terça-feira, fevereiro 27, 2007

A ÉTICA DA MALANDRAGEM

Estão nestes setores -pessoas que ainda conseguem se indignar com este quadro de crise moral e passividade governamental - a esperança de que não ficaremos entregues à banalização generalizada e poderemos fazer o que outros países já fizeram: construir um País onde o trabalho honesto, o respeito aos valores morais e éticos, o espírito público dos governantes e a consciência e a prática da cidadania sejam regra e não exceção...



A ÉTICA DA MALANDRAGEM

O Brasil vive uma grande crise moral e ética que atinge toda sociedade, perpassa as instituições, e se reflete no ânimo e no funcionamento da Nação como um todo. Nunca, em toda a nossa História, a vida humana foi tão aviltada, o respeito às normas de convivência social foi tão negligenciado, os valores morais e éticos foram tão desconsiderados. Finalmente, e infelizmente, a velha teoria do levar vantagem em tudo, que se popularizou na década de 70, através de um comercial de cigarros protagonizado pelo ex-jogador Gérson, concretizou-se como referência padrão de uma grande parcela de nossa sociedade, atingindo indistintamente ricos e pobres. Enfim, substituímos a verdadeira ética por uma espécie de ética da malandragem.

A busca do ganho fácil, da vantagem ilícita, do enriquecimento a qualquer custo, do esbanjamento, do desperdício e do consumismo desenfreado, se tornaram muito mais importantes do que a ênfase nos estudos, o trabalho duro e honesto , o esforço persistente , a valorização da poupança e da previdência. O país parece ter sido tomado por projetos pessoais e coletivos para o próximo mês, próxima estação,para o próximo semestre, mas pouco se planeja para futuras gerações, o que pode ser comprovado pela pouca importância atribuída à educação básica.

O desprezo pela vida nunca assumiu proporções tão gigantescas como agora. A violência e a criminalidade, alimentadas pelo tráfico de drogas e pela impunidade, se sucedem e se avolumam de tal forma que, paradoxalmente, ao invés de alimentar um sentimento de repúdio e de indignação, parece ter banalizado, ante os olhos da sociedade e dos governantes, a perversão e a barbárie. Muitos, sustentados por argumentos de uma pseudo -sociologia tentam justificar tais crimes, e a violência de modo geral, como uma suposta reação da pobreza contra a desigualdade social existente no país.Pura balela. O fato é que passados os primeiros momentos de choque e de comoção causados por acontecimentos trágicos como o assassinato do garoto João Hélio, a sociedade, anestesiada, retoma os seus afazeres, e os governantes a sua rotina de conchavos e disputas por cargos, prestígio e poder.

Toda esta crise que permeia a nossa sociedade, é óbvio, não poderia deixar de se refletir na fraqueza das instituições e na ineficiência do poder político. A pouca relevância atribuída aos valores morais e éticos aliada ao completo descaso com a educação fazem com que a prática da cidadania seja tão incipiente que tem ensejado uma sucessão de governos medíocres e legislativos corruptos. Tomemos o governo Lula da Silva como o exemplo mais significativo de uma situação que se repete nos níveis estadual e municipal. A reeleição do presidente Lula é um sintoma claro deste processo de banalização da sociedade que se reflete na política. O governo Lula é ao mesmo tempo, causa e sintoma deste processo.


Nada, no seu primeiro mandato estava a indicar que Lula seria merecedor de tão grande beneplácito popular.Realizando um governo medíocre , no qual a principal referência - a estabilidade econômica - foi uma conquista do governo anterior, seus dois últimos anos do primeiro mandato foram, ainda , enlameados por uma sucessão de denúncias envolvendo ministros, partidários, aliados, amigos e parentes do presidente, que o Procurador Geral Antonio Fernando de Souza denominou, apropriadamente, de “quadrilha”.Pois bem, apesar de tudo, a condescendência ou a cumplicidade de uma grande parcela do povo deram a Lula uma segunda chance, seduzidos por uma propaganda enganosa ou cooptados pelo dinheiro do programa "Bolsa -Familia". Isto, apesar de todas os indicadores e evidências mostrarem um país com baixa taxa de crescimento econômico, pouca atenção do governo com setores fundamentais - educação, saúde, segurança e saneamento - e nenhum projeto consistente tanto no plano econômico quanto no campo social que apontasse uma luz no final do túnel. Pelo contrário, o governo petista mais do que qualquer outro, incorporou a ética da malandragem e da esperteza, fez da política social um mero assistencialismo, investiu pesado na propaganda enganosa, e fortaleceu a tendência a igualar tudo por baixo, levando ao empobrecimento gradativo e constante da classe média.

Voltando ao ponto de partida, esta banalização da sociedade que se reflete sobre governos mediocres e estes,por sua vez se refletem negativamente sobre a sociedade,num ciclo vicioso que parece nunca chegar ao fim. E realmente nunca vai chegar, se setores mais esclarecidos da sociedade - eles ainda existem!- permanecerem inertes. Estão nestes setores -pessoas que ainda conseguem se indignar com este quadro de crise moral e passividade governamental - a esperança de que não ficaremos entregues à banalização generalizada e poderemos fazer o que outros países já fizeram: construir um País onde o trabalho honesto, o respeito aos valores morais e éticos, o espírito público dos governantes e a consciência e a prática da cidadania sejam predominantes na sociedade e no poder público, e não apenas exceção, como acontece agora.

270207

10 comentários:

Anônimo disse...

