segunda-feira, outubro 20, 2008

AÇÃO DESASTRADA

AÇÃO DESASTRADA

Uma ação policial anti-sequestro, da qual os reféns não saem ilesos, mesmo que resulte na prisão do seqüestrador, nunca pode ser considerada "vitoriosa". O que aconteceu em SP no final da última semana mostra como a polícia está despreparada para lidar com esse tipo de ação criminosa. Uma sucessão de erros estratégicos resultou na morte da adolescente Eloá e ferimentos em Nayara, e provou, mais uma vez, que a polícia brasileira não está preparada para esse tipo de ação. O circo armado por policiais ,imprensa, e curiosos em frente ao prédio onde Lindemberg mantinha duas adolescentes sob a mira de um revólver, não indicava outro desfecho que não o da tragédia anunciada.

Para a maioria dos observadores, o rapaz chegou à atitude extrema devido a ação precipitada e desastrada da polícia. Por seu turno, as autoridades policiais se defendem, afirmando que o GATE somente decidiu invadir após ouvir um tiro no interior do apartamento .Os indícios, entretanto, apontam para outro caminho: o de que o sequestrador tomou a atitude tresloucada após se sentir acuado pela presença da polícia no interior do apartamento, quando da explosão de uma bomba, na tentativa de arrombar a porta.

As autoridades do Estado e o próprio governador José Serra, tentam se isentar da responsabilidade e atribuem ao “desequilíbrio do seqüestrador” o final trágico do incidente. Atribuir a morte da refém ao desequilíbrio de Lindemberg seria uma justificativa cômica se não fosse trágica, pois o comportamento equilibrado seria uma das últimas virtudes a se esperar de um jovem que seqüestra duas adolescentes e as mantêm cativas por uma semana. Justamente por isso, exige-se da polícia um comportamento oposto, ou seja, que ajam com determinação, mas com prudência e bom senso. E, sobretudo, com inteligência.

Tal comportamento, talvez, exigisse a evacuação da área em frente ao local do cativeiro, a redução da presença ostensiva de policiais no local,e a retirada da imprensa e dos curiosos. Mas, sobretudo, exigiria muita paciência e muita precisão no momento do desfecho da ação. O que se viu ao longo da semana passada, foi o contrário: foi um show de exibicionismo onde a integridade das vítimas parecia ser o que menos importava, e que culminou com a grotesca decisão de permitir que a jovem Nayara retornasse ao local um dia depois ter sido libertada pelo sequestrador.

A polícia paulista provavelmente tem em seu currículo o registro de sucesso em muitas empreitadas anti-sequestro anteriores. Mas no caso presente agiu de modo precipitado, e errou de maneira primária.Se não quiser ficar pior do que já está nesse caso, o governo deve reconhecer o erro, dar satisfações à sociedade, pedir desculpas e indenizar às famílias das vítimas.
201008

9 comentários:

souza disse...

Se o Lindemberg tivesse cometivo crime semelhante no Japão, quando completou cem horas da ocorrência, ele estaria completando 48 que havia sido sepultado.
Aqui tem "direitos humanos" para TV. Tudo tem que ser feito bem bonitim. Se as vítimas morreram, terá sido uma "acidente operacional".
Um nojo, que nos embrulha o estômago.
O sequestro poderia ter sido encerrado quando o mocinho apareceu de cara limpa pelo vitrô da janela do apartamento. Alguém amarelou, e me arrisco a dizer que foi o atirador (de elite) ou o resposável pela ordem do tiro. O fato é que foi uma grande patuscada com saldo negativo para todo mundo

Anônimo disse...

O que está gerando a indecisão da polícia é a "esquerdopatia grave" que tomou conta da imprensa, dos direitos humanos e de muitos outros que,como você,criticariam os policiais sem dó,caso tivessem matado um rapaz sem antecedentes criminais.Vamos relembrar a invasão da reitoria da USP por "alguns"estudantes,sindicalistas, etc.Aprontaram a maior quebradeira,roubaram,desrespeitaram ordem judicial para abandonar a reitoria....caso a polícia tivesse agido de acordo com a lei(deveria)vcs estariam criticando quem? Ah,é lógico que toda a culpa recairia sobre os policiais,né? A verdade é que,infelizmente,a polícia está acuada,diante de um governo e de uma sociedade que defende a bandidagem.

