segunda-feira, fevereiro 04, 2008

SINTOMAS DE UMA ÚNICA DOENÇA

Tratar o bem público como se privado fosse, e atuar sobre a sociedade como se incapaz fosse, refletem a mesma falta de compromisso com a coisa pública e a mesma visão autoritária que se não são criações do atual governo, com ele ganharam dimensões nunca antes vistas.



SINTOMAS DE UMA ÚNICA DOENÇA
O que o mau uso dos cartões corporativos por alguns ministros do governo tem a ver com a proibição da venda de bebidas alcoólicas nas rodovias federais? À primeira vista, nada. Mas, examinando melhor, tudo. Ambos são sintomas de uma mesma doença. Tratar o bem público como se privado fosse, e atuar sobre a sociedade como se incapaz fosse, refletem a mesma falta de compromisso com a coisa pública e a mesma visão autoritária que se não são criações do atual governo, com ele ganharam dimensões nunca antes vistas.

Ao contrário do que pregavam antes da ascensão ao poder, Lula e sua turma preferiram apostar na manutenção de uma massa popular carente, desinformada e dependente do que investir pesado na educação como única forma de libertar esse povo das amarras da ignorância e da pobreza em que se encontra. É sabido que uma maioria carente, ignorante e dependente é mais facilmente manipulada e enganada, o que dá ao governante um campo maior para as práticas ilegais, antiéticas, e anti-republicanas.

O atual governo durante os seus cinco anos de poder já deu demonstrações de sobra – e o mensalão foi a maior delas – de que os recursos públicos se destinam muito mais para beneficiar partidos organizações e políticos ligados ao governo, e muito menos para promover o real bem comum.Nesse contexto, não causa muita estranheza o comportamento dos ministros Orlando Silva, dos Esportes, Altemir Gregolin, da Pesca e Matilde Ribeiro, da Igualdade |Racial – a propósito, para que servem esses ministérios?

Por sua vez, a decisão do Ministério da Justiça de proibir a comercialização de bebidas alcoólicas nas rodovias federais revela um paternalismo tosco, como também é uma amostra do desprezo e da maneira arbitrária como o governo se relaciona com a sociedade. Determinar que o aumento dos acidentes fatais nas rodovias é fruto do consumo do álcool, sem considerar os demais aspectos que envolvem a questão – inclusive a responsabilidade do governo pelo o estado lamentável em que se encontram as nossas estradas –, é, além de uma explícita demonstração de ignorância ,uma agressão à Constituição. E, por isso, deverá ter breve duração.

Tanto no caso do mau uso dos cartões como no da medida arbitrária do Ministério da Justiça, o erro do governo consiste em acreditar que a sociedade, além de permanecer nas trevas do obscurantismo político, tem que ser tutelada como se fosse formada, na sua totalidade, por imbecis e incapazes. Felizmente, apesar de todo o esforço do governo nesse sentido, ainda não é assim. São poucas, mas ainda existem pessoas capazes de reagir tanto ao assalto dos cofres públicos, mesmo que por quantias aparentemente insignificantes, quanto às decisões arbitrárias e sem sentido prático, como a tomada pelo Ministério da Justiça.
040208

15 comentários:

Anônimo disse...

A trajetória da esquerda foi árdua até alcançar o poder. No período que antecede a subida ao poder, eram eles o baluarte da decência, retidam e denuncismo aos seus opositores.

Pois bem, chegaram ao poder e aí o que se viu?! Bom todos vocês já sabem. Chegamos hoje, com mais este presente de grego, para todos nós contribuintes e ainda mais aos eleitores do PT.

A verdade nua e crua é que os ESQUERDISTAS são em sua maioria demagogos e tão corruptíveis quanto os de DIREITA. Mais o pior entre os ESQUESDISTAS é o falso moralismo - com discurso atualizado - A nova esquerda do século XXI.

rosena disse...

Fernando
Nossa eu nem sabia que exitia essa tal de "Matilde". Que feio moça, usando dinheiro do povo para tomar chopinho. UAU! cada uma desses petistas

Anônimo disse...

