terça-feira, setembro 23, 2008

VIOLÊNCIA CORROSIVA

Mas a aplicação de uma estratégia eficaz de combate ao crime exige decisão política, o que significa priorizar e redirecionar recursos orçamentários de outras áreas para a guerra contra o crime. Quantas autoridades públicas, a começar pelo presidente Lula, estarão dispostas a abrir mão de recursos destinados a suas áreas de interesse e aos seus currais eleitorais?

VIOLÊNCIA CORROSIVA

Os números de um levantamento financiado pelo governo suíço sobre a violência no mundo são alarmantes. A pesquisa revela que no Brasil ocorrem, em média, 48600 mortes por ano, provocadas pela violência. O que coloca o país no topo do ranking mundial, superando países como a África do Sul ( 13328 mortes/ano ), Colômbia( 18111 mortes/ano ), Turquia ( 6573 mortes/ano ) e Guatemala ( 5 338 mortes/ano). No dia 11 de setembro o estudo foi divulgado em Genebra, na presença do Ministro da Justiça , Tarso Genro. Considerando que a pesquisa revelou que 490000 homicídios ocorrem anualmente em áreas fora de conflito, conclui-se que somente o Brasil é responsável por 10% desse número.

Para Keith Krause, autor do relatório, a situação de violência no Brasil é “corrosiva”, representando “um sério empecilho ao desenvolvimento do país”.E está coberto de razão.De fato, a violência ultrapassou, há muito, a fronteira do suportável, e ganha a proporção de uma metástase incontrolável, que corrói o tecido social, degrada as instituições políticas, e afugenta os investimentos. Os frios números do estudo feito não levam em conta, nem poderiam, a sordidez e a crueldade com que grande parte desses crimes são praticados.

Os especialistas do tema, na maioria das vezes, divergem sobre as raízes desse mal, mas algumas delas já se tornaram consensuais: a degradação cada vez maior das condições sociais da maioria da população, o que leva a proliferação de favelas e de bairros periféricos completamente desassistidos pelo poder público; o fraco crescimento da economia, gerando o desemprego, o alcoolismo e o uso abusivo de drogas; o enfraquecimento dos valores éticos e morais, a ineficiência dos órgãos públicos de repressão e da Justiça.

Quanto aos remédios para se atacar o mal, de forma que ela se reduza , ao menos em níveis civilizados, existe o consenso sobre a necessidade de se conjugar medidas repressivas com políticas sociais efetivas, em especial no campo da educação. Tem que haver um aumento extraordinário dos investimentos no setor da segurança pública, de tal forma que tenhamos uma polícia tão eficiente quanto imune à corrupção. Tem que se multiplicar por mil os investimentos no setor da educação, de tal forma que a Escola passe a ser, pela qualidade do ensino, um ambiente que assegure ao jovem a perspectiva de um futuro de trabalho, conhecimento e cidadania. Hoje, a escola pública é pouco mais do que um depósito de crianças e adolescentes, o que faz com que os jovens das camadas mais pobres da população se tornem presas fáceis do tráfico e da criminalidade.

O combate à violência está a exigir, portanto, um esforço concentrado das três esferas da administração, pública – Federal, Estadual e Municipal -, e dos três poderes da federação – Executivo, Legislativo e Judiciário – e caberia ao principal líder da Nação, o Presidente da República, o dever de propor um plano no sentido de reverter o quadro.

Mas a aplicação de uma estratégia eficaz de combate ao crime exige decisão política, o que significa priorizar e redirecionar recursos orçamentários de outras áreas para a guerra contra o crime. Quantas autoridades públicas, a começar pelo presidente Lula, estarão dispostas a abrir mão de recursos destinados a suas áreas de interesse e aos seus currais eleitorais?

Infelizmente, enquanto as autoridades públicas se mostram desarticuladas, indecisas, apáticas e ausentes, a violência assume as proporções de uma calamidade nacional, retarda o desenvolvimento, e faça com que o Brasil permaneça no vergonhoso hall da fama internacional, como o campeão de homicídios em tempos de paz.
230908


7 comentários:

Renato disse...

Fernando
Tudo, mas tudo mesmo!, que precisa ser feito no Brasil não será feito. E por uma razão muito simples: temos no comando do país um sujeito completamente despreparado para a função. Um sujeito que somente pensa nele e nos seus protegidos. Um sujeito que somente sabe fazer discursos demagógicos e ficar viajando pelo mundo. Enquanto esse sujeito for o chefe da nação, nada de importante e ugente será feito, e a violência correrá solta.

rosena disse...

Fernando, o Tarso genro precisa avisar o Lula. Para Lula não existe violência, o Brasil é o mais perfeito d mundo e nem a crise dos Estados Unidos vai nos afetar. Tb o presidente não vive como todos nós pobres mortais, não é?

Anônimo disse...

O que falta no Brasil não são leis. Aqui as leis não são cumpridas e ninguém é punido. Veja p exemplo a tal Lei Seca. Alguém ainda se lembra dela?

Anônimo disse...