Mais uma do que vc chama de ética da malandragem:Ontem a noite no programa Roda Viva, gerado pela TV Cultura, o governador do Estado do Rio, Sergio Cabral Filho, propôs o debate de duas questões extremamente polêmicas.
A liberação do comercio das drogas (e não apenas a descriminalização dos usuários, que já existe) e a permissão do aborto (citando Espanha e Portugal).
A grande pergunta é: o que pretende o governador carioca com essas duas medidas que só alimentam o crime organizado?

ricardo disse...

Fernando, e quem se liga na educação neste país?Vejo que o que toda garota bonitinha quer ser é "modelo". Já o garoto que dá uns chutes na bola quer ser jogador de futebol. Eu não os culpo por isto. O culpado é um país que despreza ea educação, a ciência , a tecnologia e as artes em geral. Não podendo ser Gisele Bunchem ou Ronaldinho, acabam se tornado frustrados, marginais ou prostitutas.

Anônimo disse...

Que horror!!!!
O que o aborto tem haver com o crime organizado? Esse blog é repleto de textos preconceituosos e racistas que merda!
Também o que esperar de um traste imitador do Nazi pró invasão do Brasil pelos Amerikkkanos como o Reinaldo Azevedo que horror!!!!!

Plínio Salgado
Rompendoasamarras@hotmail.com

nidia disse...

É, vê-se que para algumas pessoas o Brasil vai bem, obrigado. Violência, corrupção, arbritariedades, desrespeito são atitudes "normais" para elas...

ricardo disse...

Fernando Os adeptos do petismo como o anônimo acima tentam desqualificar os que não concordam com suas idéias. Para eles quem fala mal do governo é preconceituoso, reacionário, americanólogo , conservador, neoliberal e outras bobagens mais. São incapazes d e argumentar com base nos fatos.

Anônimo disse...

Ricardo, com "bases nos fatos" eles não dão nem pro começo de uma discussão. Até hoje eles não conseguiram explicar a "cagada"( palavras de Marcos Valério na CPI) que eles fizeram... he he

PETER disse...

MUITO BOM O ARTIGO. RESUME BEM O QUE É O BRASIL DE HOJE.

Norberto disse...

Caros amigos
Hoje, no Brasil, o crime como negócio é um mercado promissor e em expansão onde o lucro é maior que a punição, onde o Judiciário não passa de um circo falido, cheio de palhaços mirabolantes, FACEIROS em suas tógas, fazendo palhaçadas velhas e sem graça.

End: ( norbertosilveira.zip.net )
Blog = EFEITO COLATERAL.

nidia disse...

Olá Fernando
Ainda sobre os artigos, também acho que para que se consiga um futuro melhor para o Brasil, em todos os aspectos, o caminho é a educação.
Temos que moldar o caráter das nossas crianças baseados na ética e bons costumes, valores concernentes ao bem e ao mal, ao permitido e ao proibido, à conduta correta de acordo com a lei, para transformá-los em cidadãos dignos.
Mas, a educação, ou seja, aplicar o conhecimento sobre o ser para construir aquilo que se deseja e que deve ser necessita, e é indispensável, uma boa parcela de conhecimento teórico. Então vem a pergunta: quem vai fazer isso? quem, hoje em dia tem essa oportunidade e é talhado para formar o caráter de alguém?
Os adultos brasileiros, em sua grande maioria, são antiéticos, factíveis de serem corrompidos e não tem perfil para tal função.Foram formados com base em idéias duvidosas, onde, como vc mesmo disse, prevalece o salve-se quem puder, os meios justificam os fins, levar vantagem em tudo... Vivem em um país onde são obrigados, muitas vezes, a proceder de forma antiética e muitas vezes para sobreviver. Assimilaram de tal forma tal comportamento que, cada vez mais pessoas praticam atos contra a lei e cada vez mais pessoas incorporam tais atos como sendo "normal".
Diante disso acho que a impunidade é o fator preponderante na mudança do país. Temos, de alguma forma, que pressionar nossas autoridades a cumprirem a lei e a punirem qualquer infração, desde o individuo que joga papel na rua até o que rouba um banco, o que seqüestra e mata, dentro de um sistema onde se conclua a punição, seja ela como multa, prestação de serviço ou mesmo a cadeia (aliás, o sistema prisional tbém tem que ser mudado, mas é um outro assunto).
De uma certa forma vê-se pessoas já preocupadas com isso, como numa propagando na TV que tenta colocar a responsabilidade sobre os pais com respeito ao que os filhos assistem na TV. O pessoal da Tv está tendo consciência de que a programação dos canais abertos é muito pobre e dá maus exemplos, porém, por enquanto, tenta tirar o bumbum da seringa, mas, pelo menos já tomou consciência do fato e está tentando fazer alguma coisa. De uma certa forma está pedindo a censura dos pais (uma espécie de punição).
Mas ainda o que impressiona hoje é a indiferença diante das necessidades mais simples que não são obtidas.
É necessário uma indignação ATIVA. “A reflexão ética para a construção de um ideal deve estar presente em todas as instituições e organizações da sociedade”. O que garante a cidadania é a lei. A cidadania é fruto de um exercício constante com a participação ativa da sociedade. Somos co-responsáveis. Para mudar temos que descruzar os braços, exigir honestidade e cumprimento das leis por parte dos governantes.
Acho que o começo da mudança ´por aí.
Um abraço

ricardo disse...

Nidia. Concordo plenamente com o seu comentário.o que falta no Brasil são penas mais severas para os criminosos. Mas não apenas para os criminosos mais pobres. Para todos. A impunidade é que e a razão de crimes bárbaros e da falta de vergonha dos políticos.