segunda-feira, novembro 26, 2007

O VALERIODUTO MINEIRO

Importa acentuar que tanto agora, por ocasião da denúncia do procurador-geral, quanto por ocasião do mensalão petista, os tucanos perderam uma excelente oportunidade para se afirmarem como um partido diferenciado do PT no que tange ao comportamento ético. Naquela ocasião – é sempre bom lembrar – tiveram a faca e o queijo nas mãos para dar ao país um rumo mais democrático e republicano, mas acabaram perdendo o bonde da História quando em meio às denúncias envolvendo o bando petista apareceu o nome do senador Eduardo Azeredo.

Apesar de proporcionalmente menor, se comparado ao mensalão petista, o valerioduto mineiro que beneficiou Eduardo Azeredo e Mares Guia se constituiu num crime conra os cofre públicos...
O VALERIODUTO MINEIRO

Valerioduto é Valerioduto, seja ele praticado por petistas ou por tucanos, em Brasília ou em Minas Gerais.Por isto, carece de base sólida o argumento de que o esquema montado em Minas, em 1998, visando reconduzir ao governo do Estado o atual senador Eduardo Azeredo, e incrementar as campanhas de outros políticos do PSDB e partidos aliados, seria muito diferente – e por isso, menos grave – do esquema petista revelado em 2005.Pode até diferir na forma e nos objetivos imediatos, mas não na substância: ambos se constituíram num assalto aos cofres públicos.

É certo que no esquema tucano-mineiro, por exemplo , a transferência de recursos para o bolso dos políticos beneficiados não aconteceu de forma contínua e sistemática, como ocorreu no esquema do mensalão federal. Constituiu muito mais na prática do já conhecido “caixa-dois” com recursos de estatais mineiras visando as eleições daquele ano, enquanto o esquema petista visava comprar o apoio de políticos para as propostas do governo no Congresso. Mas estas diferenças não diminuem a gravidade do fato. E o fato, denunciado pelo procurador-geral da República, Antônio Fernando de Souza, é que na campanha eleitoral de 1998 foram desviados recursos da ordem de R$3 bilhões, e isto é o que importa.

Importa também acentuar que tanto agora, por ocasião da denúncia do procurador-geral, quanto por ocasião do mensalão petista, os tucanos perderam uma excelente oportunidade para se afirmarem como um partido diferenciado do PT no que tange ao comportamento ético. Naquela ocasião – é sempre bom lembrar – tiveram a faca e o queijo nas mãos para dar ao país um rumo mais democrático e republicano, mas acabaram perdendo o bonde da História quando em meio às denúncias envolvendo o bando petista apareceu o nome do senador Eduardo Azeredo.

Os até então valentes tucanos recuaram de sua posição de ataque e, por tática e por temor, preferiram guardar as armas, também porque supunham que o presidente Lula, àquela altura, já estivesse ferido de morte. Em vez de serem contundentes tanto em relação a seu correligionário mineiro, quanto em relação ao presidente Lula, os tucanos preferiram ficar entre a cumplicidade e a complacência, e por isso, tiveram a resposta das urnas no ano seguinte: grande parte do eleitorado passou a considera-los farinha do mesmo saco.

A denúncia do procurador-geral, que envolve os nomes de 15 pessoas, entre as quais o ex-ministro das Relações Institucionais Walfrido dos Mares Guia, coloca as coisas no seu devido lugar. As investigações subseqüentes provavelmente revelarão muito do que ainda está escondido. Poderão revelar , por exemplo, os nomes de todos os políticos mineiros que se beneficiaram da fonte de Marcos Valério, dentre os quais é insinuado com freqüência o do atual governador Aécio Neves, naquela ocasião, candidato à deputado federal.

