terça-feira, outubro 02, 2007

O SEM-DIPLOMA E A EXPANSÃO DAS UNIVERSIDADES

Ao adotar uma política de expansão da rede pública universitária, sem adotar critérios que enfatizem a qualidade das novas escolas, Lula poderá estar cometendo o mesmo erro cometIdo por ocasião da expansão da rede pública de ensino fundamental e médio. Se hoje já é difícil encontrar profissionais de nível qualificado , é de se imaginar que tipo de profissionais – médicos , engenheiros , advogados – advirão da proliferação sem critérios de faculdades federais .O governo Lula não pode continuar a fazer da expansão da rede universitária apenas uma vitrine para seus projetos eleitorais futuros. Quem vai sofrer com isto é mais uma vez a qualidade do ensino.


Lula e representantes do Movimento dos Sem Universidade(MSU): a expansão universitária se faz em detrimento da qualidade...


O SEM-DIPLOMA
Na semana passada, o presidente Lula, em visita às futuras instalações da Universidade Federal do ABC, em Santo André, rejeitou a tese de que para ser presidente do Brasil seja necessário ter um diploma universitário. Segundo ele, “saber gerenciar e tomar decisões políticas independem do tempo de estudo”. E concluiu dizendo que “o metalúrgico que não tem diploma universitário vai passar para a História como o presidente que mais fez universidades e escolas técnicas no Brasil”.

Lula, por esta e outra declarações anteriores, parece , fazer da sua condição de sem-diploma um marketing pessoal com fins eleitorais. Talvez esteja querendo enfatizar a sua condição de “homem do povo”, semelhante à maioria dos brasileiros,que, como se sabe, é semi alfabetizada, mas, a se acreditar na lenda, muito intuitiva e prática. Entretanto, ao reafirmar a desnecessidade do diploma universitário para bem governar, o presidente nada mais faz do que dar um pontapé na educação formal, num país onde a carência neste setor é gigantesca.,

Se por um lado é possível que um portador de diploma de ensino superior seja um mal governante e um sem-diploma se revele um ótimo administrador, este fato se constitui numa exceção, pois é inegável que a boa governança exige dos gestores um
cabedal de conhecimentos técnicos , administrativos e jurídicos que vão embasar a sua capacidade de gerenciar e de tomar decisões. E este conjunto de conhecimentos será tanto maior quanto maior for a formação acadêmica do dirigente político.

Lula mais do que a maioria dos brasileiros teve tempo e condições para prestar um vestibular e fazer um curso superior. Não fez porque não quis. Não pode e não deve, portanto, ficar fazendo apologia da sua condição de sem-diploma e , pelo mau exemplo, desestimulando as pessoas que com esforço pessoal e sacrifício financeiro dedicam uma boa parte da sua juventude aos bancos de uma faculdade, na esperança de melhorar de vida.

QUANTIDADE SEM QUALIDADE

O outro aspecto da fala de Lula é a afirmação de que o seu governo multiplicou o número de universidades públicas no Brasil. Segundo ele, até 2010, o governo terá inaugurado dez novas universidades federais e aumentado o número de escolas técnicas de ensino profissionalizante de “140 ( até 2003) para 214”. Mais uma vez, a ênfase na quantidade em detrimento da qualidade. O governo tenta fazer crer que a multiplicação de escolas públicas é um atestado de que o ensino vai bem. Não vai.

É preciso lembrar o que aconteceu com a expansão desordenada do ensino público fundamental e médio , nas últimas décadas. De fato, ocorreu uma expansão de investimentos estatais no setor, com a construção de escolas e a multiplicação do número de matrículas. Mas o crescimento numérico não foi acompanhado por uma proporcional melhoria na qualidade. O resultado é que temos hoje a maioria das crianças e dos adolescentes matriculados em escolas públicas, de onde não saem qualificados nem para o mercado de trabalho – no qual perdem para estudantes oriundos de instituições particulares de ensino – nem para os quadros da cidadania.

Ao adotar uma política de expansão da rede pública universitária, sem adotar critérios que enfatizem a qualidade das novas escolas, Lula poderá estar cometendo o mesmo erro cometIdo por ocasião da expansão da rede pública de ensino fundamental e médio. Se hoje já é difícil encontrar profissionais de nível qualificado , é de se imaginar que tipo de profissionais – médicos , engenheiros , advogados – advirão da proliferação sem critérios de faculdades federais .O governo Lula não pode continuar a fazer da expansão da rede universitária apenas uma vitrine para seus projetos eleitorais futuros. Quem vai sofrer com isto é mais uma vez a qualidade do ensino.
021007

8 comentários:

Rebeca disse...

Fernando,
Fez um excelente artigo.
Concordo com suas análises.
Acrescento: Lula no contexto acha que faz um bom governo e gabando de ter chegado à presidência sem um diploma. Sabemos que não é verdade. Vemos o caos acontecer, o maior número de casos de corrupção.... e a lista é grande....
A banalização do curso superior terá um ônus muito caro para a sociedade daqui há alguns anos. Terá quantidades de universidades, mas profissionais qualificados não haverá.
O curso superior se equiparar ao que é o ensino médio/fundamental atual: não tem qualidade nenhuma. Forma-se apenas analfabetos funcionais. Assim teremos analfabetos funcionais com curso superior.
É mais um engodo do governo Lula apenas.

