quarta-feira, maio 14, 2008

O PAC DERROTOU MARINA

Ao levar a ministra à demissão, Lula sinalizou que no firme propósito de não entregar para a oposição o poder conquistado em 2002, optou pela política do crescimento econômico a qualquer preço ao invés de assumir a do desenvolvimento sustentável, ou seja , o crescimento econômico que respeite o meio ambiente e preserve a qualidade de vida das futuras gerações.No âmbito das disputas internas no governo, o pragmatismo de Dilma Roussef venceu o romantismo de Marina Silva.

O PAC DERROTOU MARINA

As bandeiras que o PT carregava antes de assumir o poder vão caindo uma após outra, no governo Lula. A defesa entusiasmada, e muitas vezes intransigente, de causas como educação de qualidade, reforma agrária, saúde para todos e defesa do meio–ambiente, parece ter sido trocada pela defesa de causas mais pragmáticas, muitas delas bastante criticadas e combatidas quando Lula e sua turma militavam na oposição.

Em nome desse “pragmatismo”, a ministra do Meio Ambiente, Marina Silva, não teve outra alternativa a não ser abandonar o barco do governo. Os seus propósitos, considerados puros e ingênuos demais, certamente não estavam se compatibilizando com o alardeado projeto de crescimento econômico que vem dominando a pauta do segundo mandato de Lula.

Não eram poucas as reclamações de empresários, pecuaristas, investidores, e políticos em geral, às barreiras legais e dificuldades burocráticas impostas pelo Ministério do Meio Ambiente aos novos projetos econômicos, especialmente na Amazônia, a menina dos olhos de Marina Silva.

O governo, em especial a “ala desenvolvimentista”comandada pela ministra Dilma Roussef, não via a hora de se livrar da “ecochata”, mas encontrava a resistência de Lula, que além da amizade com Marina, não queria ficar mal com a opinião pública mundial. É que muito mais do que um grande nome nacional, Marina já havia ultrapassado as fronteiras e ganho uma dimensão internacional como um dos símbolos da luta em defesa do meio ambiente. A sua demissão por iniciativa do Presidente não ficaria bem para a imagem de líder popular comprometido com as grandes causas sociais que Lula ainda goza internacionalmente

A convivência pacífica de Marina com o restante do governo só foi possível no primeiro mandato, quando os projetos de crescimento econômicos ficaram hibernados por conta da política restritiva adotada pela necessidade de fazer caixa para honrar os compromissos com os credores internacionais.

A implementação do PAC- Programa de Aceleração do Crescimento- no segundo mandato trouxe à tona a hostilidade do restante do governo ao ministério de Marina, por conta das exigências ambientais, do cumprimento de determinadas metas, e da defesa intransigente do desenvolvimento sustentável,que passaram a serem vistas como um estorvo aos planos de multiplicação de obras, e, por extensão, de permanência no poder além de 2010.

Ao levar a ministra à demissão, Lula sinalizou que no firme propósito de não entregar para a oposição o poder conquistado em 2002, optou pela política do crescimento econômico a qualquer preço ao invés de assumir a do desenvolvimento sustentável, ou seja , o crescimento econômico que respeite o meio ambiente e preserve a qualidade de vida das futuras gerações. No âmbito das disputas internas no governo, o pragmatismo de Dilma Roussef venceu o romantismo de Marina Silva.
140508

13 comentários:

aLOISIO disse...

Marina saiu porque era uma exceção. Ela foi alguém colocado no cargo pela própria competência, e não apenas mais um entre as dezenas de autoridades escolhidas à dedo entre velhos "cumpanheiros" precisando de emprego ou lideranças de partidos aliados que condicionam sua "aliança" ao recebimendo de alguns carguinhos. Tentou trabalhar pelo bem do país em meio a uma quadrilha colocada no governo para trabalhar pelo bem deles mesmos.

aNDRE disse...

A saída da ministra Marina Silva é uma perda irreparável para o governo Lula que perde uma chance única de fazer da questão ambiental o grande diferencial deste país, capaz de colocar o Brasil na condição de protagonista da grande problemática mundial deste século. Parabéns pelo trabalho ministra Marina e que o governo abra os olhos.

Rosena disse...

Fernando, Marina Silva era uma exceção nesse medíocre governp
do PT Mas meio ambiente "não dá Ibope".. por isso não recebe a atenção necessária. No mundo em que vivemos cuidodo com o meio-ambiente deveria ser a palavra de ordem... menos no Brasil, é claro.

politica levada a serio disse...

Perde o Brasil. Defender a preservação ambiental ante os interesses predatórios de fortes grupos econômicos é tarefa para heróis. Marina exercia um papel importante para conter a sanha daqueles que são capazes de qualquer coisa para remover os obstáculos aos lucros pretendidos. Sua ação minimizava a ação de novos e antigos predadores, que pouco estão se lixando para o desenvolvimento sustentável, o futuro do planeta e qualidade de vida que legaremos às gerações que vem depois. Ganhou a fama de preservacionista radical por que percebeu que só por meio de políticas radicais se poderiam empatar o jogo contra os que vêem a legislação ambiental como burocracia e entraves ao desenvolvimento de seus negócios. Os mesmos que emitem pérolas como "essa luta para evitar o desmatamento é coisa de gente que não tem mais o que fazer e fica tentando impedir atividades que gerariam muita renda e trabalho". Conceito que também se poderia aplicar ao tráfico de drogas, contrabando e pirataria, que embora possam fazer a fortuna de alguns, são deletérios para o conjunto da sociedade.

