segunda-feira, agosto 14, 2006

DESCRENTES E DESILUDIDOS

Com seu discurso estridente e contundente, Heloisa costuma se colocar acima de todos os demais políticos. O fato de combater, com a mesma veemência, tanto o atual governo quanto o anterior, a coloca numa posição privilegiada na disputa autofágica entre petistas e tucanos pelo poder. Com isto, consegue atrair tanto os desiludidos com o PT quanto os descrentes com a política em geral.




OS DESCRENTES E OS DESILUDIDOS

Nesta campanha eleitoral para a presidência são perceptíveis, basicamente, três tipos de eleitores os conservadores, os renovadores e os descrentes e desiludidos. Os primeiros, demonstram estar satisfeitos com a política atual,- quaisquer que sejam os motivos desta satisfação - ou, pelo menos, acham que se a situação está ruim com Lula, pior seria sem ele. São pessoas que têm uma crítica pontual aqui e acolá, mas não estão dispostas a “arriscar” o seu voto em outro candidato. A liderança de Lula nas pesquisas realizadas até agora indica que esta tendência tem predominado.

Os renovadores são os insatisfeitos com a política deste governo, ou, com este governo em si. Repudiam o seu comportamento ético e julgam-no incapaz de promover as mudanças que levem o país ao desenvolvimento. Certamente, darão o seu voto a um dos candidatos oposicionistas, o que considerem mais indicado para fazer esta mudança desejada. Já os descrentes e desiludidos proliferam de modo heterogêneo, e vão desde aqueles que são , diríamos, descrentes crônicos, pelo seu repúdio à política e aos políticos em geral, aos descrentes agudos, aqueles que passaram a ter ojeriza pela política em virtude dos mais recentes acontecimentos no governo e no Congresso. Há também aqueles que se desiludiram especificamente com Lula e com o PT.

Nesta campanha eleitoral, mais do que qualquer outro candidato, Heloisa Helena está catalisando este sentimento de descrença e de desilusão de parte do eleitorado. A crise política e ética protagonizadas pelo governo Lula, pelo seu partido e pelo Congresso fortaleceram, nestes setores da sociedade, em especial em setores da classe média, a convicção de que todos os políticos farinha do mesmo saco de malfeitos. Todos, em maior ou menor grau, são antiéticos, corruptos, cínicos, hipócritas e safados.

Com seu discurso estridente e contundente, Heloisa costuma-se colocar acima de todos os demais políticos. O fato de combater, com a mesma veemência, tanto o atual governo quanto o anterior, a coloca numa posição privilegiada na disputa autofágica entre petistas e tucanos pelo poder. Com isto, consegue atrair tanto os desiludidos com o PT quanto os descrentes com a política em geral. Os desiludidos com o PT são aqueles que mantiveram a sua crença nas teses que foram defendidas durante anos pelo partido de Lula: uma junção de política econômica nacionalista e estatizante com a defesa da ética da moral e dos bons costumes na atividade pública. Como se sabe, uma vez no poder, o PT abandonou tanto uma quanto outra, e este eleitorado parece ter encontrado em HH – defensora destas teses, e, por isto, expulsa do PT – aquilo que Lula e seus companheiros pareciam representar num passado recente.Os descrentes com a política em geral, dispostos, inicialmente, a anular o seu voto em outubro, também podem ser convencidos pelo discurso rebelde e apelativo da candidata do PSOL, enxergarem nela um símbolo da anti-política, e descarregarem nela parte de seus votos.


Não obstante a sua ascensão nas pesquisas, HH não consegue esconder o essencial: o seu discurso rancoroso e contundente é também atrasado e autoritário. Da mesma forma que o PT no passado, revela uma profunda repulsa pela democracia representativa e suas instituições. A isto, soma-se a sua visão arcaica da economia, e a fé no socialismo como sistema redentor da humanidade.