Será que a medida é porque ele resolveu pegar a estrada com D. Marisa?
Esses caminhos que chamamos de rodovias federais, precisam de sinalização e de asfalto. A pirotecnia anunciada pelo M. da Justiça, com a PRF nas estradas não resolve nada ante a vergonhosa situação das estradas. Radares caça níqueis e blitzes que não prendem um bandido sequer, só servem para nos importunar, já que o risco de vida nas estradas é iminente, seja por conta dos bandidos ou das péssimas condições das rodovias.

Anônimo disse...

Bloco do Pacotao em Brasilia (nem elles que tem um monte de ptralhas junto aguentaram) -> http://br.youtube.com/watch?v=9Mq6xFbUBOo -> Eles tão metendo a mão// Rômulo Marinho e Gustavo Fusco// ... Tem muita gente sabida/ Dilapidando o Erário/ Metendo a mão no Tesouro/ Detonando o meu salário/ E Ali Babá nada sabe.../ Ele pensa que nóis é otário!/ E Ali Bebum nada sabe.../ Ele pensa que nóis é otário!/ Eles tão metendo a mão!!/ Eles tão metendo a mão!!/ No dinheiro da Nação.../ Eles tão metendo a mão!!/ Eles tão metendo a mão!!/ No dinheiro da Nação.../ Eles tão metendo a mão!!/ Eles tão metendo a mão!!/ No dinheiro da Nação.../ Eles tão metendo a mão!!/ Eles tão metendo a mão!!/ No dinheiro da Nação.../ Eles tão metendo a mão!!/ Eles tão metendo a mão!!/ No dinheiro da Nação.../ Eles tão metendo a mão!!/ Eles tão metendo a mão!!/ No dinheiro da Nação.../

Anônimo disse...

O governo é ruim

Carlos Alberto Sardenberg


Fonte: O Estado de São Paulo

Está certo que os produtores europeus querem barrar a entrada da carne bovina brasileira no rico mercado da Europa. Mas é certo também que há culpa brasileira - do governo federal, em especial - nos episódios que levaram a Comissão Européia a suspender as importações do Brasil.

Resumindo a história: fazendeiros europeus temem a competição porque produzem uma carne cara. Assim, fazem pressão contra as importações, dizendo que a carne brasileira é barata por ser produzida sem controle de qualidade.

Não é verdade. Há carne ruim no Brasil, há relaxamento na fiscalização sanitária e no controle das fronteiras, mas há também fazendas com métodos e tecnologia de ponta. O mundo todo sabe disso, inclusive na Europa, onde muita gente quer é aumentar a compra da carne brasileira, mais barata e de primeira. Um quilo de contra filé, que sai no Brasil a menos de R$ 10, custa mais de R$ 60 na Itália e mais de R$ 80 na Inglaterra. Metade disso é imposto, mas, mesmo assim, está caríssimo. Pesa no bolso, é um argumento poderoso a favor da importação.

No balanço das pressões, a Comissão Européia fica como que obrigada a impor exigências variadas aos exportadores brasileiros - controle sanitário do gado, rastreamento, certificação de origem -, justamente para driblar a acusação de que a carne brasileira é barata porque não há cuidados com a qualidade.

Por isso, e até com boa disposição, a Comissão negociou durante anos com o governo brasileiro, enviou inúmeras missões veterinárias, apresentou relatórios, deu prazo para cumprimento de exigências.

Ora, o que deveria fazer o governo brasileiro? Negociar bem as exigências de controle e depois cuidar de cumpri-las. Produtores queixam-se de erros nos dois momentos. De um lado, reclamam que o governo aceitou uma cláusula de rastreabilidade (maneira de certificar a origem do boi) muito difícil de efetivar. E, de outro, não fez o esforço necessário para cumpri-la, tudo culminando no episódio da certificação das fazendas aptas a exportar para a Europa.

Não é que os europeus queriam uma lista com apenas 300 fazendas, como se diz por aqui. A Comissão Européia havia dado prazo para o governo brasileiro entregar a primeira lista e acreditavam os funcionários europeus que não haveria tempo nem condições para fiscalizar um número muito grande de fazendas. Quando receberam a lista brasileira, com 2.861 fazendas certificadas, desconfiaram.

O que fez o Ministério da Agricultura? Recebeu as listas dos governos estaduais, carimbou e mandou para Bruxelas. E, conforme informações recebidas por fazendeiros brasileiros do primeiro time, os europeus desconfiaram das listas excessivas de alguns Estados (como os de Minas, Goiás e de Mato Grosso) e não teriam nada a opor, por exemplo, às fazendas de Santa Catarina e do Rio Grande do Sul.

