terça-feira, fevereiro 06, 2007

O QUE INTERESSA AOS PARLAMENTARES


“Vamos agora ao que realmente interessa”, parecem dizer deputados e senadores, após a definição da composição das mesas da Câmara e do Senado.É que recomeçaram os rumores a respeito do reajuste dos salários dos parlamentares. Em entrevista, Arlindo Chinaglia garantiu que o assunto não seria discutido na primeira reunião de líderes. Mas nada impede que seja discutido nas reuniões subseqüentes. Isto é, a pauta salarial continua sendo prioridade no Congresso. O recuo inicial, forçado pela pressão da mídia e da sociedade por ocasião da primeira discussão sobre o aumento salarial dos congressistas, não arrefeceu o ânimo dos parlamentares que, para consumo externo, afirmam não ser prioridade, mas não tiram a idéia da cabeça, e trabalham para que ao menos a recomposição das perdas devido à inflação seja feita..

Frustrados em seu intento inicial que era o de igualar o salário dos parlamentares aos dos ministros do Supremo,alguns parlamentares ,numa tentativa de desviar o foco da atenção para o outro lado da Praça dos Três Poderes, estão a propor o congelamento dos salários dos magistrados do Supremo por quatro anos, até que as remunerações sejam equiparadas e um teto seja estabelecido de forma definitiva pelo Congresso. A sugestão, é evidente, provocou pronta reação dos ministros do Supremo. O Ministro Marco Aurélio Mello, por exemplo, propôs trocar o seu ordenado – R$24,5 mil - pelo que recebem deputados e senadores, incluídas todas as vantagens.

O fato é que, transcorridas as eleições onde os temas em pauta eram da mais absoluta nobreza , os parlamentares, agora coadjuvados pelos ministros do Supremo, voltam a se dedicar, sem constrangimentos, ao seu tema predileto, ou seja , a discussão sobre salários , vantagens e privilégios. É briga de cachorro grande por uma maior quantidade de ração pública.E esperar que estes mesmos parlamentares promovam uma necessária e urgente reforma moralizadora no Estado é o mesmo que acreditar em Papai Noel.
060207

5 comentários:

arlindo disse...

Infelizmente, a discussão como sempre está desfocada. Absurdo um deputado, federal que seja, da lavra dos profs. Luizinhos e que tais, tenha vencimentos equiparáveis aos de um ministro do STF. É só verificar os anos de formação e a responsabilidade de cada um. Mas, convenhamos, um provento de R$ 24.500 para um ministro do Supremo, mais adicionais, fora a aposentadoria com vencimentos integrais, está mais do que bom para um país que ainda precisa inventar Fomes Zeros para não acabar com a Fome !

rosena disse...

Fernando Eta briguinha dura(dura de assistir!!)esta do judiciário e do legislativo... Os vencidos somos nós que teremos que nos deparar com o leão no próximo mes. Enquanto isso sobra mês no meu salário.E no seu?

guerson disse...

Tenho dito que esse Ministro Marco Aurélio Mello gosta de polemizar em tudo, atraindo para si os holofotes. Ou seja, gosta de se aparecer. Ele tem razão, porém, quanto aos ganhos extras dos parlamentares. É óbvio, no entanto, que os Políticos ganhariam mais do que qualquer outro Cristão neste país, pois são eles quem fazem as Leis. Neste episódio, contudo, o Ministro tem razão. É que dada as dificuldades as quais o Ex-Presidente Juscelino Kubitchek meteu o Brasil, com a idéia de centralização geográfica do poder, transferindo a Capital Federal para Brasília, houve por bem os políticos de criar essas ajudas de custos, que hoje significam despesas ao herário público, e, por isto podem e devem ser extraídas dos seus ganhos, pois tem gente que não as usam, mas terminam por embolsar a ajuda de custo que ganham, caracterizando ganho extra. Tudo isto, porém, é matéria para a REFORMA POLÍTICA, que deve ser discutida com urgência.

Anônimo disse...

Amigo,Este país é tão bananeiro que, dessa discussão sobre os ganhos nos dois poderes, deveria surgir um basta a rendimentos tão estapafúrdios, entretanto, é possível que não baixem os ganhos dos parlamentares e sim aumentem os dos magistrados. Quer apostar?

fabio disse...

O que interessa aos parlamentares e aos ministros do Supremo, melhor dizendo. A briguinha é boa. Os parlamentares deram uma recuada tática. O ministro Marco aurelio bateu forte. Agora reunem com seu técnico e partem para uma nova estratégia.Breve, mais um capítulo da história.