Anônimo disse...

Ação desastrada:

Kassab se afastou de Pitta, mas que Marta continua com mensaleiros.

Anônimo disse...

A IMPRENSA TEM O DEVER DE NOTICIAR O DESEMPENHO DO GATE. E ELE ESTÁ AQUI
Olhem aqui, eu estou entre aqueles que acreditam que o GATE também cometeu erros na operação que resultou na morte da garota Eloá: o mais óbvio, parece-me, foi ter, quando menos, criado as condições para que a outra garota, Nayara, voltasse à cena do cativeiro. Ainda que a equipe tenha considerado que ela era uma interlocutora útil, os devidos cuidados deveriam ter sido tomados para que não voltasse ao cativeiro. De todo modo, esse episódio não teve influência no desfecho trágico, convenha-se. Sim, que se apontem os erros. Mas tratar o GATE, agora, como um bando de trapalhões e incompetentes é injusto e, lamento dizer, só reforça a boca torta pelo uso do cachimbo. A imprensa não gosta da Polícia — isso é histórico. A simpatia pode crescer um pouco quando ela se armam e se junta a sindicalistas para fazer baderna, “companheiro”... Será mesmo o GATE tão incompetente? Em quantos casos de seqüestros dessa natureza a equipe já se envolveu? Qual é o seu saldo? É positivo? É negativo? Quais são os números? Pois eu tentei saber.

Sabem quantos foram os reféns mortos em operações mediadas pelo GATE de 1998 até hoje? APENAS DOIS! Em 2006, um marceneiro prendeu em sua loja a amante e a mulher. Acabou libertando a segunda, matou a primeira e se suicidou. Antes que a polícia pudesse fazer qualquer coisa. E temos, agora, o caso Eloá.

Só neste ano, o GATE atendeu 18 ocorrências — em 12 delas, os seqüestradores eram pessoas emocionalmente perturbadas; os demais eram criminosos comuns. Vinte e cinco seqüestradores foram presos (incluindo Lindemberg), e dois se suicidaram. NADA MENOS DE 47 REFÉNS FORAM LIBERADOS ILESOS SÓ NESTE ANO.

Numa entrevista ao Fantástico ontem, um brasileiro apresentado como instrutor de uma unidade da SWAT, apontou os muitos erros do GATE e chegou a dizer que “sente vergonha” dessa polícia. E indicou ali, depois do fato, claro, o que considerava os muitos procedimentos que deveriam ter sido adotados.

Não, não temos que endossar ou desculpar os eventuais erros do GATE. É preciso apontá-los — até para que sejam corrigidos, tomando o cuidado para não confundir filmes sobre a SWAT com operações da SWAT real. Será mesmo que os índices das unidades da polícia americana são superiores aos do GATE? Aposto que não.

Corrijam-se os erros. Mas, como brasileiro e paulista, eu tenho ORGULHO do desempenho do GATE nos últimos 10 anos, e não vergonha.

Faço minhas as palavas do Reinaldo Azevedo, no mínimo, porque a verdade e justiça merecem maiores investigações para não parecermos apenas "engenheiro de obras prontas", se é que me entendem.

Anônimo disse...

Governo federal incita a baderna em São Paulo
Leiam o que vai abaixo. Volto depois:
Por Ana Luísa Westphalen, da Agência Estado
Entidades sindicais que representam os policiais civis do Estado de São Paulo se reúnem na terça-feira, 21, com o ministro da Justiça, Tarso Genro, para discutir sobre a greve da Polícia Civil. O encontro está marcado para as 11h30, no Ministério da Justiça, em Brasília. A informação foi divulgada pelo presidente da Força Sindical, o deputado federal Paulo Pereira da Silva, o Paulinho e pelo secretário-geral da Força Sindical, João Carlos Gonçalves, o Juruna.
A categoria negocia há seis meses com o governo estadual, e pede reajuste salarial de 15% para este ano, 12% de correção em 2009 e outros 12% em 2010. O governo do Estado propôs um reajuste único de 6,2%.
Policiais civis devem fazer uma nova manifestação na quinta-feira, 23, em todo o Estado de São Paulo. A data do novo protesto foi decidida durante uma reunião na manhã desta segunda-feira, 20, entre entidades da Polícia Civil de São Paulo. Os policiais civis estão em greve desde o dia 16 de setembro e as negociações com o governo do Estado estão paralisadas desde a última quinta-feira, 16, quando policiais civis e militares se enfrentaram nas proximidades do Palácio dos Bandeirantes.
Os representantes dos sindicatos da categoria voltam a se reunir no próximo dia 27, às 10h30, na Associação dos Investigadores para discutir o rumo da greve. "Esperamos que alguém do governo nos chame em busca de uma possibilidade de uma proposta decente", comenta Leal, "estamos dispostos a negociar", finaliza.
Na semana passada, a intenção dos policiais civis de ir até ao Palácio dos Bandeirantes, sede do governo paulista, para forçar a retomada de negociações com o governo, terminou em confronto com policiais militares. Pelo menos 23 pessoas ficaram feridas no confronto.