Luis Hipolito disse...

Tudo bem, Fernando? O seu artigo é muito interessante e postei um link prá ele no meu blog. Um abraço!

Anônimo disse...

02/10/2007 -
A barba do rei -
O STF acata denúncia contra a cúpula do PT, a gestão administrativa do governo é ruim, a máquina pública vem sendo turbinada como nunca antes na história deste país, uma nova TV Pública será criada por MP, os livros didáticos contêm propaganda político-eleitoral do PT etc., etc. Sem oposição, Lula não está nem aí, continua surfando, impoluto. É no que dá a centralização excessiva de poder no Executivo. Sem perceber, já vivemos a monarquia, e Lula é o novo monarca - já tem até a barba de dom Pedro.

Postado por Roberto Jefferson

Anônimo disse...

Blowin' In The Wind//
(versão para a corruPTa realidade brasileira)//

Soprando no vento://

Quantas corrupções precisará um homem cometer/
Antes que possam chamá-lo de Ladrão?/
Sim e quantas denuncias precisará a imprensa escrever/
Antes que possam prendê-lo ou impedí-lo?/
Sim e quantas vezes precisará ser vaiado pelo povo/
Até ser para sempre abandonado?/
A resposta meu amigo, explode no vento/
A resposta está soprando no vento//

Sim, pois calam-se todos os órgãos de controles:/
MP, PF, AGU, TSE, Senado, OAB, UNE, (fala só o TCU)/
calam-se a justiça e o povo com a ração família.//

Quantas vezes precisará um homem cometer irregularidades/
Até poder ir para o xadrez?/
Sim e quantos ouvidos precisará um homem ter/
Até que ele possa ouvir o povo chorar?/
Sim e quantas mortes custará até que ele saiba/
Que gente demais já morreu?/
Sim e quanto do desvio a tudo isso correspondeu?/
A resposta meu amigo, está soprando no vento/
A resposta está soprando no vento//


Sim, pois calam-se todos os órgãos de controles:/
MP, PF, AGU, TSE, Senado, OAB, UNE, (fala só o TCU)/
calam-se a justica e o povo com a ração família.//

Quantos anos pode existir um governo corruPTo/
Antes que ele seja investigado em profundidade?/
Sim e quantos anos podem algumas pessoas no puder existir/
Até que sejam punidas pelos seus atos corruPTos?/
Sim e quantas vezes pode um homem virar sua cabeça/
E fingir que ele simplesmente nada vê?/
A resposta meu amigo está soprando no vento/
A resposta está soprando no vento//


Sim, pois calam-se todos os órgãos de controles:/
MP, PF, AGU, TSE, Senado, OAB, UNE, (fala só o TCU)/
calam-se a justica e o povo com a ração família.///

Anônimo disse...

Pegue-se outro exemplo: o caso dos livros didáticos. É claro que não é possível chegar ao “aparelho” onde se produz a falsificação da história. Mas ela está em curso, garantida pela máquina do Ministério da Educação. Fernando Haddad não tem como controlar tudo o que se escreve para oferecer às nossas crianças. Mas tem como criar uma estrutura imune ao proselitismo vagabundo. Não só não faz isso como incentiva a cadeia de desídia e irresponsabilidade que gera essa monstruosidade. Mas, como demonstrei ontem, por que atuaria se o que ele próprio escreve em nada fica a dever em tolice e simplificação ao que produzem aqueles molestadores infantis?

Teremos uma legião de marxistas delirantes dentro em breve? Não. Até onde a escola funcionar e for relevante — e, infelizmente, é o caso de uma minoria —, teremos uma geração de idiotas, de cretinos, treinados para pensar contra as melhores virtudes das sociedades livres. Antes houvesse uma geração de marxistas que pudesse ser racionalmente combatida — por mais atrasado que isso seja. Mas não. Teremos só uma geração de tontos.

O PT quer, sim, uma ditadura. Na pior das hipóteses, pode nos condenar só à ditadura da estupidez e da mediocridade.


Por Reinaldo Azevedo

Merval-Assis disse...

Lula é a maior prova de que a educação e a cultura nesta pais são coisas desimportantes. Pior é ele fazer apologia da sua condição de homem de poucas letras e poucas cultura. Que estímulo poderão ter os nossos jovesn para estudar se tem como líder uma pessoa tão desqualificada quanto o Luis Inácio???

Melhorou disse...

Concordo de que é preciso melhorar a qualidade do ensino de nosas escolas, mas não se pode negar que através do Fundef e do Prouni os investimentos na área têm sido maiores. O problema agora é de gerenciamento. Realmente o governo Lula tem feito algo pela educação. As críticas são injustas e descabíveis

rosena disse...

Fernando Olhe a perola que o Noblat selecionou para frase do dia
"Eu sou a única alternância de poder em 500 anos de história do país. Se eu errar vão dizer que trabalhador não sabe governar."
QUEM? QUEM PODERIA SER?"