terça-feira, agosto 21, 2007

O MENSALÃO NO BANCO DOS RÉUS

Não fosse pelo trabalho da CPI dos Correios, e pela maneira corajosa e digna com que agiu o procurador geral da República Antonio Fernando, e o grande escândalo já teria caído no esquecimento . O STF não prima pela tradição de celeridade, eficiência e senso de justiça em seus julgamentos . Tem a fama de ser uma instituição tomada por injunções de ordem política, corporativa e ideológica.Mesmo assim , espera-se um processo longo, que poderá durar muitos anos ate que a sociedade saiba quem será e quem não será punido. Espero que estejamos todos vivos até lá, e que a justiça seja feita.


FOTO:O Procurador Geral , Antonio Fernando, e alguns dos indiciados no escândalo do mensalão

O MENSALÃO NO BANCO DOS RÉUS
Antes tarde do que nunca. Felizmente, mais de dois anos após a revelação do escândalo do mensalão, o STF começará a analisar nesta quarta feira a denúncia do procurador geral da República contra 40 nomes, entre ministros , dirigentes de estatais, dirigentes partidários , funcionários públicos graduados, empresários e deputados federais, indiciados por participarem do maior esquema de corrupção da história republicana.Entre os acusados figuram nomes que, até o inicio do escândalo, eram considerados astros de primeira grandeza no governo Lula ou na sua base de apoio no Congresso: José Dirceu, Luis Gushiken, José Genoino, João Paulo Cunha, Delúbio Soares, Roberto Jefferson, Valdemar Costa Neto, e Duda Mendonça.

Quem não tem memória curta se lembra muito bem. Tudo começou com uma denúncia de que um funcionário dos Correios havia se deixado corromper por 3000 reais. Revelou-se então que os Correios era território sob o comando do presidente do PTB,deputado federal Roberto Jefferson, dentro da política de distribuição de cargos em troca de apoio no Congresso. Segundo denúncias da revista Veja, Jefferson e o diretor de Administração dos Correios , Antonio Osório Batista, chefiariam um esquema de corrupção para fraudar licitações na empresa.

Colocado contra a parede, Jefferson se considerou traído pelo PT, e, numa atitude pouco usual na política brasileira, resolveu botar a boca no trombone. Numa entrevista ao jornal Folha de S Paulo, em 6 de junho de 2005, denunciou que funcionava no governo um esquema de pagamento de propinas à deputados da base se apoio ao governo, coordenado pelo chefe da Casa Civil, José Dirceu, e operacionalizado pelo empresário mineiro Marcos Valério.

As denúncias de Jefferson foram , em sua maioria, confirmadas pela CPI dos Correios, originalmente instituída para investigar as denúncias de irregularidades em estatais , mas que acabou sendo tomada pelo assunto mensalão. Do dia 9 de junho de 2005, quando foi instalada, até o dia 4 de abril de 2006, quando o relatório final foi aprovado, a CPI tornou-se o centro das atenções do país ao revelar um universo de crimes contra o erário, contra as instituições, e contra a ética.

Durante os mais de 200 depoimentos prestados à CPI, o público tomou conhecimento de um rosário de ilicitudes que incluía corrupção ativa e passiva, lavagem de dinheiro, evasão ilegal de divisas, financiamento ilegal de campanhas eleitorais, fraudes contra o fisco,peculato, formação de quadrilha e tantas outras. No total, o esquema do valerioduto movimentou mais de 2 bilhões de reais.Em síntese, tratava-se de um amplo esquema de corrupção arquitetado pelo governo e pelo PT ,visando corromper parlamentares para garantir o fortalecimento e a perpetuação do poder do governo Lula. Estas foram as conclusões contidas no relatório da CPI, e o núcleo central da denúncia enviada pelo procurador Antonio Fernando de Souza ao STF.

Em qualquer país civilizado e democrático , metade do conteúdo de tais revelações já seria motivo suficiente para a queda de governo. No Brasil as coisas costumam acontecer de um modo e num ritmo muito diferente. Pressionado pela mídia e por uma parcela significativa da opinião pública, o nosso presidente preferiu dar uma de tolo: declarou que desconhecia completamente o esquema e disse que se sentia traído. Com isto, conseguiu fazer com que sua figura passasse ao largo da crise que fazia sucumbir, um a um, muitos de seus amigos diletos e auxiliares mais próximos. Para isto contou com a colaboração decisiva dos partidos de oposição que no auge das denúncias contra o governo, e supondo que a imagem de Lula já estava definitivamente manchada,foram lenientes com ele.Preferiram deixa-lo “sangrando” a abrir um processo de impeachment.

Tucanos e pefelistas ( atuais democratas), ao invés de assumirem as suas responsabilidades como oposição ao governo, optaram pela perspectiva do que supunham uma fácil conquista do poder nas eleições de 2006.A tibieza , a negligência e o medo dos oposicionistas demonstraram durante a crise – em grande parte devido à revelação de que o mesmo Marcos Valério já havia sido o responsável em Minas por um esquema de financiamento irregular da campanha do tucano Eduardo Azeredo ao governo do estado -foram fatais para as suas pretensões eleitorais.Em pouco tempo, Lula deixou a UTI, recuperou a saúde política, e apoiado num programa de distribuição de dinheiro às famílias pobres, e numa bem montada máquina de propaganda, partiu célere para a reeleição.