Rildo disse...

Revoltante a saída da Ministra, mas esse sentimento se configura não por ela, mas pelo governo ter agido de forma a tornar indigna a sua presença no governo. Demonstra a falta de comprometimento estatal com as políticas verdadeiras de preservação, assim como o desequilíbrio de valores: econômico e meio ambiente. Essa notícia é chocante para o mundo, num momento em que crescem os desastres naturais por falta de políticas sérias, sai de cena uma importante mentora e executora dessas políticas.

Anônimo disse...

Na demissão a pedido de Marina Silva, existe muito mais coisas obscuras embutidas que não estão sendo reveladas além de que a própria imprensa parece não estar querendo ir mais a fundo!

sergio disse...

O nosso presidente Lula não apoia a sustentabilidade porque ele só apóia o que pode ser transformado em campanha, e sustentabilidade "não dá Ibope"... Quantas vezes nosso presidente não tomou para sí os louros de vitórias atrás de propaganda (vitórias que muitas vezes não existiram). Em suma, o governo federal só se preocupa com o que pode ser transformado em votos ao PT... e sustentabilidade está fora desse rol de assuntos.

Lino disse...

Existe muita balela nessa história de sustentabilidade...Não existe meio de se fazer o progresso sem uma boa dose de destruição da natureza...infelizmente sempre foi assim...esta política ambientalista assumida pelas ongs parece que está servindo mais para enriquecer determinadas pessoas do que para realmente promover a defesa do meio ambiente...marina com a sua cara de ssantinha está é a serviço dessas multinacinais da ecologia, não a serviço do Brasil...nessa briga com a ministra Dilma, eu fico com a Dilma

O CARIOCA disse...

O novo ministro do Meio Ambiente, Carlos Minc, começou bem. Já de cara bateu de frente com o governador do Mato Grosso (MT) Blairo Maggio, maior plantador de soja do país e um 'desmatador' agressivo. Aqueles que eram contra a indicação do ministro devem estar dando gargalhadas por aí, porque pelo andar da carruagem, o pau vai comer...
Mas Minc tem a seu favor o fato de ser mais racional com relação ao desenvolvimento industrial em regiões mais delicadas, como a Amazônia, e acredito que terá capacidade suficiente para decidir sobre projetos que tragam maior riqueza para essas regiões sem degradação do ambiente.

Rebeca disse...

Fernando,
De uma certa forma, acompanho a trajetória política de Marina Silva.Sempre coerente com o que faz e com o que fala. Foi ministra pela sua competência e inteligência. E saiu no momento certo, sem agredir e culpar este ou aquele.Ponto postivo para ela e como mulher, gostei de ver sua atitude digna de se recolher no momento certo. E sabemos que ela se viu exprimida entre o "verdadeiro poder e ira de Lula" e os demais interesses econômicos e políticos de outros.Muita coisa ainda ficaremos sabendo. A questão ambiental é muito mais séria do que acostumamos ouvir falar. O Brasil perdeu; o meio ambiente perdeu e muito.

A C Bressan disse...

Quando o Carlos Minc recebeu o convite para Ministro do Meio ambiente, meu primeiro pensamento foi:
Não entendo mais nada, tiraram a Marina e chamaram um antigo "ecoxiita" e "carne de pescoço" maior do que ela?
O Jorge Viana, um jovem ex-governador do Acre, com carreira política em ascendência total, preferir ser consultor de fábrica de helicóptero, do que ser ministro do governo do seu partido e do amigo Lula?
Aí, a mídia me ajudou a lembrar, que nestes 19 meses de poder, como secretário de Meio ambiente do RJ, o homem bateu todos os recordes de rapidez em licença ambiental no país e agora só recebe elogios das maiores poluidoras de todos os tempos do nosso estado como a CSN, a Petrobrás e etc. e em breve deve receber a "comenda de ouro" da poderosa Federação das Indústrias do RJ.

Luis Hipolito disse...

Não discuto as qualidades ou defeitos do Governo Lula. Prefiro me ater aos fatos. Por exemplo, o PAC, segundo dados oficiais do SIAFI, só teve liberados até o momento pouco mais de 0,5% dos recursos anunciados. O jornalista Hélio Fernandes da Tribuna da Imprensa diz que o PAC é o maior golpe publicitário da História, pois todos os recursos já estavam previstos em Orçamento. Contudo, é opinião corrente na imprensa nacional que nos últimos anos a oposição brasileira tem sido decepcionante em suas atitudes. Recentemente li em um site de jornal de grande circulação que com uma oposição como essa, Lula não precisa de aliados.


Luis Hipolito @ The Blogger

Anônimo disse...

ESSE GOVERNO DO LULLA-PTÓQUIO É QUE É UM CONTO DO VIGÁRIO, UM TREMENDO 171! O MINC É DA ESQURDA ESCOCESA COMO DISSE OUTRO DIA UM GENERAL: SIM, NÃO CONHECE O BRASIL COMO ELE PRÓPRIO CONFESSOU, MAS FICA NOS BARES DA PRAIA DO RJ COMENDO CAMARÃO E BEBENDO SCOTCH DA SCOTLAND COM NOSSO DINHEIRO E RESOLVENDO TODO PROBLEMA DO BRASIL. SÓ DA PTRALHA ALOPRADO!