O governo de Ana Júlia Carepa (PT-PA), eleito com apoio de movimentos sociais ligados à questão agrária, promoveu a cabos soldados que participaram do massacre de Eldorado do Carajás. A Polícia Militar não soube informar o número, mas uma associação de policiais afirmou que "entre 87 e 90" foram beneficiados.

O conflito entre policiais militares paraenses e sem-terra, ocorrido em abril de 1996 em uma região próxima a Parauapebas (PA), levou à morte de 19 trabalhadores rurais e deixou mais de 60 feridos. Ele é considerado um marco do conflito fundiário brasileiro.

Anônimo disse...

PTralha Aloprada, a cada 3 meses uma m...:

O governo de Ana Júlia Carepa (PT-PA), eleito com apoio de movimentos sociais ligados à questão agrária, promoveu a cabos soldados que participaram do massacre de Eldorado do Carajás. A Polícia Militar não soube informar o número, mas uma associação de policiais afirmou que "entre 87 e 90" foram beneficiados.

O conflito entre policiais militares paraenses e sem-terra, ocorrido em abril de 1996 em uma região próxima a Parauapebas (PA), levou à morte de 19 trabalhadores rurais e deixou mais de 60 feridos. Ele é considerado um marco do conflito fundiário brasileiro.

Anônimo disse...

PTralhas são todos iguais: aloprados, analfabetos, manipuladores, mentirosos, franco-atiradores, besta-fera, malucos, infiltradores, dedo-duro, chantagistas, ditadores, cerceadores da liberdade alheia, incomPTentes, inePTos, inescrupulosos, injustos, querem a lei manipuladas pra si e injusta aplicadas a seus adversários, odeiam democracia, etc. Vai um exemplo abaixo:


Tarso e a liberdade de imprensa
O ministro da Justiça, Tarso Genro, é capaz de muitos prodígios. Vejamos:

"Quanto te esperei e quanto sêmen
inútil derramei até o momento"

São versos de sua autoria, feitos com as próprias mãos. Na prosa, ele também deixa a imaginação correr solta. Um de seus livros chama-se Lênin, Coração e Mente. Como já observe aqui, nunca ninguém tinha achado antes coração no assassino contumaz, de mente obviamente perturbada. Tarso achou. Talvez se referisse ao fuzilamento da família imperial, incluindo as crianças — sabem como é: o humanismo revolucionário se faz é na base da bala. Ou aos milhões de mortos do regime que ele criou.

A VEJA desta semana traz um texto de Fábio Portela sobre o projeto que o valente enviou ao Congresso. Ele pune com cadeia o jornalista que divulgar o conteúdo de grampo. Tarso acha que o negócio é cortar a cabeça do mensageiro. Já escrevi a respeito dessa bobagem e expliquei por que isso é inconstitucional. Ocorre que Tarso não se emenda. Informa VEJA: “Para Genro, a democracia jamais será boa o suficiente sem uma pitada de ditadura. ‘Uma sociedade humanizada só será realizada na sua plenitude quando o engenho humano unificar democracia e socialismo’, escreveu ele em março, em artigo destinado a rever o ‘legado de Lênin’, o tirano bolchevique, teórico e prático do terror como um braço do estado."

Pois é... Tarso é autor ainda destes versos, cheios de graça infantil:

"A vovó Cacilda parecia uma patinha
e a vovó Julica elétrica e risonha
conversava com lagartos"

E o neto, como se constata, conversa com os dinossauros.


Por Reinaldo Azevedo

Anônimo disse...

ESTADO POLICIAL DO BRASIL:

GESTAPO DO LULLA-LALAU-NAZISTA-STALINISTA-PTÓQUIO vejam:



Para PF, Abin teve mais que 56 agentes na Satiagraha ->

02/10/2008 - 09h42 - da Folha Online

O inquérito da Polícia Federal que investiga o grampo ilegal de conversa entre o presidente do STF (Supremo Tribunal Federal), Gilmar Mendes, e o senador Demóstenes Torres (DEM-GO) constatou que um número superior ao de 56 agentes, divulgado pela Abin (Agência Brasileira de Inteligência), trabalhou na Operação Satiagraha, informa nesta quinta-feira reportagem de Felipe Seligman e Lucas Ferraz, publicada pela Folha (íntegra disponível para assinantes do UOL e do jornal).

Segundo a reportagem, sem fechar com precisão o total de servidores, os delegados Wiliam Morad e Rômulo Berredo, responsáveis pelo inquérito, concluíram também que, além de monitorar os investigados com fotos, os agentes acessaram e manusearam transcrições de grampos.

A Folha informa que as imagens estão com os delegados. Ontem, data em que o inquérito deveria ser concluído, o diretor-geral da PF, Luiz Fernando Corrêa, se reuniu com Mendes no STF. Ambos não falaram sobre o teor do encontro. Morad e Berredo encaminharam o inquérito à Justiça Federal e solicitaram a prorrogação do prazo, já que os primeiros 30 dias foram insuficientes para se confirmar se de fato o grampo existiu e o suposto autor.