terça-feira, setembro 05, 2006

O QUE HÁ DE ERRADO COM A OPOSIÇÃO?

O paradoxal nesta história é que, aparentemente, nunca foi tão fácil fazer oposição a um governo.Sem contar a ética jogada ao lixo, e o social tratado como mero assistencialismo, o governo Lula se saiu mal em todos os demais quesitos, a começar pelo pífio crescimento econômico, o penúltimo da América Latina.A pergunta que fica é:afinal, o que há de errado com a oposição brasileira?




O QUE HÁ DE ERRADO COM A OPOSIÇÃO?

O principal candidato da oposição, Geraldo Alckmin, padece da falta de um tema, de um discurso, de uma idéia sobre a qual possa desenvolver a sua campanha e empolgar o eleitorado.Lula, pela segunda campanha consecutiva, se apropriou, com a competência populista que lhe é peculiar, dos temas sociais,e, com isto, lidera tranqüilamente a corrida pelo voto

A oposição pensou que o mote das eleições deste ano fosse a defesa da ética e o combate à corrupção. Errou. O tema preocupa a classe média, mas não empolga o povão.Além do mais, a oposição tucano-pefelista não soube, não teve competência ou não teve credibilidade para se apropriar da defesa da ética e fazer dela a sua bandeira na campanha eleitoral deste ano.Teve esta chance, mas a perdeu quando compactuou com a falta de ética de alguns de seus quadros.

Só para refrescar a memória, quando eclodiu o escândalo do mensalão e, depois, suas ramificações, o governo petista parecia irremediavelmente perdido. A cada denúncia, a cada depoimento nas CPIs, parecia não haver outro caminho do que a abertura de um processo de impeachment contra Lula por crime de responsabilidade. De repente, foi revelado que em 1998, na campanha para o governo de Minas, o cacique tucano Eduardo Azeredo e diversos parlamentares do PSDB mineiro haviam se utilizado de um esquema semelhante ao que o PT empregaria em âmbito nacional.Foi o bastante para que os tucanos se encolhessem e moderassem os ataques ao governo petista, na esperança de que o tempo e novas revelações mais graves se encarregassem de desmoralizar definitivamente o governo Lula.O recuo da oposição tucana foi a senha para o PT se reerguesse das cinzas e Lula recuperasse a popularidade momentaneamente abalada.

Tucanos e pefelistas ficaram sem crédito para assumir o discurso pela ética. A partir de então, a propaganda petista se encarregou de tentar convencer ,com uma seqüência de argumentos falaciosos, que, se o governo pecou pela corrupção, a oposição é tão ou mais pecadora do que ele; se o governo é corrupto, pelo menos se ocupa da questão social, coisa que a oposição durante os oito anos de poder não fez;se o governo é corrupto, esta corrupção é em nome de uma “nobre causa”, numa versão adaptada de que os fins justificam os meios.

A verdade, que a oposição não foi capaz de mostrar, é que apesar de a corrupção ser endêmica no Brasil, e enraizada nas estruturas de nossos costumes políticos nunca ela foi usada desta forma, como parte de um esquema de perpetuação no poder, como este que foi engendrado pelo partido de Lula. Ficou, em muitos, a impressão, em grandes parcelas da sociedade, de que se tratava apenas de um esquema de financiamento ilegal de campanhas políticas, o caixa dois.

Sem o discurso da defesa da ética e sem o discurso do social, o que resta à oposição nesta campanha?Sintomaticamente, o candidato Geraldo Alckmin quando instado a dizer as suas prioridades, não perde tempo, e solta: segurança, educação, desenvolvimento, emprego, saúde, moradia...Um candidato quando tem muitas “prioridades” na verdade não tem nenhuma.O paradoxal nesta história é que, aparentemente, nunca foi tão fácil fazer oposição a um governo.Sem contar a ética jogada ao lixo, e o social tratado como mero assistencialismo, o governo Lula se saiu mal em todos os demais quesitos, a começar pelo pífio crescimento econômico, o penúltimo da América Latina.A pergunta que fica é:afinal, o que há de errado com a oposição brasileira?
050806

7 comentários:

Lula lá outra vez!! disse...

O que ha de errado com a OPOSIÇÃO???Ora, ela mesma. A oposição ja é errada por natureza!!
he he ha

VillaLobos disse...

Fernando.Não creio que estes dois partidos possam representar o verdadeiro sentimento de oposição que existe no brasil. Este sentimento está muito acima dos partidos e causa indignação, revolta, nojo, com o que acontece hoje em nossa política.Me pergunto e pergunto a todos, o que pessoas como Antonio carlos Magalhães, jorge Bornhausen, Cesar Maia, tem que representem este sentimento popular. NADA! são apenas oportunistas que não foram favorecidos com cargos no governo e que querem retomar o governo para se apropriarem destes cargos e vantagens. Por outro lado, temos também pessoas que apoiam lula que não merecem a mínima condescendência do povo.

lula lá outra vez!! disse...

o picolé de chuchu apelou de vez e começou a dar chute na canela: perdido por 1 perdido por 1000
veja a noticia do globo on line no blog do Noblat

Lula vai à Justiça contra Alckmin

"A coligação A Força do Povo, que representa o presidente Luiz Inácio Lula da Silva, entrou com mais uma representação, nesta terça-feira, no Tribunal Superior Eleitoral (TSE) contra a coligação Por um Brasil Decente, do candidato à Presidência Geraldo Alckmin. Nesta ação, a coligação de Lula pede a perda de 102 segundos no horário eleitoral, alegando que Alckmin utilizou trucagem e montagem de imagens e mensagens para ridicularizar o candidato Luiz Inácio Lula da Silva, além de fazer alegações inverídicas.



