sexta-feira, setembro 15, 2006

CAMPANHA MEDÍOCRE

Muito mais do que a educação, a segurança, o crescimento econômico e a ética na política, o que está mobilizando o eleitorado em favor de uma candidatura é a dependência desta esmola governamental intitulada Bolsa Família, que os membros do governo preferem denominar “política de transferência de renda”. Desta forma, esta campanha que já ganha o titulo de a mais desanimada dos últimos tempos, corre o risco de se transformar na mais medíocre de todas.


Bolsa-Família: política de transferência de renda ou esmolário oficial?

CAMPANHA MEDÍOCRE
Houve um tempo em que o eleitorado se mobilizava por causas mais nobres. Nas últimas quatro eleições presidenciais, não faltaram temas a centralizar a atenção do eleitor. Em 1989, a necessidade de se combater à inflação. Fernando Collor soube mais do que outro candidato aparecer como possuidor de uma fórmula milagrosa para acabar com a inflação, e por isto foi eleito.Em 1994, mais do que um tema, havia uma política consistente de estabilidade econômica sendo implantada, através do Plano Real, fato que levou o até então desconhecido Fernando Henrique ao poder.Este mesmo Fernando Henrique foi a garantia , nas eleições de 1998, de que a estabilidade conseguida com o Real,ameaçada por sucessivas crises internacionais, não correria riscos, e por isto foi reeleito..Em 2002, foi a necessidade de crescimento econômico e diminuição da pobreza, após oito anos de estabilidade, mas de baixo crescimento,o fator que motivou a maioria a despejar seus votos em Lula.

A campanha presidencial deste ano, ao contrário das campanhas anteriores, se ressente da ausência de uma grande causa, ou de um tema consistente que empolgue o eleitorado, e o mobilize em torno de um ou mais candidatos.. Poderia ser a educação, se a certeira proposta de Cristovam Buarque motivasse a mídia, a opinião pública, e convencesse as camadas mais pobres da população.Poderia ser o combate à corrupção, se a oposição não se omitisse tanto neste tema -talvez com receio de mostrar o próprio rabo – e conseguisse mobilizar a sociedade contra as peripécias do governo Lula. Poderia ser a segurança, se Alckmin não tivesse tanto constrangimento em encarar um tema que foi o seu ponto fraco na administração de SP.

Por paradoxal que pareça, num momento em que o país atravessa uma de suas maiores crises éticas, em que o crescimento econômico é medíocre, em que a segurança do cidadão corre riscos, em que o ensino público e a saúde estão em completo abandono, o eleitorado parece não estar sensibilizado por nenhuma destas questões ou, de fato, não acredita que algum dos candidatos seja capaz de resolve-las..

Diante da incapacidade ou falta de credibilidade da oposição de empunhar uma bandeira que, de fato, mobilize a sociedade, Lula ocupou o seu espaço, e usando e abusando da máquina governamental, empunhou a única bandeira que lhe restou após quatro anos de medíocre governo, ou seja, o assistencialismo. E com isso conseguiu o apoio maciço das camadas mais carentes da população.Em plena campanha, acenou com a continuidade do programa assistencialista e, veladamente, chantageou seus prováveis eleitores com a ameaça de que a vitória da oposição significaria o fim dos programas.

Resultado: muitíssimo mais do que a educação, a segurança, o crescimento econômico e a ética na política, o que está mobilizando o eleitorado em favor de uma candidatura é a dependência desta esmola governamental intitulada Bolsa Família, que os membros do governo preferem denominar “política de transferência de renda”. Desta forma, esta campanha, que já ganha o titulo de a mais desanimada dos últimos tempos, corre o risco de se transformar na mais medíocre de todas.
150906

6 comentários:

LULA LÁ OUTRA VEZ!!! disse...

A oposição conservadora e golpista continua a chorar...Quer dizer que o bolsa família faz a campanha medíocre?As necessidades do Brasil são estas mesmas: ALIMENTO, CASA, ROUPA PRA VESTIR!!A classe média sempre olhou pro seu umbigo e desprezou a pobreza. Finalmente chegou um presidente que olhou pra ela e fez dela o tema da campanha. E a oposição chama de medíocre a campanha. pergunte a quem vivem com menos de meiO salário se é medíocre.
LULA LÁ!!!

MMFM disse...

