quarta-feira, agosto 02, 2006

ENVELHECEU COM O REGIME

ENVELHECEU COM O REGIME
Fidel Castro envelheceu com o regime que ele implantou em Cuba. Nem a queda do muro de Berlim e a dissolução dos governos comunistas na Europa foram suficientes para convencer Castro de que era necessária uma renovação nos ares da política cubana. O ditador parecia convencido de que a sua velha e carcomida obra política ainda era um exemplo para os demais povos da América Latina.Mesmo com todas evidências de fracasso, o regime castrista ainda conseguia despertar admiração e simpatia em alguns setores da esquerda latino-americana,em especial no Brasil, onde o presidente Lula é o primeiro a não esconder o seu fascínio pelo velho autocrata do Caribe.

Quando tomou o poder da ilha em 1959, através de um golpe, Fidel rompeu com os Estados Unidos e aliou-se à URSS, da qual passou a depender economicamente. Ao mesmo tempo,exterminou o empresariado e a classe média cubana, deu início a uma série de julgamentos sumários, condenando a morte ou à prisão milhares de “contra-revolucionários”provocando a fuga em massa de milhões de cubanos. Fidel construiu um dos regimes mais sanguinários do século XX, e, mesmo assim, foi alvo da admiração e das homenagens de políticos, intelectuais e artistas. Por quê? A resposta padrão é que ele enfrentou o “imperialismo ianque” – a velha luta de Davi contra Golias – e construiu uma sociedade “justa e igualitária”, com ênfase na educação, saúde e saneamento, isto apesar da evidente pobreza e atraso do país.


Sobreviverá a obra à morte do seu criador?

Mas a realidade é mais forte que o mito. Em nome de uma suposta revolução social, o que fez foi liquidar com a economia do país – que passou a depender exclusivamente da ajuda da URSS – e esmagar qualquer manifestação de liberdade e democracia. Enquanto o país empobrecia, seu ditador enriquecia, a ponto de ser citado recentemente pela revista Forbes como possuidor de uma das maiores fortunas pessoais do planeta. Foi o que restou do mito que a esquerda construiu ao longo de quase cinco décadas.

Agora, gravemente enfermo, Fidel tenta manter a sobrevivência de sua obra através do continuísmo, representado pelo seu irmão Raúl Castro.Tal e qual nas monarquias absolutistas, a sucessão se faz por herança, o que parece ser a prática usual dos regimes comunistas que sobreviveram à derrocada do final dos anos oitenta.É bom não esquecer que na Coréia do Norte, outro exemplo de senilidade comunista, o ditador falecido foi sucedido pelo seu filho, que manteve o totalitarismo do regime.Em Cuba,provavelmente, a sobrevivência da autocracia comunista não será possível depois da morte de Fidel. Um sopro de liberdade e de democracia será necessário. O ambiente político internacional e a pressão exercida pelos exilados e, mesmo, por cubanos residentes em Cuba, farão com que , qualquer que seja o sucessor efetivo de Castro, algo seja feito no sentido de abrir o regime.Neste caso,será difícil a criatura sobreviver ao criador.Assim seja.
020706

9 comentários:

Eduardo disse...

"Em nome de uma suposta revolução social, o que fez foi liquidar com a economia do país"

E no Brasil é a economia que liquída com a vida social.

A suposta revolução social foi reconhecida pela ONU/UNESCO quando os cubanos conseguiram riscar do mapa de Cuba o analfabetismo em pouco mais de 1 ano, de 1960 a 1961. E a suposta revolução social faz Cuba ter os melhores índices sociais de toda a América Latina, segundo a ONU.

eu sei que a ONU hoje em dia não é referência pra nada, mas só quero dizer que esses números nao são do governo cubano e sim de um organismo internacional

Renato V disse...

Fidel fez de Cuba um país digno, ao contrário dos outros da América latrina que entregaram até a alma ao capital internacional.Tentaram desmoralizar fidel de toda forma. tentaram assassina-lo. Tentaram invadir Cuba e nada conseguiram. È só pesquisar entre o povo cubano. A maioria vai dizer que admira Fidel. Sua morte será sentida pelo povo cubano. Somente os ladrões do povo vão comemorar.Seu artigo é tendencioso. Visite cuba e vc mudará de opinião.

Eduardo disse...