Ou seja, o Ministério da Agricultura, para evitar brigas políticas, não quis ou não pôde arbitrar entre as listas dos Estados. Passou a bola para a Comissão Européia, que melou todo o jogo e suspendeu todas as importações do Brasil e marcou novas inspeções. Ou seja, os europeus não quiseram, pelo menos agora, escolher de uma lista da qual desconfiam.

Digamos que estão, eles, os europeus, fazendo malandragem. Mas o governo brasileiro ofereceu a oportunidade. Aceitou uma regra, não conseguiu cumprir e tentou driblar os europeus. Agora, voltam as negociações e vêm os europeus verificar se a lista vale.

Enquanto isso, o Brasil perde alguns meses de exportação. O nome disso é má gestão, incapacidade administrativa - situação que não é rara no governo Lula. Vai desde grandes mancadas, como essa com a carne, a pequenas trapalhadas.

Tradução errada

Para ficar no noticiário da semana, pegue-se o caso Salvatore Cacciola, preso em Mônaco, esperando a decisão da Justiça local sobre o pedido de extradição do governo brasileiro. Lembram-se que o ministro da Justiça, Tarso Genro, viajou às pressas para Mônaco com o objetivo de apresentar o pedido pessoalmente na Corte? Pois, então, deu umas boas fotos e declarações graves do ministro, e nada. O que funcionaria mesmo seria entregar ao juiz de Mônaco todo o processo da Justiça brasileira, contendo a condenação de Cacciola, mas traduzido para o francês. Pois, então, o governo providenciou a tradução - mas o juiz monegasco parece que não entendeu nada. Encomendou uma outra, ao pessoal dele.

Anuncia e reanuncia

Nas obras do PAC, o governo adotou um método infalível para acertar o cronograma. Está atrasado? Mudem-se os prazos.

Em 27 de maio do ano passado, o presidente da Valec Construções e Ferrovias, José Francisco das Neves, disse que o trem-bala Rio-São Paulo estaria com as obras licitadas ainda no final de 2007 ou no início de 2008. Nada feito.

Mas a promessa foi revalidada e ampliada. Agora, o projeto do trem-bala está incluído no PAC, com previsão de US$ 11 bilhões de investimentos privados. Novos prazos, dados pelo ministro dos Transportes, Alfredo Nascimento: modelagem do projeto em agosto deste ano e publicação do edital de licitação em março de 2009. Mais ainda: o sistema terá uma segunda perna (São Paulo-Campinas), de modo a ligar os Aeroportos do Galeão, de Guarulhos e Viracopos.

Conclusão: o projeto continua no papel, mas cresceu - o que torna mais vistosa a previsão de investimentos do PAC - e continua no prazo, no novo prazo.

Finalmente, entrou em vigor a proibição de venda de bebida alcoólica nos bares e restaurantes à beira de estradas federais. Rende declarações solenes das autoridades, promessas de rigorosa fiscalização. Ora, a Polícia Rodoviária não dá conta nem do que já tem de fiscalizar - como blitz para aplicar bafômetro pelo País afora. Vão agora os policiais sair procurando latinhas de cerveja embaixo dos balcões?


Carlos Alberto Sardenberg é jornalista. Site: www.sardenberg.com.br

Anônimo disse...

Nem sempre serás:
Pois a mentira se descobre,
Mesmo com teus cobres;
A folha cai seca,
Mesmo quando frondosa a Arvore;
A tempestade passa,
Mesmo quando gigantesca;
E o clarão do dia surge,
Por mais escura que tenha sido, noite PTralha!

Anônimo disse...

http://br.youtube.com/watch?v=9Mq6xFbUBOo&feature=related


Vejam a musica sobre Alim Bebum!

Anônimo disse...

