quarta-feira, maio 23, 2007

AMEAÇA À DEMOCRACIA

A descoberta e a revelação de sucessivos esquemas de corrupção, marca dos últimos anos de nossa política, deveria ser motivo de alegria por aqueles que defendem o aprimoramento de nossa democracia, não viessem acompanhadas pela certeza da absoluta impunidade. Afinal, a corrupção, infelizmente, é inerente ao processo da ação do Estado no sentido de tomar recursos do cidadão e transforma-los em ações públicas, tanto aqui como no Japão, na Alemanha, na Itália ou na China.O grande problema é que no Brasil o desvio ilegal destes recursos para os bolsos de políticos e empresários quase nunca é punido, e o crime parece compensar.


AMEAÇA À DEMOCRACIA

A descoberta e a revelação de sucessivos esquemas de corrupção, marca dos últimos anos de nossa política, deveria ser motivo de alegria por aqueles que defendem o aprimoramento de nossa democracia, não viessem acompanhadas pela certeza da absoluta impunidade. Afinal, a corrupção, infelizmente, é inerente ao processo da ação do Estado no sentido de tomar recursos do cidadão e transforma-los em ações públicas, tanto aqui como no Japão, na Alemanha, na Itália ou na China.O grande problema é que no Brasil o desvio ilegal destes recursos para os bolsos de políticos e empresários quase nunca é punido, e o crime parece compensar.

Em artigo anterior salientei que vem sendo, até certo ponto, positivas as ações do Ministério Público e da Polícia federal no combate às quadrilhas que se especializaram em assaltar os cofres públicos tanto a nível federal, municipal ou estadual. O problema é quando os processos vão dar no Judiciário, onde esbarram na lentidão, na incompetência ou na cumplicidade de criminosos disfarçados de magistrados.

A presente ação da PF revelando uma rede de desvio de dinheiro público comandada pelo empreiteiro Zuleido Veras, dono da Construtora Gautama, é uma das maiores já desbaratadas no Brasil e envolve diretamente políticos , empresários e até um ministro do governo Lula-o agora demissionário Silas Rondeau, de Minas e Energia. Pode ser apenas a ponta de um gigantesco iceberg que, se revelado por completo, pode comprometer definitivamente muitos figurões desta República. Sabe-se que esquemas de corrupção envolvendo empreiteiras e políticos são muito antigos no Brasil, mas pela primeira vez um esquema desta ordem é desbaratado e alguns personagens graúdos foram obrigados a passar algumas horas na prisão.Apesar da ação independente da PF ter sido comemorada por certos setores petistas como mais uma obra do governo Lula, a verdade é que o desencadeamento da Operação Navalha mais pareceu uma ameaça da PF- em plena campanha salarial - aos escalões superiores do governo no sentido de que as suas reivindicações salariais fossem atendidas, do que uma ação respaldada pelo governo e com pleno conhecimento prévio do setor político deste .


Aliás,o que o governo Lula tem feito é dado a sua grande parcela de contribuição para que estes esquemas corruptos permaneçam e se multipliquem com intensidade.Ao aumentar o número de ministérios, secretarias e órgãos governamentais para atender as exigências de políticos e de partidos que compõem o que Lula chama de “coalizão governamental”, o governo não faz outra coisa a não ser inflar a máquina estatal e sobre ela perder o controle. Os ministros passam a ser escolhidos não mais em função de sua competência ou do grau de confiança que o presidente tem em relação a eles, mas como resultado do puro e simples loteamento de cargos entre os partidos e os caciques que constituem a tal base de apoio ao governo no Congresso. Resultado: o presidente mal conhece grande parte de seus ministros, e estes, diante de um presidente inepto, se sentem liberados para praticar toda sorte de malfeitos.

A sociedade tem acompanhado com um misto de interesse e preocupação o desenrolar dos acontecimentos e, evidentemente, torce para que desta vez não termine em pizza. Os políticos, pegos de surpresa, agem com cautela e com temor. Mesmo a oposição, tão valente quando as suspeitas recaem apenas sobre gente ligada ao governo, está acuada e constrangida com a revelação de que as irregularidades e os crimes revelados também são protagonizados por gente de seu plantel, ou seja, os suspeitos não estão apenas no PT, PMDB, mas também no PSDB e no DEM.