Acredito que foi o povo cubano que fez de Cuba um país digno.
A força da cultura, a força da arte, da musica, a força da história e da resistência de um povo tão mais latino-amaricano que todos os outros da nossa Maúscula América.

Anônimo disse...

O artigo de Soares resume aquilo que todos os democratas e amantes da liberdade sabem a respeito de Cuba: é uma ilha-prisão construida e administrada por um psicopata que matou , torturou e prendeu aqueles que não tiveram a sorte de fugir.
Fidel não é nada daquilo que a imprensa esquerdista tentou construir.Deu educação ao povo? Sim. Mas uma educação bitolada, uma autêntica lavagem cerebral, que so ensina as crianças e jovens a obediência cega. A ilha é um caos : falta de tudo, a pobreza é geral. Tudo é antiquado e ultrapassado. Pena porque o povo cubano é alegre e hospitaleiro e não merecia ter a sorte que teve.

Sofia disse...

Muito bom o artigo.
Nada como ter a democracia implantada em um país, ter a liberdade de agir, pensar, falar, ir e vir, acesso a modernidade....
Sim, Fidel envelheceu junto com o seu sistema político.
Não precisa ir à Cuba para ver "in loco" a pobreza generalizada, falta de saneamento etc, etc.
Verdade é que em Cuba a taxa de analfabetismo é muito pequena. Mas será que a educação ali ministrada é de fato eficiente e possibilita o crescimento pessoal do povo cubano? Não me parece isto quando vejo em reportagens. Mostra um povo simples, alegre em meio há tantas coisa antigas, velhas. Sim , o povo cubano é um vencedor no meio daquele caus.
O povo cubano é que fez de Cuba um país mais digno.

Anônimo disse...

seu artigo é a coisa mais reacionária e ignorante que ja li nos ultimos 40 anos. vai falar besteira assim la longe. não tem nenhuma estrutura conssistente e verdadeira, alem de não conhecer nada daquela sociedade.

Fernando Soares disse...

Amigos
O velho Fidel, mesmo quase morto, ainda consegue provocar divergências. Felizmente, para nós, estas divergências são possíveis AQUI. Porque lá, na ilha,o pensamento único ainda prevalece, isto é, só é possível falar bem do ditador.Concordo que o povo cubano é alegre e hospitaleiro e até acredito que muitos , ingenuamente, se deixem atrair pelo "carisma" do velho ditador. Acontece que numa sociedade onde só é possível conhecer um dos lados da moeda fica difícil discernir o que é bom e o que não é. Castro construiu um regime baseado na força das armas, no silêncio forçado e na ocultação da verdade. Mesmo assim, muitos tentaram e consguiram fugir da ilha -prisão. O fato é que,entrando o século XXI, nada justifica a existência de um regime tão arbitrário e tão cruel.Nem mesmo os alegados "avanços sociais". O que Castro construiu em Cuba foi um regime totalitário e igualitário, sim. Totalitário na força do estado.Igualitário na pobreza.

Tamanini disse...

Não existe, na verdade, como tecer uma avaliação fidedigna sobre as condições de desenvolvimento de Cuba. Isto porque os dados oficiais são fornecidos pelo próprio Estado, ou seja, não são isentos. Confiar em dados fornecidos pela ONU é uma piada. Os observadores da ONU só vêem o que Fidel deixa que seja visto. Confrontar com fatos obtidos por mídia isenta também é impossível. O que a gente fica sabendo é proveniente de alguns que foram à ilha. As pessoas que eu conheço e que foram para lá, referem um estado de grande miséria disfarçada com alguma organização. Tome como exemplo, o serviço de Assistência á Saúde. Poderia ser muito bom, caso a Medicina não tivesse evoluído tanto desde a década de 80. Faz-se o melhor com os recursos que se tem dentro da ilha (o que não é muito). Caso Cuba fosse um exemplo tão bom assim, não deveríamos esperar o inverso (ou seja, os melhores médicos cubanos executando um padrão de assistência em saúde superior aos melhores médicos do Brasil)?

Rosena disse...

Não entendo pq tanta admiração por Cuba.Aquilo lá é miséria associada com total falta de liberdade. Alg ainda discute isto? Além da liberdade lá falta tudo. Desde proutos de primeira necessidade até produtos de consumo. Será que tanta admiração por Cuba é devido o barbudo de lá ter enfrentado o tio sam? Só por isto??