segunda-feira, julho 31, 2006

CÂMARA DOS DEPUTADOS OU COVIL DE LADRÕES?

Foram três anos e meio em que os “representantes do povo”, em vez de representa-lo, se dedicaram a variadas atividades – nepotismo, recebimento de propinas, desvio de verbas públicas, lavagem de dinheiro, corrupção ativa e passiva, absenteísmo, fisiologismo, e até orgias - que atiraram na lama o que restava da honorabilidade do parlamento brasileiro, fazendo com que muitos passassem a duvidar da sua necessidade no quadro das instituições políticas. E isto é perigoso.



Dança da pizza: símbolo de um Congresso desmoralizado

CÂMARA DOS DEPUTADOS OU COVIL DE LADRÕES?

A imagem sugerida no título acima pode parecer um pouco forte. Mas que nome dar a uma instituição cujo comportamento dos seus membros, na legislatura que caminha para o seu final, a aproximou muitíssimo mais das páginas policiais do que das seções sobre política? Afinal, foram cerca de quatro anos de sucessivos escândalos que envolveram deputados de quase todos os partidos – a maioria, da base governista – e que culminou , agora, com o escândalo dos sanguessugas.

Foram três anos e meio em que os “representantes do povo”, em vez de representa-lo, se dedicaram a variadas atividades – nepotismo, recebimento de propinas, desvio de verbas públicas, lavagem de dinheiro, corrupção ativa e passiva, absenteísmo, fisiologismo, e até orgias - que atiraram na lama o que restava da honorabilidade do parlamento brasileiro, fazendo com que muitos passassem a duvidar da sua necessidade no quadro das instituições políticas. E isto é perigoso.

É perigoso porque nenhum país que se pretenda realmente democrático pode prescindir de um Parlamento forte e atuante. Afinal, em tese, ele é a voz, os olhos e os ouvidos do povo no governo. É através dele que o povo reivindica as obras públicas que necessita e exerce o poder de fiscalização sobre os responsáveis pela execução, evitando os abusos e as arbitrariedades.No Brasil, infelizmente, em virtude de uma tradição histórica e de um alheamento crônico do povo em relação à política e à coisa pública em geral, o Parlamento sempre caminhou dissociado daqueles a quem deveria representar. A não ser em alguns raríssimos momentos da nossa história, republicana, o Congresso, em especial a Câmara dos Deputados, se comportou como um clube fechado, centrado em seus próprios interesses particulares, fazendo leis que interessavam à classe política ou a grupos econômicos poderosos, estes com forte lobby nos corredores da Casa.

Todo este comportamento irresponsável só poderia culminar, como culminou na atual legislatura, na retirada da máscara que fazia com que a Câmara dos Deputados aparentasse ser o que de fato não era: uma instituição séria e comprometida com projetos que visam o bem coletivo.As denúncias do deputado R Jefferson, se caíram como uma bomba no colo do poder executivo e do partido governista, atingiu como um míssil o que restava da credibilidade da Câmara dos Deputados.

A partir de então, tomamos conhecimento de que grande número de deputados, pertencentes a partidos apoiadores do governo, possuíam o hábito se sacar e embolsar generosas quantias depositadas em bancos suspeitos por um tal de Marcos Valério. Dentre estes parlamentares figurava nada menos do que o próprio presidente da Câmara, o petista João Paulo Cunha.Ficamos sabendo, também, que o sucessor de João Paulo, o pitoresco e nocivo Severino Cavalcanti, costumava embolsar propinas pagas por um dono de restaurante que funcionava nas dependências da Câmara, ameaçado de perder o seu negócio.

A Comissão de Ètica bem que tentou colocar um pouco de ordem nesta farra. Recomendou a cassação de 19 parlamentares denunciados com provas consistentes.No julgamento do Plenário, protegidos pelo voto secreto, falou mais alto o espírito de corpo, e apenas três deputados acabaram cassados, onze foram absolvidos, quatro renunciaram e um ainda aguarda o julgamento do Plenário.Mas esta história de auto-desmoralização não poderia terminar sem um fecho de ouro, que pode ser simbolizado na grotesca dança da deputada paulista Ângela Guadagnin ( PT ) , ao comemorar a absolvição de um colega acusado de mensaleiro.

Quando todos pensávamos que a história de terror protagonizada pelo Congresso às custas do nosso dinheiro tivesse chegado ao fim, vem à luz a denúncia de que cerca de 100 parlamentares estariam envolvidos num gigantesco esquema de fraude na compra de ambulâncias superfaturadas, o chamado escândalo dos sanguessugas. Investigados pelo MP e pela PF, o esquema envolveria, além de parlamentares, 26 ex-parlamentares, 60 prefeitos, 12 assessores parlamentares, 18 funcionários públicos e 21 empresários.Não terá sido por coincidência que alguns dos parlamentares envolvidos e absolvidos no escândalo do mensalão – Pedro Henry ( PP- MT ) e Wanderval dos Santos ( PP- SP ) também se façam presentes na máfia dos sanguessugas.

Fazer o quê, para corrigir tamanha distorção na atuação do Parlamento? É evidente que mecanismos de funcionamento do Congresso precisam ser aperfeiçoados, e novos mecanismos criados, no sentido de possibilitar uma maior eficiência e rapidez na descoberta e extirpação de tumores como estes, que colocam em risco o próprio estado de direito em nosso país. Mas muito mais do que do que a existência destes mecanismos, é o processo de seleção, que tem que levar ao parlamento pessoas comprometidas com o bem comum e com a democracia, e não um bando de criminosos, tal qual assistimos nesta legislatura.Uma excelente oportunidade para uma faxina exemplar do Congresso seria proporcionada pelas eleições deste ano, não fosse o fato de as eleições parlamentares terem se tornado secundárias , pouco visíveis aos olhos da mídia e do eleitor, obscurecidas pelas eleições para os cargos executivos, em especial pelas eleições presidenciais.