ELES TÃO METENDO A MÃO
Rômulo Marinho e Gustavo Dourado(Amargedom)

ELES TÃO METENDO A MÃO
NO DINHEIRO DA NAÇÃO
O CONGRESSO MARAVILHA
É MALOCA DE QUADRILHA
O REI DA MARACUTAIA
VIVE DE PAPO FURADO
VALEU AQUELA PUTA VAIA
NO MARACANÃ LOTADO...
(Bis)

TEM MUITA GENTE SABIDA
DILAPIDANDO O ERÁRIO
METENDO A MÃO NO TESOURO
DETONANDO O MEU SALÁRIO
E ALI BABÁ NADA SABE...
ELE PENSA QUE "NÓIS" É OTÁRIO!
ALI BEBUM NADA SABE...
ELLE PENSA QUE "NÓIS" É OTÁRIO!
(Bis)

ELES TÃO METENDO A MÃO!

Vejam por meio de:

http://br.youtube.com/watch?v=9Mq6xFbUBOo&feature=related

Anônimo disse...

Papa Defunto:

Agencia Estado - 4/2/2008 16:14
Governo confirma mais 2 casos de febre amarela no País
O Ministério da Saúde anunciou hoje, em nota, mais dois casos de febre amarela em Goiás e no Mato Grosso do Sul. Com isso, subiu para 25 o número total pessoas infectadas no País pela doença, com 13 mortes, desde a primeira confirmação em 17 de dezembro.


A estimativa é de que 18 vítimas tenham contraído a doença em Goiás, 4 em Mato Grosso do Sul e as demais no Distrito Federal. Segundo o Ministério da Saúde, outros 21 casos suspeitos foram descartados e três ainda estão sendo investigados.

Anônimo disse...

Os nossos vagabundos descobriram os prazeres da negação e da tergiversação:
- “Eu não sabia”;
- “Ninguém me avisou”;
- “Não fui eu”;
- “Era só caixa dois”;
- “Fiz, mas todo mundo faz”;
- "É uma armação contra a craçe operária";
- "É prconceito"...

Anônimo disse...

LADROES ALOPRADOS, INCOMPTENTES E INEPTOS NU PUDER -> XADREZ NELLES!



Da Folha Online - 05/02/2008 -
Seguranças de Lula no ABC gastam R$ 149 mil com cartão corporativo -
Pelo menos dois seguranças da equipe que protege a família do presidente Luiz Inácio Lula da Silva em São Bernardo do Campo (ABC paulista) gastaram nos últimos três anos R$ 149,2 mil com cartões de crédito corporativos do governo, informa reportagem publicada na Folha nesta terça-feira e assinada por Leila Suwwan e Silvio Navarro (íntegra disponível para assinantes do jornal e do UOL).

De acordo com a reportagem, seguranças de Lula usaram cartão corporativo, por três anos, em churrascaria e montagem de academia, além de despesas com manutenção de veículos e materiais de construção.

A lista de compras inclui ainda supermercados, lojas de eletrônicos, foto, artesanato, roupas, informática e papelaria. Havia despesas de R$ 800 na 'Elite Malas e Bijuterias', que a reportagem constatou ser, na verdade, uma loja de artigos esportivos, e R$ 390 na 'Flama Instrumentos Musicais', que, a despeito do nome, comercializa produtos eletrônicos.

No ABC moram os filhos de Lula e suas respectivas famílias. A segurança é feita por uma equipe do Gabinete de Segurança Institucional (GSI).

Ontem, outra reportagem da Folha mostrou que um segurança pessoal de Lurian Cordeiro Lula da Silva, filha de Lula que mora em Santa Catarina, gastou quase R$ 55 mil nos últimos nove meses usando um cartão de crédito corporativo do governo federal.

Ministros:

Na última semana, Matilde Ribeiro anunciou a saída da Secretaria Especial de Políticas de Promoção da Igualdade Racial após ser acusada de usar irregularmente o cartão corporativo do governo. Em 2007, as despesas de Matilde com o cartão corporativo somaram R$ 171 mil. Desse total, ela gastou R$ 110 mil com o aluguel de carros e mais de R$ 5.000 em restaurantes, além de ter feito compra em um free shop.

No sábado, outro ministro, Orlando Silva (Esportes), anunciou que devolverá cerca de R$ 30 mil por gastos indevidos em seu cartão. Esse seria o valor equivalente ao que foi gasto com o cartão corporativo desde que ele assumiu o ministério, em março de 2006.

Silva é o terceiro da lista de ministros que mais gastaram com cartão corporativo no ano passado.