Tão longe e distante dos mais pobres não se conforma com a vitória do povo. Plantaram desgraças e exclusão durante todo o século 20, desacostumadas com o povão, não entende o que se passa. E, se o povo é ignorante como dizem e vota por migalhas, isso comprova que geração formaram pois foram governo até 2002. Se o povão vota no Lula por ignorância, quem plantou a ignorância na cabeça desse povo foi a oposição que foi governo até 2002. Colhem hoje as desgraças que plantaram

LULA LÁ OUTRA VEZ!! disse...

15 de setembro de 2006 - 12:30
Política do Brasil para pobreza é exemplo, diz FMI

Afirmação foi do diretor-gerente do Fundo Monetário Internacional (FMI), Rodrigo de Rato
BBC

SÃO PAULO - O diretor-gerente do Fundo Monetário Internacional (FMI), Rodrigo de Rato, disse nesta sexta-feira que as políticas brasileiras de luta contra a pobreza são um "exemplo" para a América Latina.

"É um bom exemplo na América Latina, embora não o único, de mudanças para melhor na maneira como se realizam gastos sociais. O Brasil deu passos importantes em tornar mais eficiente seu gasto social, e a redução da pobreza nos últimos anos tem avançado", disse De Rato.

Rafael disse...

Amigo. Lula já disse que é fácil governar para os pobres. Eles se contentam com pouco, eles não vão à brasília encher o saco do presidente.Esta é a filosofia de governo do apedeuta. Deve ser fácil mesmo. Ele "tira dos "ricos"´para dar aos pobres. Enquanto isso o resto que se dane, o que interessa é que ele garante a sua releição. Como vc diz esta é uma campanha medíocre, mas por culpea de um povo medíocre que temos.

Sofia disse...

Fernando, queria analisar e pautar o seguinte sobre o marasmo que anda a eleição presidencial.
O que ocorre é uma descrença, desgosto, desilusão e até mesmo descaso com os políticos, principalmente pelas pessoas mais esclarecidas.
Este ano a classe menos favorecida é que determinará o resultado final. E já sabemos qual será, infelizmente.
Quando diz que a proposta certeira seria a educação, sim, esta deveria ser discutida por todos. Se de fato houvesse uma verdadeira revolução educacional no Brasil, a médio e longo prazo os demais problemas sociais seriam sanados, resolvidos. Mas a classe menos favorecida dá o verdadeiro valor à educação? Não.
Quando diz que o combate à corrupção seria um tema importante, sim, também o é. Mas mais uma vez a classe menos favorecida pouco se importa com isto, uma vez que, não são atingidos tão diretamente quanto à classe média que paga altas taxas de impostos (I.R; IPVA; IPTU; CPMF........). A importância de se acabar ou mesmo diminuir a corrupção realizada pelos políticos interessa mais a nós que sofremos diretamente com o nosso bolso.
Tenho asco, repugnância da atitude de Lula e das pessoas mais esclarecidas que o apoiam, de usar a pobreza, a necessidade de sobrevivência, da falta do que comer e fazer disto seu palco de atuação. Atua em benefício próprio, para o seu brilho próprio. Não é capaz de fazer nada para mudar realmente a dura vida dessas pessoas.Espero um dia poder ver a verdadeira ação e revolução educacional, onde todas as criança, jovens, adultos possam ter a mesma formação e informação em todas as classes sociais e aplicando o verdadeiro sentido de cidadania. A partir daí não teremos mais campanha política tão medíocre

Fernando Soares disse...

Sofia e Rafael
Em outras ocasiões, o povo votou com a razão, pois tinha diante de si um fato que concretamente significava melhoria no seu padrão de vida. Foi o que se deu quando do Plano Real seguido da eleição de FHC. O PT chamou aquilo de estelionato eleitoral. Hoje o governo petista joga com a manipulação das consciências, do passionalismo. O que oferece a estas camadas mais desfavorecidas? Algo de consistente? Algo que os regatem definitivamente da miséria e do abandono? Nada disto!Nada mais do que esmolas, esmolas e mais esmolas. Esmolas mensais- mensalão dos pobres.
Alguém já disse com razão que o governo de Lula tem tres mensalões: o mensalão dos banqueiros, os juros altos; o mensalão dos polítiticos; e o mensalão dos pobres, a Bolsa Família. É isto.