terça-feira, julho 08, 2008

O REINO POLÍTICO DA UNIVERSAL


O fato é que através da candidatura do senador ao comando da segunda cidade do país, a IURD dá um passo importante no sentido de ser, de fato, num curto espaço de tempo, uma força política hegemônica. Amparada pelo amplo império das comunicações – que objetiva desbancar a hegemonia da Globo - , e sustentada pelos dízimos arrecadados, com astúcia e agressividade, de uma multidão de fiéis que lotam os seus cada vez mais luxuosos templos, a IURD se lança numa empreitada audaciosa que poderá, ao final, consagra-la como uma poderosíssima força política , econômica e religiosa.

O REINO POLÍTICO DA UNIVERSAL

A presença de tropas do Exército no morro da Providência para dar “proteção “ a um projeto de caráter eleitoreiro patrocinado pelo senador Marcelo Crivella- fato que foi o pano de fundo do assassinato de três jovens por traficantes -traz à tona o poder crescente da Igreja Universal do Reino de Deus . A maneira como o senador, um dos comandantes e mentores políticos da Igreja, transitou nos altos escalões da República para solicitar a presença de soldados do Exército na favela, e a presteza com que foi atendido, confirma a enorme força política da Universal no governo Lula da Silva. O imbróglio envolvendo Crivella, o Exército e traficantes do Rio, revela apenas a ponta do iceberg de um amplo e complexo processo envolvendo a IURD e o poder político no Brasil.

O senador Marcelo Crivella (PRB-RJ) é hoje a personalidade política mais visível da Universal no Congresso.Mas o número de deputados e senadores que constituem a chamada bancada evangélica é crescente. Sua atuação não se limita apenas a servir de importante base de apoio ao governo Lula, mas principalmente na defesa do conservadorismo em questões que envolvem moral e costumes, tais como o combate sistemático aos projetos de legalização do aborto, da união civil entre pessoas do mesmo sexo, e do desenvolvimento de pesquisas com células tronco.Além da defesa dessas causas que são comuns aos evangélicos, a IURD tem atuado com muito mais presteza na defesa dos seus interesses particulares , ou seja, a expansão da Igreja e do seu grande império de telecomunicações.

Há muito se tem questionado a maneira relativamente rápida com que essa instituição religiosa ou empresa, que começou como uma pequena seita evangélica nos anos setenta, ascendeu ao topo do poder econômico e religioso. Há muito se questiona a maneira como o seu principal líder, Bispo Edir Macedo, alcançou a posição invejável de magnata da indústria de comunicações, proprietário de dezenas de emissoras de rádio, canais de TV, jornais, gravadoras e editoras.

Para quem não se lembra, no início dos anos noventa, ainda sem respaldo político, Macedo foi preso sob a suspeita de enriquecimento ilícito e de fraudar a Receita Federal. A partir de então, os líderes da Igreja concluíram que sem uma base política própria,a defender, respaldar e acobertar as ações da instituição,estas estariam indefinidamente sob suspeita e ao alcance das garras da Receita e dos donos do poder em Brasília. Se não se pode combater o inimigo, por que, então, não se aliar a ele? Pensando assim a IURD investiu na constituição de uma bancada representativa no Congresso e passa agora a aspirar a ocupação de postos de comando nos executivos municipais.

Para dificultar a concretização dos seus propósitos, pesa contra a IURD, como ademais contra a maioria das seitas evangélicas, o seu caráter dogmático e sectário e a sua fama de charlatanice, o que, se por um lado, atrai os votos dos simpatizantes, por outro, afasta outros tantos que conseguem enxergar o oportunismo dos seus pastores e líderes.Não é por menos que Crivella vem insistindo em dizer que “será o prefeito de todos”,numa clara tentativa de desvincular o seu nome da Igreja e conquistar eleitores em todas as áreas.

O fato é que através da candidatura do senador ao comando da segunda cidade do país, a IURD dá um passo importante no sentido de ser, de fato, num curto espaço de tempo, uma força política hegemônica. Amparada pelo amplo império das comunicações – que objetiva desbancar a hegemonia da Globo - , e sustentada pelos dízimos arrecadados, com astúcia e agressividade, de uma multidão de fiéis que lotam os seus cada vez mais luxuosos templos, a IURD se lança numa empreitada audaciosa que poderá, ao final, consagra-la como uma poderosíssima força política , econômica e religiosa.Os resultados de tal escalada para a vida democrática do Brasil são imprevisíveis.
080708

5 comentários:

rosena disse...

Ola´Fernando Acho que para o bem de tods, o MP, a PF e a Receita deveriam fazer uma varredura nessa e em outas ditas igrejas evangélicas...coisa boa não ia aparecer

Anônimo disse...

O brasil inteiro já viu as imagens em que o Edir Macedo ensina aos seus pastores de como fazer para conseguir mais grana dos seus "fiéis". A Universal vai desbancar a Globo com certeza.Lula quer o apoio de Deus , do Diabo ou de quem mais chegar.

niteroi disse...

o reino da Igreja Universal é o REINO DE DEUS. O bispo Crivella já se desvinculou de suas funções como pastor da Igreja e dedica-se agora à vida política.

ninguem merece o bispo disse...

E Deus não quis...
e nosso Cristo Redentor continua olhando por nós!!! Nossa cidade não merecia Crivella...
Afinal, Crivella, Ninguém Merece!!!

Anônimo disse...

O GILMAR ESTÁ CERTO.