segunda-feira, outubro 08, 2007

A VEZ DOS MALANDROS

Não se trata de negar a essas pessoas o direito de pleitear um cargo eletivo.Afinal, são todos cidadãos maiores de idade, vacinados, e no pleno exercício dos seus direitos políticos. É melhor que consigam por meio do voto do que por outros meios. O que se trata é de mostrar que a cada eleição aumenta o número de pessoas desqualificadas, famosas ou não, a postular um cargo eletivo, em detrimento de pessoas qualificadas, que, por comodismo ou ojeriza à atividade política, se negam a envolver de forma positiva na atividade pública.




O CHOQUE DE GESTÃO PETISTA
O presidente Lula continua a dizer e a praticar absurdos que agridem a lógica e o bom senso administrativo. Na semana passada, disse que “o Brasil não pode ter medo de arrecadar mais, porque o mal do Brasil é que durante muito tempo arrecadou menos”. Primeiro, ele confunde a capacidade de governar com a capacidade de arrecadar. Depois, ele confunde o Brasil com o seu governo: quem arrecada mais não é o Brasil, mas o governo brasileiro, em nome do Estado.

Além do mais, o aumento da arrecadação não advém de recursos captados devido ao crescimento econômico ou ao incremento das exportações. São recursos tomados de modo sistemático e compulsório de uma sociedade cada vez mais empobrecida, especialmente da classe média, o alvo preferencial da ganância governamental.A perda de recursos da sociedade em favor de um governo reconhecidamente corrupto e incapaz significa, ao contrário do que quer Lula , uma perda para o Brasil.

Na mesma linha da declaração de que o “Brasil precisa arrecadar mais”, Lula, desta vez acompanhado da ministra Dilma Roussef, voltou a meter os pés pelas mãos . Ao afirmarem que “choque de gestão é contratar mais funcionários”(Lula), e “choque de gestão é apenas propaganda”(Roussef), o alvo eram as administrações tucanas, em especial a de Aécio Neves , em Minas. Mas o que acabou agredido foi o equilíbrio e o bom senso, em matéria de gestão pública.

Como se sabe, desde que assumiu o governo de Minas, Aécio Neves vem promovendo uma reforma no setor público, investindo na sua racionalização ao promover a contenção de gastos,e o corte e o remanejamento de funcionários.É uma reforma muito tímida, diga-se de passagem. Mas mesmo assim vem provocando aplausos de muitos, e críticas de setores que , como Lula, defendem o inchaço da máquina pública.

O fato é que o choque de gestão é a principal peça publicitária com a qual o governador mineiro conta para a sua pretendida caminhada rumo ao Planalto em 2010. Ao atacar a principal vitrine do tucano, Lula - secundado por Dilma - para muitos, a candidata preferida de Lula, depois dele próprio –, tenta antecipar o debate eleitoral. Mas o faz de forma canhestra.

A VEZ DOS MALANDROS
As eleições municipais de 2010 prometem uma safra de candidatos de fazer rir para não chorar. Sem contar os milhões de anônimos semi-analfabetos, despreparados , venais, oportunistas, espertalhões de toda ordem, sem nenhum compromisso com o bem público, que se lançam a concorrer a uma vaga de vereador, prefeito ou vice-prefeito, as eleições prometem uma outra safra de candidatos que têm a maior parte dos defeitos dos acima mencionados , porém com uma diferença substancial para os partidos, em busca do voto farto do eleitor desinformado: são “famosos”. Famosos, bizarros e decadentes, eu diria.

Encerrado o prazo de filiação para quem pretende disputar as eleições municipais, os partidos apostaram em artistas, ex-atletas e personalidades populares com presença na mídia , na tentativa de puxar votos.Incentivados pelo sucesso de Clodovil ( 494 mil votos) e de Frank Aguiar (145 mil votos ) nas ultimas eleições para o Congresso, nomes do porte de Sérgio Mallandro, Ronaldo Esper, Rafael Ilha Gretchen, Rita Cadillac, Marly Marley, Oscar Marrone ( dono de um prostíbulo de luxo) e Ronaldo ( ex-goleiro) já anunciaram a sua disposição de concorrerem.

Não se trata de negar a essas pessoas o direito de pleitear um cargo eletivo.Afinal, são todos cidadãos maiores de idade, vacinados, e no pleno exercício dos seus direitos políticos. É melhor que consigam por meio do voto do que por outros meios. O que se trata é de mostrar que a cada eleição aumenta o número de pessoas desqualificadas, famosas ou não, a postular um cargo eletivo, em detrimento de pessoas qualificadas, que, por comodismo ou ojeriza à atividade política, se negam a envolver de forma positiva na atividade pública

Enquanto os cidadãos de bem permanecerem atônitos e passivos, descomprometidos com a democracia, o mundo político continuará entregue à escória da sociedade, fazendo com que as conseqüências nefastas de suas ações recaiam sobre todos nós.

080907

3 comentários:

Anônimo disse...

É simplesmente revoltante o que LULA diz. E tem gente que acha graça. Ele zomba de todos, principalmente de quem paga os impostos e sustenta esta corja de Brasilia.Ja passou da hora de se dar um BASTA a esta gente

Karlos disse...

Vc tem toda a razão. Qdo as pessoas de bem se recusam a aparticipar da política, ela é ocupada por pessoas sem nenhuma vocação ou qualificção para tal.E isto abre ocaminho apara que gente como este nivel chegue ao poder. depois todos reclamam do baixo nível dos nossoa políticos

Alberto Valença disse...

Caro Fernando, concordo com você em tudo! Precisamos, todos que podemos contribuir de algum modo para aprimorar nosso país, nos engajar.
Não são os políticos que não prestam. Somos nós que não aprendemos a escolhê-los.
Gente que não tem qualificação existe em todos os campos.
Difícil é você ouvir, impotente, cidadãos até certo ponto esclarecidos, pregarem o voto nulo como se isso fosse uma solução.
Pregar a morte aos ladrões, como se fosse possível matar todos eles. E, ainda que, por hipótese isso fosse viável, não resolveria porque surgiriam muitos mais.
Precisamos exigir melhor educação. Precisamos pregar mais ética.