostravam que o procurador também era conivente com a exploração ilegal de madeira na reserva dos índios suruí.

A investigação da Polícia Federal foi solicitada por Trindade. Em 1º de maio, feriado do Dia do Trabalho, ele pediu aos seus colegas do Ministério Público que abrissem uma representação criminal para apurar as fontes de Edward. Onze dias depois, um despacho do procurador Francisco Marinho determina ao delegado federal Mauro Sposito que descubra se Edward foi a Rondônia apurar a matéria e com quem ele falou. Para isso, orienta Sposito a obrigar as empresas aéreas a informar se o repórter comprou passagens para Rondônia e aventa a possibilidade de quebrar seu sigilo telefônico. No dia 29 do mesmo mês, uma portaria de outro delegado, Leopoldo Soares Lacerda, abre o inquérito que investiga Edward por “denunciação caluniosa” e “formação de quadrilha”. Inacreditável! Há muita coisa estranha nessa “investigação”.

A primeira: a Polícia Federal quer revelar fontes de jornalistas, cujo sigilo é resguardado pela Constituição e é uma das bases da liberdade de imprensa.

A segunda: a Polícia Federal “investiga” o jornalista por calúnia, e não o procurador, contra o qual pesam os vídeos, fotos e documentos mencionados na reportagem. A portaria assinada pelo delegado Leopoldo Soares Lacerda diz textualmente que seu objetivo é apurar a “publicação de falsas notícias”. Quais falsas notícias, cara pálida?

A terceira: o delegado Leopoldo Soares Lacerda diz em seu texto que atende pedidos de apuração oriundos do Supremo Tribunal Federal, mas o procurador não tem direito a foro nessa corte. Lorota.

Enquanto a PF faz o papel de polícia política contra quem ousa denunciar maracutaias, o caso do dossiê fajuto contra os tucanos — aquele dos “aloprados” do PT — permanece sem indiciados desde 2006 e ninguém investiga facilidades concedidas por um banco público a uma ratazana do jornalismo marrom.

Anônimo disse...

AÉCIO NEVES – Como??? Márcio Lacerda ganhou, Reinaldo!" É, mas o governador saiu do processo menor do que entrou, a despeito de sua impressionante capacidade de fazer malabarismos verbais repetidos pelo Partido dos Colunistas. Os solavancos da eleição em Belo Horizonte evidenciaram o artificialismo da aliança PSDB-PT. Longe de ser um exemplo para o Brasil, provou que é temerária até mesmo em Minas. O PSDB perdeu prefeituras no Estado em vez de ganhar. O exotismo eleitoral de BH fez Aécio passar por três fases:
A – “Aqui está a novidade do pós-Lula”;
B – “Admito que não deu certo”;
C – “Aqui está a novidade do pós-Lula” — de novo.
A última leitura, digamos, exótica que seu grupo espalha é que ele ajudou a destruir o PT de Minas. Excesso de malabarismo retórico deixa potenciais aliados um tanto assustados. Ademais, ajudou a fortalecer o PMDB.

Anônimo disse...