Pelo que dá a entender sobre o seu, digamos, pensamento político e econômico, fica claro que, para ela, o mercado deve sofrer um processo de permanente interferência do Estado. Para isto, o Estado deve ser o mais amplo possível, o mais intervencionista possível. Radicalizando os velhos conceitos da esquerda, HH é mais uma entre os defensores da tese de que a “justiça social” depende exclusivamente da ação onipresente e onisciente do Estado, interferindo em todas as esferas da sociedade. Traduzindo em bom português: regulamentação excessiva, carga tributária elevadíssima, quebra de contratos, inchaço da máquina pública, controle do governo sobre as instituições civis. Em resumo: Estado amplo, sociedade fraca e economia vigiada.

Muito menos por suas convicções políticas e econômicas, a senadora entrou nesta disputa com o propósito de expandir o seu insignificante partido, ameaçado pela cláusula de barreira. Impulsionada pelo resultado das recentes pesquisas e pela atenção que vem recebendo da mídia, já trabalha com a possibilidade de superar o apático Geraldo Alckmin e chegar ao segundo turno,hipótese que, pelo andar da carruagem, não chega a ser completamente absurda.Muito mais do que o candidato tucano, que não consegue engrenar um convincente discurso de oposição, HH, como franco-atirador, só tem a ganhar, se for capaz de agregar o maior número possível de votos dos descrentes e dos desiludidos..

Quase sempre, este sentimento de repulsa, descrença e desilusão com o status-quo político carrega o vírus do autoritarismo. Esta parcela da sociedade costuma associar as mazelas políticas, que permeiam o sistema político brasileiro, como inerentes ao próprio sistema democrático, e deixam-se encantar por qualquer tipo de discurso que encarne esta tendência pelo autoritarismo. No momento, é o discurso da senadora aquele que mais traduz esta tendência. Tal fato seria preocupante se a senadora tivesse uma base partidária forte e bem estruturada, o que não acontece. Com a estrutura que tem, HH poderá aspirar no máximo, a levar a eleição ao segundo turno, numa disputa em que ela ficará de fora.A não ser que a incompetência de tucanos e pefelistas seja tão grande que possibilite uma final entre ela e Lula. Aí seria desgraça demais, e, aos verdadeiros democratas, só nos restaria orar ao santo protetor da democracia. Mas existe este santo?

140806

8 comentários:

Rosena disse...

histérica
Esta senadora não tem a tranquilidade necessária para governar um país. Fico imaginando o que faria ela diante de uma grave crise. Ficaria histérica, choraria, gritaria?Minah nossa!Pra fazer discurso tdo ótimo, tudo bem.Mas acho que estamos discutindo o impossível, ela nao chega la.

Nídia disse...

Boa tarde Fernando
Mais uma vez concordo com vc em tudo. Acho a senadora uma ameaça contundente à nossa frágil democracia. Quando ela fala em "democratizar o poder econômico" dá pra sentir no ar um cheiro de confisco. Acho temerário esse interesse crescente na senadora, como uma opção de voto, como já a chamam de "voto virgem", e que vc colocou como símbolo da anti-política. Nós, paulistanos, já vimos esse filme. por ocasião da eleição da Sra Erundina à prefeitura de São Paulo. Lembro-me muito bem que, até nas últimas pesquisas, ela, a Erundina, estava em 3º ou 4º lugar e houve um pensamento espontâneo, mas coletivo, entre uma grande parte dos eleitores, já desiludidos na época com a política, em praticar o voto de protesto, tipo: vou votar na Erundina porque ela não vai ganhar mesmo... E, para grande surpresa de todos, inclusive dos que votaram na prefeita, ela conseguiu se eleger. Muita gente, assustada com o desfecho das eleições dizia, desabafando: se eu soubesse que muita gente iria pensar como eu e votar nessa senhora só de revolta com a política, eu teria pensado melhor e não teria feito isso. Mas aí a coisa já estava concretizada e sem uma segunda chance. E deu no que deu.

Simon disse...