Sabe-se que a grande imprensa mineira tem em relação ao governador uma atitude que mistura dependência ( dos fartos recursos publicitários do Estado), submissão e cumplicidade,e por isto o seu nome pouco é mencionado no imbróglio. Tal como acontece com a imprensa petista em relação a Lula, Aécio Neves é fortemente blindado contra atos e fatos que comprometam a sua aura de político dinâmico e correto.Sem desprezar o fato de sua grande popularidade em Minas, Aécio representa hoje muito mais o símbolo de uma aspiração da elite política econômica e política mineira que quer porque quer que o Estado conquiste o topo da política nacional, desbancando os paulistas. A união desta elite em torno do seu nome em Minas é algo que impressiona.

Mas o procurador-geral Antônio Fernando parece estar acima dessas injunções políticas. Apenas cumpre o seu dever de ofício, não importando a cor ideológica e partidária dos denunciados por ele. E faz muito bem. Não fosse por ele, e o mensalão petista já teria caído na vala do esquecimento. Não fosse ele, e o valerioduto mineiro não teria voltado à tona. Teremos que torcer para que o STF, no julgamento dos dois casos, seja tomado por um ainda não conhecido espírito de agilidade, precisão e justiça, para que práticas como a do valerioduto tucano e do mensalão petista sejam definitivamente banidas da nossa tradição política para sempre. Amém.
271107

19 comentários:

MENSALÃO TUCANO disse...

Lembro-me de que quando estourou o mensalão do PT, todo mundo fazia um estardalhaço, como se ninguém suspeitasse de uma coisa dessas.Agora que o mensalão estourou pro lado do PSDB, ouvi falar aqui e ali, li algumas matérias que não continham toda aquela emoção de quando acontece com o PT, e não passou disso.Quando procurei por “mensalão tucano“, só encontrei algumas matérias chochas e uns blogs criticando o caso.Por que a mídia não rotulou de “mensalão tucano”, como de praxe? Que eufemismo é esse?

mensalão tucano disse...

EFEAGAÇÊ é um ressentido. Mistura de arrogância com vaidade, o ex-presidente não se conforma com sua impopularidade. Ninguém melhor do que EFEAGAÇÊ para fazer considerações sobre como manipular ($$) os meandros do poder para promover a própria extensão do mandato. É PHD nisso.Nem mesmo os candidatos do PSDB defendem o governo do príncipe do sociólogos. Que bom que ele não vai voltar mais!
O PT fez uma boa oposição ao governo EFEAGAÇÊ. Tinha mais idéias e obrigava o governo a se defender melhor. Hoje o PSDB não faz e não sabe fazer oposição porque não tem idéias. O PSDB tem sim uma clientela, uma banda clientelista, entre outros e/ou outras cito Globo, Folha de São Paulo, O Estadão, Veja, \'Cansei\', etc...
Mares Guia afirmou que fará uma auditoria em todos os seus negócios e apresentará os dados, espontaneamente, à Receita Federal e à Justiça.
Mas estas denúncias o coloca em situação política delicada. Não se trata de cairmos no mesmo erro que condenamos, da presunção de culpa, e nem sabemos qual a extensão da culpa, se ele tiver.
O fato concreto é que ele teve participação pelo menos no Caixa-2 de Eduardo Azeredo. Se ele teve ou não influência nos esquemas de arrecadação, não sabemos ainda. De qualquer forma seu vínculo com Eduardo Azeredo no governo de Minas e na campanha de 98, não é bom e fragiliza sua posição como articulador político do governo.
Apesar das suspeitas contra ele ser todas referentes ao período em estava envolvido com os demo-tucanos, a imprensa deverá escolhê-lo como alvo preferencial para testar hipóteses as mais diversas, usando-o para dividir as atenções com Azeredo, e tirar o foco do tucanos.

natália disse...

O que é pior comprar parlamentares para fazer o Brasil funcionar ou gastar milhões de reais não declarados em campanhas, enquanto milhares de brasileiros passam fome, morrem nas filas dos hospitais etc?
Tudo isso é uma vergonha. Acho que no momento que vivemos devemos deixar nossas motivações políticas de lado e exigir moralidade e ética dos nossos representantes, independente do partido.

reinaldo disse...