O PCB, o Partido dos Comentaristas Brasileiros, previa, como vocês sabem, que Lula esmagaria os adversários na disputa. Aí se descobriu que a tese era mentirosa, como sempre se disse aqui. O PT ficou longe das almejadas 700 prefeituras — elegeu 558, 230 a menos do que o PSDB — e, nas regiões Centro-Oeste, Sul e Sudeste, fez apenas o prefeito de uma capital: Vitória. No Nordeste, duas: Fortaleza e Recife. E as outras três foram conquistada na região Norte: Rio Branco, Porto Velho e Palmas. Aí o PCB mudou de rumo: de súbito, então, a eleição municipal já não queria dizer mais nada — só teria especial significado se Lula ganhasse...
Sim, a eleição quer dizer alguma coisa. Não exatamente a tal antecipação de 2010. Marta, se vocês observarem, teve, no conjunto dos votos, aquilo que o PT sempre tem na cidade de São Paulo: um terço do eleitorado — e ela perdeu eleitores na comparação com 2004 nos dois turnos. E um terço não quer nem ouvir falar do partido. O outro pode pender para qualquer lado. Pendeu esmagadoramente para Gilberto Kassab porque, vejam só!, ele faz uma gestão virtuosa na cidade, as razões de sua vitória: 110 AMAs, dois hospitais, asfaltamento etc.
Mas é evidente que a população de São Paulo, que aprova, majoritariamente o governo Lula, sabia que não votava no PT; sabia que votava nos dois — ou três, já que o PPS se juntou no segundo turno — partidos que se opõem ao presidente. E a legenda de Kassab o faz, na esfera federal, com especial dureza. Não, não quer dizer que vá votar necessariamente contra o candidato do presidente Lula em 2010 — eu realmente acho que aquela é outra eleição e que o potencial de transferência de voto, quando se trata de cargo idêntico, é maior.
A população de São Paulo rejeitou o que eu chamaria, aqui, de uma espécie de tutela ideológica, que esperava que ela abandonasse os dados da realidade para se fixar em artificialismos puramente ideológicos ou valorativos. Ele deveria esquecer, então, as AMAs, os hospitais, o Remédio em Casa, o Mãe Paulistana, as duas professoras em sala, o Cidade Limpa. Tudo em nome de abstrações e demonizações propostas pelo PT, a saber:
A – “Não nos contentamos com pouco”;
B – “Não vote no DEM; esse partido está acabando”;
C – “Você não conhece Kassab” (como não, se a Prefeitura do homem atingia aprovação inédita?);
D – “Ele é casado e tem filhos?”
E – E, claro, o maior de todos os fatores que procuravam tirar o eleitor do mundo real para empurrá-lo para esse universo só das idéias atendia pelo nome de Lula.
Sim, ele entrou de cabeça na eleição paulistana, à diferença do que se diz por aí. No primeiro turno. No segundo, já procurou manter certa distância. Gilberto Carvalho, seu braço direito, ainda tentou o socorro, mas constatou que era inútil e se arrancou antes do fim do jogo. No debate da Globo, como escrevi aqui — aquele em que só Nelson de Sá, da Folha, viu a esmagadora vitória de Marta —, a petista estava sozinha.
É assim que São Paulo:
- rejeitou a baixaria;
- rejeitou a tutela do presidente Lula;
- rejeitou a arrogância do petismo;
- rejeitou uma eleição baseada só num conjunto de sensações;
- rejeiutou a vergonhosa exploração que se tentou fazer da greve da Polícia Civil e da tragédia de Santo André.
Claro, fosse a cidade um "bolsão do bolsismo", com o carente contentando-se em receber a sua ração mensal — e foi em áreas assim que o PT obteve boa parte do seu êxito —, talvez as coisas fossem diferentes. Mas até quem, em São Paulo, recebe Bolsa Família sabe que tem de se virar para complementar o ganho. O Lula Messias, o Lula Salvador, o Lula Doador, tem importância muito reduzida na cidade e no Estado. E, se vocês pensarem bem, esse modelo não chega a ser mesmo um prodígio eleitoral — mesmo hoje, com a economia “bombando”, como diz Marta (os efeito da crise ainda não chegaram à base).

rosena disse...

Fernando adorei a vitória de kassab em sp. só lamento o gabeira ter perdido no Rio para um sujeito tão desprovido de caráter como o tal paes. Nem tudo é perfeito não é?

Anônimo disse...

Serra, individualmente, é o maior vitorioso; Lula, Marta e Dilma saem perdendo.

Anônimo disse...

Afif diz que vitória de Kassab é como ganhar de time argentino.

da Folha Online

O coordenador do programa de governo do prefeito reeleito de São Paulo Gilberto Kassab (DEM), Guilherme Afif Domingos, disse que a vitória do democrata sobre a petista Marta Suplicy é como ganhar de um time de futebol argentino, informa Fernando Barros de Mello no blog Campanha no Ar.

Segundo o blog, Afif disse que os petistas "jogam sujo, dão caneladas e cusparadas. E a gente ganha na bola".

A comparação feita por Afif é em referência aos programas eleitorais do PT que exploraram a vida pessoal do prefeito e questionaram se ele era casado e tinha filhos.

Kassab foi reeleito ontem com 60,72% dos votos válidos. Marta terminou a disputa com 39,28% do eleitorado.