Comento
Atenção! Essas lideranças que serão recebidas pelo ministro Tarso Genro promoveram, na semana passada, uma manifestação de policiais e sindicalistas que compareceram armados ao ato. Um deles disparou contra um policial, ferido durante a baderna. Não foi um confronto entre polícias. Qual seria a reação de Genro se homens da Polícia Federal fizessem o mesmo? E o governo de São Paulo impõe uma única condição para negociar: o fim da greve, o que é muito razoável em se tratando de servidores armados. O mediador do encontro não poderia ser melhor: Paulo Pereira da Silva, cabo eleitoral de Marta Suplicy e deputado ameaçado de cassação.

No fim de semana, Lula disse que o governador José Serra cometeu uma heresia ao acusar a politização da greve e a influência do PT, da Força Sindical e da CUT. Os eventos em curso o provam. Inicialmente, o próprio Lula se viu tentado a falar com os policiais. Consideraram que aí já seria demais. Então vai o inefável Tarso Genro — sim, o ministro de mão cheia. Dá no mesmo. Ministros falam pelo presidente.

É o governo federal incentivando a baderna em São Paulo. Vocês vão ver: Tarso vai querer se oferecer como “mediador”, achando que isso não tem nada demais, como se falássemos de um confronto entre duas forças legítimas: de um lado, o governo estadual; de outro, homens armados promovendo arruaça. Eis os petistas. Se bem se lembram, o Brasil já se ofereceu como mediador até entre os narcoterroristas das Farc e o governo democrático da Colômbia. Para esses valentes, são dois lados legítimos de um confronto.

Lula já deu início à batalha de 2010. E ela comporta a arruaça armada.


Por Reinaldo Azevedo

Anônimo disse...

A VACA JÁ FOI PRO BREJO
Henrick e Ruan

Mundo velho está perdido
Já não endereita mais
Os filhos de hoje em dia já não obedece os pais
É o começo do fim
Já estou vendo sinais
Metade da mocidade estão virando marginais
É um bando de serpente
Os mocinhos vão na frente, as mocinhas vão atrás...

Pobre pai e pobre mãe
Morrendo de trabalhar
Deixa o coro no serviço pra fazer filho estudar
Compra carro a prestação
Para o filho passear
Os filhos vivem rodando fazendo pneu cantar
Ouvi um filho dizer
O meu pai tem que gemer, não mandei ninguém casar...

O filho parece rei
Filha parece rainha
Eles que mandam na casa e ninguém tira farinha
Manda a mãe calar a boca
Coitada fica quietinha
O pai é um zero à esquerda, é um trem fora da linha
Cantando agora eu falo
Terrero que não tem galo quem canta é frango e franguinha...

Pra ver a filha formada
Um grande amigo meu
O pão que o diabo amassou o pobre homem comeu
Quando a filha se formou
Foi só desgosto que deu
Ela disse assim pro pai: "quem vai embora sou eu"
Pobre pai banhado em pranto
O seu desgosto foi tanto que o pobre velho morreu...

Meu mestre é Deus nas alturas
O mundo é meu colégio
Eu sei criticar cantando: Deus me deu o privilégio
Mato a cobra e mostro o pau
Eu mato e não apedrejo
Dragão de sete cabeças também mato e não alejo
Estamos no fim do respeito
Mundo velho não tem jeito, a vaca já foi pro brejo...