Fernando
Azeredo, Mares Guia e o PT estão envolvidos no crime mineiro? Então devem ser punidos. Azeredo não sabia de nada? Deve ser punido assim mesmo. Assim como Lula -que também não sabia de nada- deveria sê-lo. A responsabilidade de Lula é, porém, muito maior. Azeredo se beneficiou de caixa dois. Lula se beneficiou de caixa dois (como confessou Duda Mendonça em 2005) e de caixa três (como está mostrando o atual processo no STF contra seus mensaleiros).

Ora, se para Lula vale o argumento de que ele não sabia o que faziam seus mais íntimos auxiliares, por que não deveria valer para Azeredo?

Anônimo disse...

Em Minas todos sabemos que Aecinho recebeu grana( e não foi pouca!) do valerioduto tucano. A imprensa mineira fica caladinha pq está comprada pelo governo

Rebeca disse...

Oi Fernando,
Quem sabe agora este escândalo resulte em punições reais. O que vimos mesmo, foi todos os envolvidos "nadarem em dinheiro" e devem ter dado boas gargalhadas de todos nós.
Sério, realmente espero um dia poder ver atrás das grades todos os políticos corruptos.

Anônimo disse...

Podcast do Diogo: Sobre gente pequena e os de fato grandes
No Podcast que foi ao ar hoje, Diogo Mainardi vai ao ponto, numa frase de rara lucidez: “Os processos contra os jornalistas, em particular os da VEJA, ajudaram a criar uma base jurídica em garantia da liberdade de imprensa.” Eis aí. Isso é o que importa, e esse é o poder da democracia e do estado de direito, que “eles” jamais vão entender — ou melhor: entendem, mas detestam.
POR QUE TODO PTRALHA é NO FUNDO BANDIDO.

Anônimo disse...

DIZEM QUE HOJE LULLALAU AO FINAL DO ENCONTRO COM EMPRESARIOS DE LUXEMBURGO, DISSE QUE PREFERE O FILIPAO, E QUE IA MESMO FAZER NEGOCIO COM EMPRESARIOS FILIPINOS.

POR ONDE ANDA O BEBUM????? disse...

O lulismo tentou usar os tribunais para sufocar os jornalistas. E se deu mal. O que aconteceu foi o contrário. Os processos contra os jornalistas, em particular os da VEJA, ajudaram a criar uma base jurídica em garantia da liberdade de imprensa. Eu entrei no bolo. Nos últimos anos, fui mais útil como réu do que como colunista. Nesta semana, saiu outra sentença exemplar: a do juiz Manoel Luiz Ribeiro, que julgou improcedente a ação de Paulo Henrique Amorim contra mim.

Paulo Henrique Amorim é um personagem menor, uma figurinha marginal. Mas o que está atrás dele é algo infinitamente maior. Paulo Henrique Amorim me processou por causa de uma coluna sobre o portal iG. Essa coluna, intitulada “A Voz do PT”, me rendeu um total de dez processos. É isso aí: dez. Foi meu recorde. Dois da Brasil Telecom, dois da Petros, dois do Funcef, um da Previ, um de Mino Carta, dois de Paulo Henrique Amorim. Até agora, oito foram julgados. Papei os oito.

Quem se der ao trabalho de procurar as afinidades políticas dos diretores dos fundos de pensão das estatais encontrará os nomes de sempre: Lula, Luiz Gushiken, José Dirceu. Essa gente fez a maior farra na disputa pelo comando da Brasil Telecom. Esse era o tema da minha coluna. Cito o juiz Manoel Luiz Ribeiro: “A matéria veiculada é de interesse público e a menção ao autor (Paulo Henrique Amorim) decorre da abordagem de fatos também de interesse público. É fato notório que a BRASIL TELECOM adquiriu parte do capital do iG, sendo que aquela pessoa jurídica possui ações de fundos de pensão. Nessa seara é possível dizer que o interesse público em conhecer a destinação dos fundos de pensão legitima o direito de informação. O réu Diogo abordou o tema e, assim fazendo, acabou por mencionar o nome do autor”. Fim.

MENSALAO DO LULLALAU-PTOQUIO disse...

Não é farra?