Corremos o risco, então, de assistirmos a reeleição de figuras que, durante estes últimos anos, só fizeram denegrir a imagem da instituição e zombar as opinião pública.Sá para lembrar, a maioria dos envolvidos vai tentar a reeleição, e muitos têm ótimas chances de serem reeleitos para mais quatro anos.Fora os mensaleiros que tentam a sua reeleição,estão no páreo para tentar uma vaga no parlamento, gente como Severino Cavalcanti, Antonio Palocci, José Genoino, Waldemar Costa Neto. Por sorte, Delúbio Soares e Marcos Valério não anunciaram esta intenção... Resultado: a próxima legislatura já nascerá enfraquecida e desmoralizada.

Enfraquecida e desmoralizada diante de um presidente que, se eleito já no primeiro turno, se sentirá compelido a usar e abusar do seu já conhecido apetite pelo populismo e pelo autoritarismo e desprezo pelo parlamento, o que representará, sem dúvida, num risco para a democracia. Impulsionado pelos milhões de votos recebidos, Lula se sentirá, quem sabe, compelido a colocar em prática as suas pretensões de se fortalecer e se perpetuar no poder, às custas de um Congresso fraco, submisso, e vena,l e de um povo silenciado por meia dúzia de projetos assistencialistas, alimentados com o dinheiro arrancado dos setores produtivos da população. Devemos, pois pensar seriamente nas eleições legislativas deste ano, se não quisermos lamentar por muito tempo a nossa incapacidade de ver onde mora o perigo.

310705

10 comentários:

Rosena disse...

Muito bom o artigo. Voce tirou da minha boca aquilo que eu gostaria de dizer. Fala-se muito do presidente e dos ministros, mas este congresso é mesmo desmoralizante. Deveriam ser afastados definitivamente da vida pública. Infelizmente a maioria deverá estar de volta no ano que vem. Perigo para a democracia? Sim concordo que com um congresso destge nível a democracia esta em perigo mesmo

Anônimo disse...

Bom o artigo. realmente a maioria é da base de apoio de Lula. mas não esquecer que tem gente do PFL e do PSDB envolvidos também

Anônimo disse...

O PRÓPRIO SERRA LIBERAVA O DINHEIRO PARA OS SANGUESSUGAS
RIGOROSAMENTE EM DIA. LULA CONGELOU.

http://www1.folha.uol.com.br/fsp/brasil/fc2507200605.htm

Governo FHC não atrasava, diz empresário

Dono da Planam diz que torceu para Serra vencer eleição
de 2002 para que R$ 8 milhões empenhados fossem liberados

Vedoin, porém, não afirmou que ex-ministro da Saúde
tivesse
participação em esquema; uma vez eleito, Lula congelou
a verba

Sofia disse...

Excelente artigo Fernando.
Você conseguiu traduzir o pensamento de milhares de brasileiros.
Com o Congresso desmoralizante e desmoralizado só nos resta sentir vergonha.
Quanto ao presidente Lula....... nem é bom falar né.

Anônimo disse...

olá!!!!
Muito bom mesmo o artigo.
Espero que nesta próxima eleição, nós brasileiros saibamos eleger e renovar o congresso, senado, presidência......

Anônimo disse...

Renovação do congresso, senado, presidência?????????? Só se for piada. Já planejam o sistema de eleições para manter os mesmos políticos de sempre.
Só se no Brasil as eleições fosse como nos Estados Unidos. Já que o imitamos tanto, pq não imitar nisto tbém?

Fernando Soares disse...

Rosena, Sofia e Anônimos
Temos a faca e o queijo na mão, ou não temos? As eleições legislativas estão aí. Qualquer forma de protesto é válida, até mesmo em último caso, o voto nulo. Mas é bom que pensemos bem. O nosso voto não estaria contribuindo de alguma forma para a permanência de mensaleiros, sanguessugas e criminosos de toda ordem no Parlamento?É preciso considerar que nem todos são farinha do mesmo saco, como somos levados, muitas vezes, a crer.A permanência de um Congresso fraco e desmoralizado, só poderá servir a quem tem tentações autoritárias. No seu provável segundo mandato, não estaria Lula pensando em governar em contato direto com as massas, dispensando o Congresso? Ou alguém acha que Lula tem vocação democrática?
Um abraço a todos.

Nídia disse...

Pois é Fernando, como é grave essa situação!! A que ponto chegaram os políticos. Nós temos a nossa parcela de culpa nisso. Nós, como cidadãos, permitimos que isso acontecesse. Somos muito passivos, resignados.
Um abraço

Anônimo disse...

Olá Fernando,
Como vc disse: temos a faca e o queijo na mão e uma eleição pela frente.
Nem todos os políticos são farinha do mesmo saco.....até......que provem ao contrário rs.
Congresso fraco????????Será que já foi forte o suficiente algum dia?????????
Lula democrático?????????Jura isto?????
É o maior ditador disfarçado que já ouvi falar.
Demagogia com a massa....isto ele sabe fazer muiiiittttooo bem.E a massa adooorrraaa isto. Gosta de ser enganada.
Pena que o voto deles tem o mesmo valor que o nosso.
Devíamos ter a liberdade do voto.

Rosena disse...

Sabe qual o probema???? É este mesmo . O noso povo é quase analfabeto.Como disse o post anterior o meu votinho vale tanto quanto o votinho do anarfabetu.Os deles valem mais porque eles são maioria.