Como disse, não bastam as ações espetaculares da PF ou a ação diligente de alguns procuradores mais dedicados. O que o País precisa é de uma gigantesca operação limpeza, centralizada nos propósitos e nas ações, envolvendo os três poderes da República e as demais instituições democráticas, no sentido de que o combate à corrupção seja uma ação permanente e efetiva do Estado, não apenas ações pontuais e esporádicas de alguns órgãos, motivados , quem sabe?, por questões de caráter corporativo . Trata-se aqui de preservar a própria Democracia.Mas seria utopia acreditar que tal seria possível com o governo que temos, o Congresso que temos e a Justiça que temos. Um governo que a menos de dois anos foi protagonista de um dos maiores escândalos de corrupção da História Republicana. Um Congresso dominado por sanguessugas, mensaleiros impunes. Uma Justiça morosa e comprometida com esquemas mafioso,sempre pronta a ser fraca com os fortes e forte com os fracos. Enfim, uma justiça injusta.E tudo sobre o alicerce de uma sociedade acomodada.Realmente, a nossa claudicante democracia corre perigo.Ou estarei sendo pessimista?
230507

16 comentários:

TURCOMESTRE disse...

Silas Rondeau, indicado pela dupla Sarney/Renan, bancado por Dilma Roussef, que passeia nas águas da Bahia com Jaques Wagner no barco de Zuleido Veras, que pagava propinas pra Silas Rondeau? Fechou?

rosena disse...

Fernando ----basta se ler os destaques de todos os jornais do país ! Quem é o único responsável por tantas nomeações excusas de ministros neste amado e espoliado Brasil ?? acertou em cheio só ele ! entaõ porque não se muda quem tão é incompetente ? Vc disse bem Lula vende até a alma para conseguir a maoria do congresso e depois vem com aquela cara de quem é o último a saber.

Anônimo disse...

Lula deveria seguir um antigo provérbio: "Diga-me com quem andas e te direi quem és" e não mais engolir indicações do senador José Sarney.

Rebeca disse...

Mais uma vez Fernando você fez uma boa análise crítica da situação atual da política.
E mais uma vez vemos decorrer um escândalo maior ainda e SEM PUNIDADE REAL.
Cadê a nossa justiça “justa” para com todos?
Será que a PF “desvendou agora” mais este caso de corrupção no governo Lula, assim...como um dever cumprido? Claro que não. Tudo isto veio a tona por questões políticas salariais prometidas e não cumpridas e como um aviso: colocamos a boca no trombone e divulgamos tudo. Nos paga heimmmm???!!!! Lula e demais ministros estarão no apuro, dando um ar de mais uma vez “deve-se fazer o que for necessário”.....Se der o aumento salarial a PF(nada mais justo depois do aumento salarial dos parlamentares) terá um efeito dominó: os demais funcionários vão querer também.
E o melhor ditado para Lula seria: faça o que digo, mas não faça o que faço. Lula é o maior paradoxo do cenário político brasileiro e conhece muito bem os "meus companheiros".São farinha do mesmo saco.

reinaldo disse...

Fernando Suas excelências querem criar o movimento anticorrupção e ao mesmo tempo instalar mais uma desacreditada CPI, o que todos sabem que jamais dá em nada. O que os senhores políticos deveriam fazer era tomar as assinaturas para a Reforma Política de verdade. Mas só em ouvirem falar nesse assunto, os senhores estadistas instintivamente botam uma mão no coração e a outra no bolso.

nidia disse...

Gente, estamos encrencados mesmo. Agora isso já não é apenas conversa de blog, a idéia tornou-se pública, em alto e bom som os analistas políticos, os jornalistas e o povo enfim, todos estão conscientes de como funciona os bastidores da política.
Essa operação da PF ao contrário de me deixar contente, me deixa muito preocupada. Sabemos que os ladrões não vão ser punidos, não ficaram presos e nem devolveram o dinheiro roubado, ou seja vão fortalecer, mais uma vez, esses bandidos, que terão mais uma vez a certeza da impunidade.
Mas nós sabemos que o ser humano é de natureza insatisfeita, sempre querem mais. Todo homem quando alcança o seu objetivo, atinge uma meta, não se dá tempo de se sentir realizado, ele já está pensando no próximo desafio. Quando essa atitude é equilibrada, dentro de um contexto positivo, pode ser até benéfica. Mas no caso dos políticos é ganância mesmo. Então, como eu já disse aqui, fico preocupada com o que virá. Se a impunidade é a lei da vez, tudo é permitido. Então, no futuro, essa briga poderá ser com AR15 e sei mais o que. No cenário político a gente já tem dificuldade de separar as coisas, quem é polícia, quem é bandido, quem é traficante... Quem manda afinal?

nidia disse...

Ops, se o nosso amigo Júlio estiver lendo, vai chiar com os erros de português...
Um abraço confortador a todos

Sales disse...

Ou o Brasil acaba com a corrupção ou a corrupção acaba com o Brasil. Não tem saida.O tucanato paulista faz vistas grossas às falcatruas petistas pq tem culpa no cartório e pq querem um acordo com LUlla visando 2014...2014 ??? ,perguntarão os incrédulos. è 2014 mesmo!!!. Políticos brasileiros quando se trata de garantir os seus futuros pensam longe. Enquanto isso, Lulla garante que o tal se Rondeau não sei das quantas é um santo e da ao PMDB a segunda chance de escolher o seu sucessor...A dupla Sarney e Renan novamente em ação não perdem tempo e escolhem um João Ningué qualquer para servir de laranja no esquemão do assalto aos cofres publicos. Política no Brasil é assi m mesmo...