Na representação, a defesa de Lula afirma que a propaganda de Alckmin alterou o sentido de uma frase do presidente Lula durante o lançamento do programa da reeleição, e a teria manipulado para criar uma relação com José Genoíno, José Dirceu, Sílvio Pereira, Luiz Gushiken e Delúbio Soares, aos quais, foram chamados de "a turma do Lula”.



O presidente Lula teria dito: "Prezo as amizades. Ninguém deixará de ser meu amigo porque cometeu um erro, porque ficou desempregado e muito menos deixará de ser meu amigo porque eu virei presidente da República". Os advogados afirmam na representação que “quando o presidente Lula disse que quem cometeu erro não deixaria de ser seu amigo, o fez de forma genérica. Não disse a que erro e a que amigos se referia, portanto a relação seria caluniosa."

MMFM disse...

O que há de errado com a oposição?
Resposta - A oposição não se deu conta que Lula e o PT estão promovendo um pequeno crescimento econômico, mas uma grande distribuição de renda. Desenvolver o Brasil, sem minimizar as diferenças regionais e sociais não significa avanço. A carga tributária tem que ser alta mesmo, pois o impostos sobre grandes heranças não foi instituido no Brasil e nem será. Implantar uma política socialista num pais capitalista, acabar com a interminável dívida externa, controlar a inflação. Infelizmente, a oposição não se deu conta ainda, que o povo se tornou um pouco mais politizado e entendeu que sòmente um Presidente que emergiu de baixas classes sociais e cresceu às custas de um Partido (PT)que sempre deu ouvidos aos anseios populares poderia implementar as reformas necessárias. Cabe à sociedade, comou um todo, assimilar as mudanças que ocorreram e as elites deveriam ser menos egoístas e entenderem que a DEMOCRACIA é o poder emanado do Povo. Chegar a um ponto ideal não é tarefa fácil, mas
com pequena margem de erro estamos no caminho correto.

Fernando Soares disse...

Villalobos
Muito lúcida a sua intervençao. Realmente, os políticos que vc menciona são meros aproveitadores de um sentimento de revolta que toma conta de grande parte da sociedade, mas que, infelizmente, não será capaz ainda de mudar a situação. Esta parcela esclarecida da sociedade, creio , tem pleno conhecimento do que representam estas figuras políticas.Talvez uma parte da explicação do desinteresse que a candidatura de Alckmin desperta nesta parcela do eleitorado esteja no apoio destas figuras à sua candidatura.
MMFM
A distribuição de renda só será efetiva com o desenvolvimento econômico, precedido ou acompanhado de uma revolução social. Infelizmente, Lula não faz uma coisa nem outra. O crescimento econômico é medíocre, e a distribuição de renda se reduz a uma política de puro assistencialismo. A carga tributária é um escãndalo, principalmente se levarmos em conta que muito pouco é revertido em obras e benefícios para a sociedade.Quanto à alegada polítização do povo ela não chegou ao ponto de compreender que um governo que pratica a corrupção de maneira quase institucional não é um bem para o País...
Um abraço a todos

JP FREITAS disse...

O POVO NÃO É BOBO. Percebeu o que significa esta oposição. Dese quando eles governam o país?É a mesma elite que durante anos, décadas . séculos até, dominou a política e impos os seus privilégios. LULA TEM ERROS? Quem não os tem?É importante verificar que na crise do mensalão foi UMA PARCELA DO PT, não foi o PT como um todo que se sujou. Figuras como Tarso Genro, Eduardo Suplicy, Patrua Ananias, Mercadante, dentre muitos, não se envolveram nesta sujeira. FOI UM PEQUENO GRUPO não foi todo o PT como quiseram fazer crer a oposição. Verdade seja dita: A OPOSIÇÃO TENTOU DAR UM GOLPE, mas recuou quando viu que Lula tem uma grande aceitação popular. Agora tentam por todos os modos desqualificar a figura do presidente. Lula não é um santo, mas é o que de melhor apareceu na política brasileira
JPFreitas

nidia disse...

Me parece, quando leio alguns comentários, que as pessoas pensam que a classe mais pobre não paga impostos. Só pq ela não os paga diretamente não quer dizer que não os paga. Mas na verdade é essa classe a renponsável pelo pagamento (indiretamente) da grande parcela dessa carga tributátia déspota. No preço do produto final de qualquer mercadoria seja nacional ou importada, estão embutidos todos os impostos de produção e comercialização. ou seja, se o industrial por ex. tem que pagar esse ou aquele imposto, ele, OBVIO, o repassa ao produto.
Me lembro que uma vez, lá pela década de 70, numa assembléia para se votar greve para aumento de salário, onde estava presente o Sr Lula, na época Luiz Inácio da Silva, durante a votação eu fui a única que votei contra (sou contra greve). Ele, Lula quiz saber o pq do meu voto contra a paralização. Eu lhe disse que achava (na época), que essa não seria a maneira mais indicada para ajudarmos a resolver as questões econômicas do País e a inflação. Que se insistíssemos em aumento de salário iríamos apenas povocar mais inflação, pois quem teria que nos pagar esse aumento repassaria essa porcentagem ao preço da mercadoria. Ele não só não concordou como achou um absurdo. E continuou a fazer suas greves e o resultado todo mundo conhece.