Anônimo disse...

Empresário Arthur Sendas morre baleado no Rio; polícia suspeita de ex-funcionários
Publicidade
Colaboração para a Folha Online, no Rio

O empresário Arthur Sendas, 73, morreu na madrugada desta segunda-feira após ser baleado na cabeça em seu apartamento, na zona sul do Rio. A Polícia Civil vai investigar se houve participação de funcionários do empresário no caso.

Anônimo disse...

Pai de Eloá, foragido da Justiça de Alagoas, foge de hospital
Por Eduardo Reina, no Estadão On Line:
O pai de Eloá é foragido da Justiça de Alagoas desde 1993 por envolvimento na "gangue fardada" e roubo de carga. Segundo o delegado-geral de Alagoas Marcílio Barenco, Everaldo Pereira dos Santos tem quatro mandados de prisão e é foragido da Justiça desde 1993 por envolvimento no assassinato do delegado Ricardo Lessa, irmão do ex-governador Ronaldo Lessa (PDT). Aldo, como é conhecido o pai da garota em São Paulo, só foi visto quando passou mal durante o seqüestro e foi atendido por uma equipe do Serviço de Atendimento Móvel de Urgência (Samu).
Ricardo era o segundo homem mais importante da Secretaria de Segurança Pública de Alagoas. O crime ocorreu em 1991, no bairro de Bebedouro, em Maceió. Além do delegado, foi morto também seu motorista Antenor Carlota. O pai da menina estava se apresentando como Aldo José da Silva. A família de Eloá não comentou o assunto. O pai da menina não participou do enterro da filha, na manhã desta terça-feira, 21, pois estaria passando mal. No entanto, as primeiras informações apontam que ele fugiu do hospital onde era atendido. A Polícia Civil de São Paulo já teria recebido os mandados de prisão expedidos pela Justiça de Alogoas, no entanto, a Secretaria de Segurança Pública (SSP) ainda não tem informações sobre o caso.
O promotor de Justiça Luiz Vasconcelos, que atua na 9ª Vara Criminal, disse que Everaldo sido expulso da PM por envolvimento na "gangue fardada", responsável por vários crimes de pistolagem, roubos de carros e assaltos em Alagoas, sob o comando do ex-tenente-coronel Manoel Cavalcante, que está preso no presídio militar do Rio de Janeiro.
Além do ex-cabo Everaldo e do ex-tenente-coronel Cavalcante, figuram como réus no processo do caso Rircado Lessa: Valdomiro dos Santos Barros, Valmir dos Santos, José Carlos de Oliveira, José Luiz da Silva Filho, Aderildo Mariz Ferreira, Cicero Felizardo dos Santos, Edgar Romero de Morais Barros. Segundo o promotor Luiz Vasconcelos, contra Everaldo consta inclusive um mandado de prisão reeditado em 21 de julho de 2008, pelo juiz Geraldo Amorim, da 9ª Vara Criminal do Fórum de Maceió, a respeito do assassinato de Ricardo Lessa.
"O trabalho da Justiça foi feito, foi expedido um mandado de prisão, agora cabe à polícia cumprir a parte dela, entrando em contato com São Paulo para confirmar se esse Aldo é mesmo ex-cabo Everaldo", afirmou Luiz Vasconcelos, acrescentando ainda que tomou conhecimento que a família do ex-cabo Everaldo teria confirmado que o ex-militar seria o pai da garota Eloá. "Por isso que o pai não queria aparecer, só a mãe da garota aparecia. Como não compareceu ao velório, pode ser até que esteja foragido de novo", acrescentou o promotor.
Everaldo Pereira residia em Maceió, mais precisamente na Rua São Félix, no bairro do Vergel do Lago, quando deixou a capital alagoana com a família e seguiram para o ABC paulista.

Brasil Empreende disse...

Infelizmente esse caso terminou desta forma...
seu blog é um barato e gostaria de convidar para acessar o meu também, participar da enquete do caso "eloá" e conferir a postagem desta semana: “Frankfurter Buchmesse: “Turquia em todas as suas cores”.”
Sua participação será um grande prazer para nós
Acesse: www.brasilempreende.blogspot.com
Atenciosamente,
Sebastião Santos.