Anônimo disse...

Não adianta ser purista e querer que a política seja uma coisa de anjos. Infelizmente tem que se botar a mão na m para se governar. Pergunto ao autor do artigo: que sugestão ele daria para que Lula consiga governar o país com o apoio da maioria do Congresso, sem que ele tenh que entregar aos urubus pedaços da carniça. Esta é a nossa realidade. É a realidade de nossa democracia(????)

nidia disse...

É isso aí meu caro anônimo. O lula, todo certinho, cheio de achar que tinha competência prá apontar os erros dos outros, e por muito tempo encheu o saco de todo mundo com ideologias e indignações, mostrando o erro dos políticos, quando se viu na reta, tratou logo de abrir as pernas... (desculpe os termos Fernando, mas é que já estou sem paciência). Isso salta aos olhos. Mas o que nos preocupa é justamente o caminho da "nossa democracia". Se as coisas continuarem assim, onde isso vai parar?
Não venham me dizer que a dívida externa foi reduzida, que a bolsa bate record, que a moeda brasileira está se valorizando... Isso é se contentar com MIGALHAS num país que tem um grande potencial, que arrecada absurdo de grana suada e LIMPA, e que merecia um melhor destino.

Fernando Soares disse...

Ao Anônimo: Eu me preocupo pouco com os urubus, muito menos com carniça. O que me impele a passar parte do meu tempo a analisar a a nossa política e criticar o comportamento dos políticos é a maneira despudorada com que eles manipulam, a seu bel prazer, um bem que é meu,é seu e é de todos nós. E que é fruto do nosso trabalho e suor.Não me importa como Lula vai fazer para conseguir a maioria no Congresso, mas quero que ele se comporte decentemente, ou então... Fora!!
É claro que não acredito em anjos , mas acredito que existam maneiras menos cafajeste de se fazer política. Muitos países já conseguiram. É só o cidadão não se conformar e achar que tudo é normal.

nidia disse...

Ah! aliás, fazendo uma análise de comentário feito aqui: que a nossa moeda está se valorizando!!! Isso não é verdade. Acontece que juros altos atraem investidores estrangeiros que trazem dólares para serem aplicados em bancos brasileiros. É seguro? Sim, no momento o risco Brasil é baixo por conta da redução da dívida externa. Quem ganha com isso? OS BANQUEIROS, é óbvio. Nossa moeda é forte? Não, pq não temos lastro, nossa economia está ruim, nossa produção é baixa. Então o valor do dolar está caindo, apesar do governo intervir comprando dolar, por conta do investimento especulativo estrangeiro.

Meline disse...

Pessoal,
O abuso, a certeza da impunidade, o desrespeito com o dinheiro público já passou do limite do aceitável. É a primeira que vez que sinto “que ser honesto” é ter vergonha. No Brasil se exalta a malandragem, a picaretagem, ser corrupto. Isto é uma ameaça a democracia do país.

reinaldo disse...

Fernando, o show de horrores prossegue. Senti vergonha ontem em ver um nosso representante político do mais alto cargo do Senado fazer aquele discurso de olhos baixos e procurando salvar a própria pele às custas da sua família e da filha espúria. Se ele fosse japonês iria se empalar, digo, cometer o haraquiri, mas como é um tupininquim sem brio algum, dirá apenas: e aí gente, foi mal né, mas nós somos todos iguais aqui, finjamos que não houve nada.

Rebeca disse...

Reinaldo,
Eu também tive vergonha, asco, nojo de ver uma pessoa tão sem escrúpulo ocupando um cargo tão importante......... no final, como vc disse, usando como escudo sua família .......ser aplaudido por ser corrupto, adultero. É sinal dos fins dos tempos, da falta de valores dignos para compor uma família. É imoral, amoral. É vergonhoso para todos nós.
Só podemos ter repúdio a ele e aos demais senadores.

Rebeca disse...