A prorrogação da CPMF junto ao Congresso Nacional anda saindo cara aos cofres do governo, que paga sem garantias reais de que vai levar. Conta a Folha de S. Paulo que, nos últimos 23 dias, foram liberados R$ 514,3 milhões em emendas parlamentares, concedidas em troca de votos para a nefasta MP. Se isso não for a tal "farra do boi" nos gastos, não sei como a chamarão os companheiros.




Postado por Roberto Jefferson às 10:32

Anônimo disse...

Cor-de-rosa choque

Anunciado com estardalhaço pelo governo como o maior avanço pela modernidade, o serviço de TV digital que estréia neste domingo (só para São Paulo, registre-se) é mais um desses efeitos especiais, fumaça pura, tão a gosto da gestão federal. Na prática, disfarçado de tecnologia de ponta a serviço da modernidade, o início das transmissões digitais marca a entrada no ar da TV Brasil, o novo canal público que vai permitir ao País se assistir pela ótica governamental - o que, no caso, deverá priorizar o mundo cor-de-rosa em que ele, governo, acredita estar vivendo. Um mundo no qual se anuncia uma novidade que, na vida real, a Folha de S. Paulo acerta perfeitamente ao definir como "Bonitinha... cara, burra e capenga".
Postado por Roberto Jefferson às 10:32.

Anônimo disse...

Relembrar é viver

Um ano depois do escândalo dos sanguessugas, mais um orçamento corre pelo Congresso. E, pelas contas da Folha de S. Paulo, nada menos que 82% dos deputados apresentaram emendas para compra de ambulâncias, com valores que podem somar até R$ 3 bilhões. Um ano é bastante tempo, e já podemos perguntar o que mudou na maneira como o Orçamento da União é feito. Isso se mudou alguma coisa.




Postado por Roberto Jefferson às 10:43

Prisao do Lullalau-PTralhas disse...

Olhando para dentro

O caso da adolescente de 15 anos que ficou presa com 20 homens por quase um mês no Pará nos obrigou a olhar para dentro de nossos presídios e delegacias, geralmente tão bem escondidos atrás dos altos muros. Não precisou muito tempo para sermos informados de que este não foi o único caso no Pará.

Anônimo disse...

Globo dá lição de democracia a Franklin Martins
Li no Painel, na Folha de hoje, o que segue. Volto depois:

Pegar... O Planalto procurou as quatro principais emissoras de TV, no final da semana passada, com a seguinte proposta: uma entrevista com Lula para cada uma, em ordem a ser definida por sorteio, para exibição no principal telejornal da noite, com duração de exatos oito minutos.

...ou largar. A Globo declinou da oferta. Em nota, a emissora disse entender "que os termos de uma entrevista devem ser discutidos pelas partes previamente", e manifestou "interesse numa entrevista de final de ano com o presidente". O Planalto ficou de analisar o pedido, mas adiantou que tudo dependerá da agenda de Lula. As entrevistas de Record e Band foram exibidas ontem. Para hoje está programada a do SBT.

Pois bem. Eu me interessei pela nota da emissora. Entrei em contato com a Central Globo de Jornalismo e lhe pedi a íntegra (abaixo). Comento da seqüência:

Na tarde da última sexta-feira, a TV Globo foi informada de que o presidente Lula daria entrevistas a quatro redes de televisão do país, na terça e quarta-feiras seguintes, de acordo com um modelo decidido unilateralmente pela Presidência da República: um sorteio definiria a seqüência das entrevistas, que deveriam ir ao ar no principal telejornal da noite, com duração de oito minutos. A TV Globo fez as seguintes ponderações:

1) O presidente acabara de conceder uma entrevista de 03 páginas ao jornal O Globo, em que praticamente todos os assuntos relevantes foram abordados. Tal entrevista foi tema de uma reportagem no Jornal Nacional de segunda-feira, primeiro dia após a publicação. Isso faz uma nova entrevista ao vivo, já no dia seguinte, perder muito em ineditismo.