ACHO ENGRAÇADO OS METIDOS A ANALISTAS POLÍTICOS...VIVEM DIZENDO QUE FALTAM OPÇÕES NESTA ELEIÇÃO, QUE OS CANDIDATOS SÃO COMPROMETIDOS COM O SISTEMA E TAL.QDO SURGE UMA CANDIDATA DE FICHA LIMPA E EXELENTE ATUAÇÃO NO CONGRESSO, PASSAM A CRITIC´-LA DIZENDO QUE ELA É RADICAL, QUE É COMUNISTA, QUE VAI QUBRAR O BRASIL E TAL.
A BURGUEMERDA NÃO SE EMENDA MESMO!!!!
HELOISA É SIM UMA CANDIDATA CAPAZ, HONESTA, COMPROMETIDA COM A LUTA DO POVO. TEVE A CORAGEM DE DEIXAR O PT DOS TRAIDORES E HOJE CRESCE NO CONCEITO DO POVO. AO CONTRARIO DO QUE DIZ O ARTIGO ELA NÃO É A CANDIDATA DOS DESILUDIDOS , ELA É A CANDIDATA DOS CONSCIENTES E DAS PESSOAS DE LUTA QUE NÃO QUEREM A EXPLORAÇÃO E A CORRUPÇÃO NESTE PAÍS

Sofia disse...

Olá Fernando,
Tenho que concordar com você e com suas idéias aqui transcritas em seu artigo.
H.H. é de fato uma senadora atuante, de personalidade forte, muitas vezes com posturas, pensamentos e atitudes radicais. Como mulher, torço para que consiga um número expressivo de votos, mas chegar a se eleger como presidenta, não acredito nessa possibilidade. Acredito na possibilidade de haver um segundo. Com quem será que Lula irá disputar?????Torcemos, só nos resta torcer mesmo.
Pena que os paulistanos, com a desilusão nos políticos e na política, experimentaram o gosto amargo do Pt através da L.E., mas,quiseram testar de novo né, com uma nova roupagem, da M.S. Será que aprenderam a lição?
Agora, gostei da sua idéia, orar para o santo protetor da democracia. Se não existe, vamos inventá-lo então?

Nídia disse...

Pois é Sofia, bem lembrado. Os paulistanos precisaram de uma segunda dose de PT para tomarem juizo e aprenderem a lição. A maioria dos brasileiros deveria pensar nisso e se livrar da 2ª dose do Pt no governo federal, né?

Anônimo disse...

O SIMON DISSE TUDO. A respeito da atuação da senadora eu não tenho nenhum reparo. Sempre enxerguei nela uma política atuante, corajosa e decidida. Todos reclamam estas qualidades nos políticos . Quando aparece uma assim, ficam reclamando dizendo que é radical O meu voto é dela. TB votar em quem ? No alckmin PCC. No Lula mensalão? Sinceramente.

Fernando Soares disse...

Amigos
Não tenho como contestar os argumentos de Simon e do "anônimo", de que a senadora é brava, competente e corajosa.Mas me identifico mais com o que Nídia, Sofia e Rosena disseram.
O problema não são as suas qualidades pessoais, mas o que ela representa em termos políticos. Infelizmente ela representa o atraso político. O Brasil já pagou muito caro por ter governantes que não souberam ou não quiseram inserir o país num contexto de competitividade capitalista. Enquanto vários países arrancaram para o progresso, ficamos marcando passo, apegados a idéias retrógradas, como as que alimentam a senadora. Falando francamente, o que a senadora defende não fica muito longe do que Fidel Castro aplicou em Cuba. Se as condições do Brasil permitissem a ela tal aventura, certamente estaria na vanguarda, aliada a Chavez, Morales e outros que imaginam um projeto louco e inviável e querem que o país se insira neste projeto. Não pode dar certo.
Abraço a todos

hh tira votos da direita! disse...

Creio que desponta um consenso: Tem que ser o Lula! Uma eleição que julgavam polarizada desde o início entre Lula e ex-geraldinho, agora começa a preocupar...hehehe! A boquirrota das alagoas deu uma rasteira na direita. Pensaram que tiraria votos do Lula e vejam só! Quem esperneia é o candidato da direita.