Não fosse pelo trabalho da CPI dos Correios – já que a outra CPI, a do Mensalão, não passou de uma farsa – e, mais ainda, pela maneira corajosa e digna com que agiu o procurador geral da República Antonio Fernando, e o grande escândalo já teria caído no esquecimento A máquina publicitária do governo provavelmente já teria, pela repetição do velho discurso ideológico, convencido à maioria de que tudo não havia passado de uma grande farsa, montada pelas “elites” para golpear o governo de Lula.

Pelo menos o assunto não está morto e enterrado, e aguarda o julgamento do Supremo. O STF não prima pela tradição de celeridade, eficiência e senso de justiça em seus julgamentos . Tem a fama de ser uma instituição tomada por injunções de ordem política, corporativa e ideológica. Como informou, ontem, o blog do jornalista Ricardo Noblat, (http://oglobo.globo.com/pais/noblat/ ) “em 40 anos o STF nunca condenou uma autoridade. Foi rápido, por exemplo, para julgar o ex-presidente Fernando Collor, absolvido dois anos depois de cair. Em compensação, arrasta-se ali há seis anos processo contra o deputado Jader Barbalho (PMDB-PA), acusado de corrupção.”

Pode ser que desta vez o Supremo contrarie a regra. Mesmo assim , espera-se um processo longo, que poderá durar muitos anos ate que a sociedade saiba quem será e quem não será punido. Espero que estejamos todos vivos até lá, e que a justiça seja feita.
210807

11 comentários:

Elia Gann disse...

Pelo visto, para o autor o que menos importa é a manifestação da Justiça. Ele pretende, por todas as formas, que o atual governo seja prejudicado qualquer que seja a decisão. Interessante opinião essa, já que parte de alguém que a priori considerou todos culpados antes de qualquer processo judicial. Vai ser parcial assim lá na Conchinchina!

rosena disse...

Fernando ===está em jogo se vai ou não vai haver investigação. É isso que se vai decidir.. se a decisão vier para que não haja nem a investigaço, aí mesmo é que não vai sobrar nada...Nem Executivo, nem Legislativo nem Judiciário...
um abraço

TÁ FALTANDO UM!!! disse...

Esta é do Bob Jefferson no seu blog
O eterno ausente

Na coluna de hoje em O Globo, Ricardo Noblat diz que "falta alguém na lista dos 40 denunciados por envolvimento com o caso do mensalão". Concordo, falta mesmo; falta o homem que nunca vê, nunca ouve, que nada sabe - é o macaquinho de souvenir. Relendo a denúncia do procurador-geral da República, dom Antonio Fernando de Souza, o impoluto, me inspirei e vou cantar aqui uma marchinha em homenagem a ele, o eterno ausente: "Ô zum-zum-zum-zum-zum-zum-zum, tá faltando um".

Leo Ribeiro disse...

Eu tb gostaria de acreditar na justiça deste país. Mas dá para acreditar num tribunal onde mais da metade dos seus componentes foram indicados pleo presidente LULA? A quem vc imagina que este tribunal está a serviço?Da justiça ou do governo do molusco?
Ja estão fazendo palnos para a volta triunfal de Zé Dirceu. Ele será absolvido pelo tribunal,ganhará anistia política e será convidado pelo molusco para fazer parte de seu governo e preparar o terceiro mandato de LULA.

Anônimo disse...

O STF vai enrolar este julgamento até o dia de São Nunca. è uma gigantesca farsa!!!

Reinaldo disse...

Olá Fernando
Eu tambem boto fé no procurador-geral da República, a altura de todos os adjetivos que usou. Espero que a turma do STF tenha a hombridade, dignidade e coragem de devolver à sociedade os valores morais roubados por este governo.Seria o primeiro passo para uma saida da degradação em que vivemos!

Rebeca disse...

Olá Fernando,
Como diz o ditado: “a esperança é a última que morre”.
E então, gostaria que fosse verdade mesmo. Não acredito mais.
O escândalo do mensalão ainda não está morto, está na memória de muitos brasileiros desejando que haja justiça; que o dinheiro seja devolvido aos cofres públicos......etc
Mas, até o STF (por sua características, tradição e principalmente os seus indicados) atuará por longos anos a fio neste caso até que nós brasileiros que estamos atentos hoje, estejamos velhos e com memória ruim, confundindo tudo. Mais uma vez acabará em pizza. Adorava pizza e estou começando a detestar. rsrsrs.

choro de tucano disse...

O pessoal que comenta asneiras aqui, precisa sempre que possivel, ler ou ouvir os absurdos que criou-se na historia do mensalao. Vou lançar um repto aqui, se os de poucos neuronios sao capazes de dizer qual é a culpa de cada um, ou da pessoa a qual ele pede a puniçao, mas sem ouvir os telejornais e sem ler alguma das barbaridades publicadas, para testarmos se eles teem opiniao propria, o que duvido muito

Bia disse...

Oi choro de tucano!!!!
Já tá fantasiado com seu narizinho de palhaço? Bem vermelho tá?!! O espetáculo já vai começar!!!!!E deem boas risadas pessoal para espantar as tristezas, a vergonha de ser brasileiro e ver que neste país nada pode ser levado a sério. Mais uma vez o escândalo do mensalão mostra que leva a melhor são somente eles.

Bia disse...

ops....correção básica:
Mais uma vez o escândalo do mensalão mostra que quem leva a melhor são somente eles.

leo disse...

Mesmo se os divinos aceitarem a denuncia do MPF contra 40 residuos fecais que assessoravam o Estado brasileiro, esses restos humanos terão suas sentenças prolatadas no ano de 20047, no minimo.Até lá ficarão poluindo os vasos sanitarios sosa Ministerios e do palácio do governo.O que me deixa ainda menos estressados é saber que não são imortais.