2) A TV Globo entende que os termos de uma entrevista devem ser discutidos pelas partes previamente, o que não foi feito.

3) A TV Globo manifestou interesse numa entrevista de final de ano com o presidente, a ser realizada mais adiante, em tempo oportuno, segundo regras estabelecidas de comum acordo. Esta é a praxe internacional em eventos desse tipo.

A Secretaria de Comunicação Social, que considerou naturais as ponderações da TV Globo, informou que dará encaminhamento ao pedido de uma futura entrevista, mas que tudo dependerá da agenda do presidente. Adiantou que o tempo da entrevista será o mesmo concedido às demais redes.

Comento
Muito bem. A Globo está de parabéns. Se o presidente Lula tem um pronunciamento oficial a fazer, que solicite a rede nacional de rádio e televisão, que recorra à lei. Anteontem, ao dar posse ao conselho da Lula News, Franklin Martins não gostou da pergunta de um jornalista do Estadão e resolveu lhe dar um pito. Segundo ele, o jornal não podia dar a ele, Franklin, “lição de democracia”. Comentei o caso aqui. Afirmei que, a depender do caso, poderia, sim.

Pois bem. Franklin acaba de tomar uma lição de democracia da Rede Globo. Onde já se viu estabelecer unilateralmente as regras de uma entrevista? E olhem que a Lula News nem começou. O caso é emblemático. Assim são tratadas as emissoras privadas de TV. Imaginem quando for a pública. É o entendimento que essa gente tem de democracia. É o entendimento do democrata Franklin Martins...

Por Reinaldo Azevedo

Anônimo disse...

Um caso de grave molestamento infantil no Colégio São Bento
O prefeito do Rio, Cesar Maia, tornou pública a questão no seu blog: um grupo de pais e ex-alunos do Colégio São Bento, no Rio, enviou uma carta ao reitor da instituição reclamando do conteúdo de uma apostila de geografia destinada a alunos da sétima série. Vocês sabem que há tempos tenho dado destaque à manipulação do material didático e ao marxismo vagabundo que costuma orientá-lo. Em artigos no jornal O Globo, Ali Kamel demonstrou parte do horror que vai nos livros didáticos brasileiros comprados pelo governo. Em outro post, publicarei a íntegra do abaixo-assinado. Quero comentar um pouco o que está na apostila. Se você clicar aqui, terá acesso ao conteúdo – demora um pouco para baixar.

Atenção: o material é voltado a alunos da sétima série. Estamos falando de estudantes entre 12 e 13 anos. Estamos falando, então, de uma variante do molestamento infantil. Recorrendo à história em quadrinhos – e deixo claro que o professor, quando abusa da prosa, evidencia sinais de analfabetismo -, o mestre decide explicar como surgiu o capitalismo.

No primeiro, numa alusão estúpida ao Evangelho de São João (e estamos falando de uma escola católica), sob a inscrição “No princípio era o verbo”, homens na Idade da Pedra, reunidos, conjugam: “Eu trabalho, tu trabalhas, ele trabalha”

No quadro seguinte, sob a inscrição “Com a chega do capitalismo, mudou o verbo do princípio”, há a seguinte cena: um capitalista de cartola, casaca e charuto na mão (eu juro), sorriso maligno, aponta para um trabalhador e para um sujeito, sei lá, de classe média e fala: “Eu lucro, tu trabalhas, ele reclama da inflação”.

No quadro três, um homem cavalga o outro e se pode ler: “Apareceu, então, a propriedade privada dos meios de produção; num momento, eu creio, em que o Criador estava distraído”. Ao todo, são 26 ilustrações de demonização do capitalismo e de proselitismo o mais ordinário, o mais asqueroso, o mais vagabundo, o mais rasteiro. Não sei de quem são desenho e roteiro, mas julguem vocês mesmos a qualidade do material. Há coisas como:
- “Lucro é tudo aquilo que o trabalhador produziu, mas não recebeu de volta” (a ilustração é um empresário assaltando um assalariado com o revólver);
- “O capitalismo é uma varinha de condão ao contrário: desencanta tudo o que toca” (a ilustração é um monstro que transforma uma escola numa casa de “negócio”);