O ministro da Pesca, Altemir Gregolin, também está sob suspeita. A fatura do cartão dele registra o pagamento de uma conta de R$ 512,60 de um almoço com uma comitiva chinesa em uma churrascaria de Brasília.

Anônimo disse...

MENSALINHO DO LULLALALAU-PTOQUIO!
Xadrez ja pro Mensalao do Lullalau-PToquio. XÔ LADROES Canalhas! IMPEACHMENT DO MOLUSCO Já !

Comentário:
Vulgarmente falando: isso é roubo. Tecnicamente chama-se peculato. Art. 312 do Código Penal: Apropriar-se o funcionário público de dinheiro, valor ou qualquer outro bem móvel, público ou particular, de que tem a posse em razão do cargo, ou desviá-lo, em proveito próprio ou alheio. Pena - reclusão, de dois a doze anos, e multa. § 1º - Aplica-se a mesma pena, se o funcionário público, embora não tendo a posse do dinheiro, valor ou bem, o subtrai, ou concorre para que seja subtraído, em proveito próprio ou alheio, valendo-se de facilidade que lhe proporciona a qualidade de funcionário. Pode caracterizar, nesse caso também, o crime de emprego irregular de verbas ou rendas públicas. Art. 315 - Dar às verbas ou rendas públicas aplicação diversa da estabelecida na lei. De qualquer forma é caso suficiente para demissão a bem do Serviço Público, tanto dos que praticaram quando dos que autorizaram.

Joel disse...

Fernando, acabo de ver umas das medidas mais absurdas deste governo, imaginem vcs quantas famílias ficarão sem emprego a partir deste desrespeito com o comércio varejista do país, as churrascarias, pizzarias e lanchonetes localizadas nas margens da BRs não vendem só pra quem está viajando, como as autoridades poderão provar que as bebidas existentes ali serão comercializadas para motoristas, e se estivermos viajando de ônibus e quisessemos tomar uma cervejinha, não tenho nem mais palavras, espero que isso se reverta, que eles arrumem uma equipe que pense as leis antes de promulgá-las, e pensem mais no povo.

Anônimo disse...

Enquanto isso, naquele palácio do planalto central, um velho bêbado (Lulla-Lalau-PToquio), cercados de PTralhas com seus mensalinhos(cartoes pra gastar a vontade o nossos impostos pagos) fazendo-lhe coro, ainda canta:

ME DÁ UM DINHEIRO AÍ

Ei você aí
Me dá um dinheiro aí
Me dá um dinheiro aí
Ei você aí
Me dá um dinheiro aí
Me dá um dinheiro aí
Não vai dar?
Não vai dar não!
Você vai ver
A grande confusão
Que eu vou fazer
Bebendo até cair
Me dá, me dá, me dá (oi)
Me dá um dinheiro aí
Ei você aí
Me dá um dinheiro aí
Me dá um dinheiro aí
Ei você aí
Me dá um dinheiro aí
Me dá um dinheiro aí

Anônimo disse...

Há cinco anos, sob o comando do presidente Lula, a Saúde está em colapso.

Primeiro, Lula mandou para lá "Humberto Vampiro Costa", ex-ministro que está às voltas com a Justiça sob acusação de corrupção. Em vez de imunizar a população e combater epidemias, ele fez negócios e desviou dinheiro público, segundo o Ministério Público. Agora, está lá José Gomes Tinhorão que se revela um falastrão irresponsável e um mentiroso compulsivo.

Em vez de falar, o ministro devia trabalhar. A população está sofrendo horrores com o descaso do governo Lula na Saúde. A febre amarela matou quase uma dezena de pessoas e ameaça a todos. E por que isto está acontecendo? Por que doenças erradicadas há mais de 50 anos estão matando no Brasil? Porque, desde 2003, o governo Lula corta, criminosamente, as verbas da Saúde determinadas pela Emenda 29.

O presidente Lula deixou de aplicar nas ações e serviços de Saúde R$ 4,3 bilhões de 2003 a 2006 porque não cumpriu a Emenda 29. Isto é crime de responsabilidade. E o resultado deste crime todo mundo está vendo: a agonia e morte de centenas de pessoas. Esta conta da Saúde é do governo Lula e, infelizmente, é uma conta impagável porque ninguém devolve a vida das pessoas. E quando morre uma pessoa, morrem seus planos, morrem seus sonhos e morrem os projetos de sua família.