Fernando,
Peço licença a vc e publico aqui parte do artigo do blog do Reinaldo.Pq?
Para complementar o meu comentário de repúdio a cena vista por todos nós, ontem, na tentativa de justificar o injustificado: caso de corrupção, adultério, exposição de forma negativa da família. Compartilho dos mesmos valores feitos por Reinaldo em seu artigo: a família sempre em primeiro lugar e educação de qualidade.
"Reinaldão, um feminista, Renan e o que diria Cícero


E ainda dizem que Bento 16 é muito exigente, não é? Seguisse o presidente do Senado os Dez Mandamentos da Lei de Deus, não estaria agora em apuros. Para quem não se lembra do Catecismo, lá vão de forma resumida:

1. Amar a Deus sobre todas as coisas.
2. Não tomar Seu santo nome em vão.
3. Guardar domingos e festas.
4. Honrar pai e mãe.
5. Não matar.
6. Não pecar contra a castidade.
7. Não furtar.
8. Não levantar falso testemunho.
9. Não desejar a mulher do próximo.
10. Não cobiçar as coisas alheias

Eu não duvido, embora saiba haver quem duvide, de que há acima regras básicas para uma vida privada e pública civilizada e decente. Admito que os ateus ou agnósticos, políticos ou não, possam ignorar os mandamentos 1, 2, 3 e 6 sem que lhes sobrevenham contratempos severos de ordem prática. Mas os outros seis... Ajoelhe-se você diante do Altíssimo, de Buda ou de uma carranca, convém respeitá-los. Um único pecado basta para danar uma vida. A combinação de dois deles pode ser explosiva.


Renan armou um espetáculo deprimente. Começou — ele, sim, não a VEJA — por macular a família como instituição. A presença ali, de sua mulher, em vez de mimetizar uma Hillary Clinton (afinal, a mulher de Bill era personalidade pública; tanto é assim que é, hoje, a mais forte pré-candidata do Partido Democrata à Presidência), apenas servia ao melodrama, expondo-a ainda mais à curiosidade pública. Já não bastava que a alcova paralela fosse forçosamente tema da sua peroração, ele também escancarou, aos olhos da nação, a alcova oficial, a intimidade do seu lar, submetendo seu lar ao vexame. Mas, claro, sempre se dizendo muito constrangido. Se Hillary, ao se prestar àquele papel, ganhava pontos, como se viu em sua trajetória política — não custa lembrar que ela denunciou um suposto complô da direita —, a mulher de Renan nada levou. Ao contrário: aviltou-se; representou a Amélia de plantão; fez-se a grande mulher por trás de um... pequeno homem. Pequeníssimo.

Não! Não vimos nada de moderno ou civilizado nesta segunda-feira. Ao contrário. Sou feminista. Sou casado com mulher. Tenho duas filhas. Eu as quero felizes e seres integrais. Eu educo as meninas para que nunca se vejam na contingência de ter de passar por isso. Quando Bento 16 falou da dissolução do casamento como uma “chaga” — e não “praga” —, foi tratado por certa mídia “progressista” como um cão sarnento, atacado por seu conservadorismo insuportável.

O que quero observar aqui é que, ao desrespeitar aquele padrão dito conservador do papa, Renan Calheiros foi, ele sim, um reacionário. A figura de sua mulher era a da submissão, a da humilhação, a de uma peça de propaganda que só servia à sua lenda pessoal..

E me dei conta de que esta qualidade de políticos acabava de roubar mais um pedacinho do território da nossa decência.
Na ânsia de se defender do que há de grave contra ele na esfera pública — a suspeita de relações incestuosas com uma empreiteira —, Renan alargou a fresta por onde apenas se entrevia a sua vida privada, escancarando-a. No vale-tudo para salvar a sua carreira política, transformou num espetáculo a sua vida pessoal, chamando a própria mulher para coadjuvar a sua pantomima. Sei bem que ela foi lá porque quis; algum benefício há de haurir ao desempenhar tão triste papel. Isso é problema dela. Interesso-me pela vida sexual do casal Calheiros tanto quanto pela de um porco-espinho. O presidente do Congresso Nacional, vestindo a roupagem do coronel, expunha a sua “senhora” à curiosidade pública. E isso importa, sim.

Neste momento, macula-se bem mais do que o espaço da vida político-partidária. Essa mácula, Renan a carrega já desde a sua intimidade com o lobista de uma empreiteira. Macula-se, atenção!, um espaço tão o mais sagrado: o da vivência amorosa, o das relações afetivas, justamente o da família, onde, afinal de contas, tudo começa. Boa parte dos problemas ditos sociais no Brasil decorre, acreditem, da degeneração de costumes, da falta do respeito básico e elementar do marido por sua mulher, da mulher por seu marido, do casal por seus filhos, dos filhos pelos pais. Isso em qualquer classe social, tenham as pessoas a escolaridade que for. Esse laxismo está longe de fazer a felicidade das famílias; ao contrário, é fonte de danação. Mas, claro, eu sou “reacionário”, “de direita”, é bom não esquecer.

O senador não quebrou nenhum tabu com vistas a uma sociedade mais moderna ou libertária. Ao contrário: fez o país regredir; fez regredir as mulheres, expostas, na figura de uma, a um ritual grotesco de humilhação, A chaga da degeneração dos costumes, públicos e privados, instalou-se no topo do poder."

É a desmoraliazação da família em rede nacional.