Muito bem. Feito o pastiche ideológico, vazado em uma linguagem "descolada", supostamente próxima da fala das crianças (com virgulas entre sujeito e verbo a dar com pau), aí o professor houve por bem sistematizar o ensino. E escreveu lá:

O que é capitalismo
Capitalismo é um sistema de organização da economia baseado em vários princípios, dentre os quais se destacam os seguintes:
. Propriedade privada dos meios de produção. As pessoas, individualmente ou reunidas em sociedade, são donas dos meios de produção.
. A transformação da força de trabalho em mercadoria. Quem não é dono dos meios de produção é obrigado a trabalhar em troca de um salário.
. A acumulação do capital. Em princípio, o dono do capital quer produzir pelo menor custo e vender pelo maior preço possível. O lucro é a diferença entre o custo de produção e o preço de venda do produto. Para diminuir os custos, procura pagar o mínimo possível pelas matérias-primas, salários e outros meios de produção.
. A definição de preços é feita pelo mercado, com base na oferta e na procura, isto é, na disputa de interesses entre quem quer comprar e quem quer vender produtos e serviços. No capitalismo, é o mercado que orienta a economia.

A simplificação do que é o capitalismo – de resto, estúpida, errada – pareceu ao valente ainda ligeiramente favorável ao sistema. Então o mestre decidiu acrescentar uma observação:

“A livre concorrência é a competição na venda dos bens e serviços. Na prática, a concorrência em que todos são igualmente livres para produzir, comprar, vender, fixar preços etc não existe. Isso porque o mercado vem sendo dominado por grandes organizações que expandem cada vez mais sua área de atuação através de fusões, incorporações e outros modos de ampliar negócios, eliminando pequenos e médios concorrentes.”

Vocês sabem que há muito tempo me ocupo desse bestialógico que vai nas escolas, nas universidades, nos vestibulares, nas provas do Enem, do Enade etc. Mesmo assim, estou um tanto chocado. Nunca se tinha chegado antes tão baixo - não num material didático preparado para crianças. Lembram-se daquela matéria da VEJA? A maioria dos brasileiros não sabe onde fica o Brasil. Naquele podcast com Diogo, apontei a causa: os professores de geografia não ensinam mais o estudante a ver um mapa. Estão ocupados em “expricá a luta de crasse”.


Por Reinaldo Azevedo

Anônimo disse...

Venezuela – Manifestante anti-Chávez é assassinado a bala
Por Fabiano Maisonnave, na Folha desta terça:
A última semana de campanha eleitoral da Venezuela começou ontem com violentos protestos no interior do país, deixando um saldo de um operário de 19 anos morto e 80 presos, segundo o governo federal. O jovem foi baleado em meio a manifestações contra o projeto de reforma constitucional do presidente Hugo Chávez, que irá a referendo neste domingo.

Anônimo disse...

Cresce instabilidade na Bolívia
Por Ruth Costas, no Estadão:
Seis dos nove departamentos (Estados) bolivianos realizam hoje uma greve geral para protestar contra o modo como foi aprovada a proposta para a nova Constituição do país. A manifestação ocorre em meio a um aumento das tensões entre o governo do presidente Evo Morales e grupos dirigentes desses seis departamentos - Santa Cruz, Pando, Beni, Tarija, Cochabamba e Chuquisaca - que representam cerca de 80% do PIB boliviano. Ontem, os governadores dos departamentos também pediram um referendo para revogar o mandato de Evo.

Anônimo disse...

ABUSO

PTralha Delegado-geral do Pará deixa cargo após criticar menina presa com homens ->

Raimundo Benalussy disse que adolescente tem "alguma debilidade mental".

Todo PTralha é igual: mentem sempre, sao bandidos culpando inocentes.

Anônimo disse...

O MORRO VAI VAIR LULLALAU. ALIAS QUEM TEM BOCA VAIA LULLA-PTOQUIO, QUEM TEM BOQUINHA NAO.